Tudo o que você precisa saber para a sua declaração do IR 2023 ESTÁ AQUI

Cotações por TradingView
2021-11-09T17:41:18-03:00
Beatriz Azevedo Pinto
SALVE-SE QUEM PUDER

Santander (SANB11) é a melhor ação de banco na Bolsa e pode proteger seu patrimônio enquanto o Ibovespa derrete

Com a alta dos juros, as ações dos bancos finalmente voltam à cena e podem ser refúgio para o investidor durante a turbulência dos mercados. Dentre elas, os papéis mais promissores são do Santander, que teve lucro acima do esperado pelo mercado no 3° trimestre; entenda

Beatriz Azevedo Pinto
9 de novembro de 2021
17:41
Entrada de uma agência Santander
Imagem: Shutterstock

Os últimos tempos não têm sido fáceis para a bolsa brasileira. Com o furo no teto de gastos para financiamento do Auxílio Brasil, temores acerca do futuro fiscal do país e prévias das eleições de 2022, o Ibovespa já acumula queda de mais de 13% nos últimos 6 meses. E o prognóstico para o curto prazo não é nada animador. 

Apesar do cenário complicado, o analista da Empiricus Ruy Hungria afirma que não é hora de se desesperar e vender todas as suas ações. Para ele, a situação pede cautela, “é hora de jogar na defesa na bolsa”. 

Afinal, o mercado brasileiro já passou por momentos piores. A hiperinflação antes do Plano Real, a crise da desvalorização da moeda em 1999, a crise financeira de 2008 e a recessão brasileira no biênio 2015/2016 foram apenas alguns dos episódios que abalaram o investimento em ações por aqui. Nenhum desses percalços foi capaz de derrubar a bolsa, não vai ser agora. 

Até porque, ‘a bolsa brasileira não tem vocação para quebrar’. Fizemos um post em nosso Instagram explicando os motivos por trás dessa resiliência do mercado brasileiro. Para acessar, basta clicar na imagem abaixo. 
Aproveite para nos seguir por lá. Entregamos aos nossos leitores análises de mercado, insights de investimento, carreira, empreendedorismo e as notícias mais relevantes para seu patrimônio. Basta clicar aqui.

Continuando. Diante desse cenário, a recomendação é que o investidor olhe para companhias sólidas, com forte geração de caixa, elevada distribuição de dividendos, múltiplos baixos e - de preferência - um bom histórico de superação de momentos ruins no passado. Nesse sentido, ações dos grandes bancos podem ser o refúgio do investidor durante a tempestade. 

Ações dos bancos podem ser alternativa para se proteger do mau momento do mercado: 

Entre 2016 e 2018, as ações dos bancos traziam brilho aos olhos dos investidores. Com juros estruturalmente altos, pouca competição vinda do lado das fintechs e redução dos bancos estatais, o caminho para a expansão dos bancos ficou aberto. 

A partir de 2019, porém, o jogo virou. Os juros começaram a cair e o Banco Central passou  a afrouxar a regulamentação das fintechs. Isso virou as ações dos bancos de cabeça para baixo e o mercado começou a precificar isso. 

Desde então, os bancos começaram a sofrer. Isso porque a combinação desses dois fatores fez com surgissem várias fintechs sob a promessa de acabar com os ‘bancões’, o que fez com que o investidor os deixassem de lado.  Mas...

...não é bem assim. E os grandes bancos estão voltando a ficar atrativos 

A narrativa era de que os bancos não iriam conseguir se adaptar às mudanças e iriam ser engolidos pelos novos tempos. Veja o desempenho dos papéis do Itaú (ITUB4), Bradesco (BBDC4) e Santander (SANB11) de 2016 até hoje (perceba que o banco espanhol se destaca na série histórica): 

Fonte: Real Valor

No entanto, o cenário futuro está cada vez mais favorável aos bancos. Com a alta da inflação — que já atingiu o maior valor desde 2016 em setembro deste ano ao bater os 10,25% ao ano —,  o Banco Central tende a aumentar a Selic, que já está em 7,75% a.a, como forma de tentar conter o dragão. E tudo indica que o número continuará subindo nas próximas reuniões. 

Assim, a atividade de tomada de crédito volta a ser lucrativa, mercado que os bancões já dominam. Além do mais, as fintechs estão começando a perceber que não é uma atividade fácil. Recentemente, por exemplo, as ações do Banco Inter desabaram após uma notícia sobre perdas relevantes com crédito. 

Com isso, os bancos começam a repassar as taxas mais altas ao tomador na concessão de crédito, de forma que o spread bancário tende a aumentar, se olharmos alguns trimestres à frente. 

E não é só isso. Ao contrário do esperado, os bancos têm conseguido se adaptar bem ao mundo digital, passando a depender menos do contato físico. No Santander, por exemplo, 33% dos novos clientes são oriundos de canais digitais. O Bradesco (BBDC4) também vem apresentando ótima evolução nas métricas de desempenho digital. 

Por fim, o ambiente regulatório relaxado para as fintechs devem estar com os dias contados. Depois de anos sem falar a respeito, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) se pronunciou afirmando que os “bancos digitais gostam de pagar meia-entrada”. 

E o Banco Central abriu uma consulta pública e disse que até o final do ano deve definir uma nova regulação prudencial (que trata de requisitos de capital e gerenciamento de risco sistêmico por parte das instituições financeiras).

O objetivo das novas regras é harmonizar as exigências das Instituições de Pagamento (IPs) e das Sociedades de Crédito Direto (SCDs) com aquelas das grandes instituições.

Entre os bancos, a ação do Santander (SANB11) é a melhor: 

Para Larissa Quaresma, o Santander (SANB11) é a melhor ação entre os bancos. O Santander está avançando muito na digitalização, conquistando clientes que, por sua vez, estão mais engajados e transacionando mais do que os outros bancos. 

Então, isso significa “taxa de intercâmbio bancário, receita de juros e de taxa de administração de fundo na veia”, explica. A analista aponta ainda que o banco tem uma carteira de crédito mais arrojada, que faz com que a tomada de crédito por pessoa física — como cheque especial, cartão de crédito, veículos e etc — fique à frente do que nos outros bancos. 

Isso porque, em um momento de alta de juros, o Santander tende a se beneficiar mais do que os outros bancos. 

No vídeo abaixo, a analista explica por que razão a ação é eleita a melhor e ainda fala sobre a queda de 50% nos papéis da Magazine Luiza (MGLU3) e responde outras perguntas que impactam diretamente seu patrimônio. 

Além disso, o Santander é o único banco internacional com escala no país e o maior banco privado em questão de representatividade. O banco faz parte do Grupo Santander, sediado na Espanha. O conglomerado possui presença em mercados da América Latina, Estados Unidos e Europa. 

No terceiro trimestre de 2021, o banco reportou um lucro líquido de R$ 4,340 bilhões. O resultado representa um avanço de 12,5% em relação ao mesmo período de 2020 e superou mais uma vez projeção média do mercado, que apontava para um lucro de R$ 4,172 bilhões.

Já o retorno sobre patrimônio líquido atingiu um novo recorde: ao bater 22,4% no terceiro trimestre. Um dos destaques do balanço do Santander foi a margem financeira, a linha do balanço que contabiliza as receitas com a concessão de crédito menos os custos de captação, com um resultado de R$ 14,6 bilhões — alta de 17,6% em relação ao terceiro trimestre do ano passado.

A carteira de crédito ampliada do Santander atingiu R$ 526 bilhões em setembro, um avanço de 3,2% no trimestre e de 13,1% em 12 meses. As linhas que mais cresceram foram aquelas destinadas a pessoas físicas e pequenas e médias empresas, que contam com spreads maiores.

O índice de inadimplência acima de 90 dias na carteira do banco aumentou de 2,2% para 2,4% no trimestre, mas segue em níveis historicamente baixos.

Além disso, o banco deve pagar bons dividendos para seus acionistas daqui para a frente. A projeção é de que o dividend yield para 2022 seja de 7,0%. E, de acordo com dados de consenso de mercado compilados pelo TradeMap, a ação ainda pode subir entre 30% e 51% no longo prazo.

Compartilhe

Engordando os proventos

Caixa Seguridade (CXSE3) pode pagar mais R$ 230 milhões em dividendos após venda de subsidiárias, diz BofA

14 de setembro de 2022 - 13:22

Analistas acreditam que recursos advindos do desinvestimento serão destinados aos acionistas; companhia tem pelo menos mais duas vendas de participações à vista

OPA a preço atrativo

Gradiente (IGBR3) chega a disparar 47%, mas os acionistas têm um dilema: fechar o capital ou crer na vitória contra a Apple?

12 de setembro de 2022 - 13:09

O controlador da IGB/Gradiente (IGBR3) quer fazer uma OPA para fechar o capital da empresa. Entenda o que está em jogo na operação

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Exclusivo Seu Dinheiro

Magalu (MGLU3) cotação: ação está no fundo do poço ou ainda é possível cair mais? 5 pontos definem o futuro da ação

10 de setembro de 2022 - 10:00

Papel já alcançou máxima de R$ 27 há cerca de dois anos, mas hoje é negociado perto dos R$ 4. Hoje, existem apenas 5 fatores que você deve olhar para ver se a ação está em ponto de compra ou venda

NOVO ACIONISTA

Com olhos no mercado de saúde animal, Mitsui paga R$ 344 milhões por fatias do BNDES e Opportunity na Ourofino (OFSA3)

9 de setembro de 2022 - 11:01

Após a conclusão, participação da companhia japonesa na Ourofino (OFSA3) será de 29,4%

Estreia na bolsa

Quer ter um Porsche novinho? Pois então aperte os cintos: a Volkswagen quer fazer o IPO da montadora de carros esportivos

6 de setembro de 2022 - 11:38

Abertura de capital da Porsche deve acontecer entre o fim de setembro e início de outubro; alguns investidores já demonstraram interesse no ativo

Bateu o mercado

BTG Pactual tem a melhor carteira recomendada de ações em agosto e foi a única entre as grandes corretoras a bater o Ibovespa no mês

5 de setembro de 2022 - 15:00

Indicações da corretora do banco tiveram alta de 7,20%, superando o avanço de 6,16% do Ibovespa; todas as demais carteiras do ranking tiveram retorno positivo, porém abaixo do índice

PEQUENAS NOTÁVEIS

Small caps: 3R (RRRP), Locaweb (LWSA3), Vamos (VAMO3) e Burger King (BKBR3) — as opções de investimento do BTG para setembro

1 de setembro de 2022 - 13:50

Banco fez três alterações em sua carteira de small caps em relação ao portfólio de agosto; veja quais são as 10 escolhidas para o mês

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies