Menu
2020-12-11T17:15:04-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
acordo de leniência

Justiça bloqueia mais de R$ 528 milhões em bens de empresas da J&F

MPRJ diz que companhias teriam se beneficiado de esquema ilícito de concessão de incentivos fiscais pelo Estado do Rio

11 de dezembro de 2020
14:38 - atualizado às 17:15
j&f
Imagem: Divulgação

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) obteve na quinta-feira (11) na Justiça uma decisão que bloqueia mais de R$ 528 milhões em bens de empresas ligadas ao grupo J&F, holding dos irmãos Wesley e Joesley Batista.

A medida indisponibilizou R$ 210,7 milhões da Seara, R$ 137,5 milhões da Vigor, R$ 137,5 milhões da Dan Vigor e R$ 43,2 milhões da JBS (JBSS3). Segundo o MPRJ, as companhias teriam se beneficiado de um esquema de concessão de incentivos fiscais ilícitos, concedidos pelo Estado do Rio desde 2014.

Procurada pela reportagem, a J&F não quis comentar a decisão. Os fatos foram revelados por executivos da holding no âmbito do acordo de leniência firmado com o Ministério Público Federal (MPF), em 2017.

O caso

De acordo com MPRJ, as empresas da J&F foram indevidamente enquadradas em programas de fomento estadual, aproveitando vantagens fiscais que “causaram graves prejuízos ao erário”.

Em troca, a holding efetuou, em 2014, doação financeira vultosa para a campanha de aliados políticos do ex-governador Sérgio Cabral, viabilizando a eleição de seu sucessor para o governo do Estado, Luiz Fernando Pezão, assim como outras candidaturas do grupo.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Nem o agro se salva

Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) engrossa a lista de IPOs adiados em 2021

A empresa, que já havia interrompido a oferta por alguns dias em janeiro, citou a “deterioração” do mercado em seu segundo adiamento

perspectivas

Temporada de balanços 1º tri: quem deve ir bem e quem ainda está mal, segundo o BofA

Empresas começam a divulgar resultados de um período marcado por lockdowns e alta dos preços das commodities; veja o que esperar

vale o que pesa?

Oi perdeu atratividade após vender fibra ótica? BTG Pactual diz que não

Para analistas, que trabalham dentro do grupo que fez a oferta pelos ativos, as ações possuem bom potencial de alta em qualquer cenário

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies