Esse conteúdo é exclusivo para o
Seu Dinheiro Premium.
Seja Premium
Quero ser Premium Já sou Premium
O que você vai receber
Conteúdos exclusivos
Indicações de investimento
Convites para eventos
Os segredos da bolsa: saiba como desarmar as bombas antes que elas explodam seus investimentos - Seu Dinheiro
Menu
2020-04-13T07:58:53-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
SD Premium

Os segredos da bolsa: saiba como desarmar as bombas antes que elas explodam seus investimentos

Tanto no Brasil quanto no exterior, há uma série de fatores com potencial bombástico para os investimentos em bolsa. Veja aqui como se proteger

13 de abril de 2020
5:30 - atualizado às 7:58
segredos da bolsa bomba
Imagem: Shutterstock

Os investidores do mercado de ações têm um campo minado adiante. Seja no cenário político doméstico, na agenda econômica global ou no front do coronavírus: há diversos fatores explosivos e com potencial para afetar fortemente as bolsas — e é melhor saber como desarmar cada uma dessas bombas e não sair por aí pisando em falso.

A primeira banana de dinamite está instalada no Congresso. Deve ser votado na Câmara nesta segunda-feira (13) o projeto de ajuda a Estados e municípios — um texto que, se aprovado, causará enorme estrago nos cofres públicos.

De acordo com as contas do governo, a 'bomba fiscal' que será votada pelos deputados pode custar até R$ 222 bilhões, dependendo das medidas que serão incorporadas à pauta — o projeto está sendo usado pela Câmara para incorporar propostas de ajuda financeira aos Estados e municípios, em meio à crise do coronavírus.

A grande questão é que o texto não inclui contrapartidas e medidas de ajuste fiscal por parte dos governantes — daí o caráter bombástico da pauta. E é claro que um rombo fiscal tende a reduzir a confiança dos investidores e a tirar força da economia, o que, em última instância, se traduz em pressão de baixa ao mercado de ações.

Mas esse explosivo pode não ser detonado. O governo vai encaminhar uma proposta de acordo para transferir até R$ 40 bilhões em recursos diretos para os Estados e municípios — e esse 'contraprojeto' irá direto às mãos das lideranças dos partidos, de modo a esvaziar a votação da pauta bomba.

Em troca, o governador e prefeito que receber o dinheiro federal terá de suspender por dois anos os reajustes salariais dos seus servidores públicos. Trata-se de um explosão no orçamento, é verdade, mas uma explosão controlada.

O resumo da ópera é: fique atento ao noticiário político nesta segunda-feira, especialmente às movimentações de bastidores das lideranças na Câmara e no Senado. Sinais de que a proposta do governo será aceita tendem a ser comemorados pelos investidores; caso contrário, a tendência é de mais um dia de fortes emoções na bolsa.

Barril de pólvora

E falando em potencial explosivo: a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) finalmente bateu o martelo e decidiu cortar a produção da commodity em 9,7 milhões de barris ao dia, por dois meses, a partir de 1º de maio.

O desfecho da reunião aumenta o ânimo dos investidores quanto a um desfecho amigável para a guerra de preços entre Arábia Saudita e Rússia, iniciada em março. E, de fato, a reação dos mercados foi positiva: tanto o Brent quanto o WTI abriram em alta neste domingo (12).

Só que a commodity não disparou, como alguns supunham. Ocorre que, por mais que o pavio do barril de pólvora do petróleo tenha sido apagado, muitos países fizeram estoques do produto, prevendo meses duros pela frente. Assim, por mais que o corte seja positivo, ele não deve implicar em saltos fortes nas cotações do curto prazo.

De qualquer maneira, fique atento às ações da Petrobras: por mais que a recuperação do petróleo seja tímida, ela ajuda a dar força aos papéis da estatal, que sofreram um baque importante com o colapso da commodity ao longo do mês passado.

Na outra ponta, não descuide dos ativos das companhias aéreas, como Gol e Azul. O preço do combustível das aeronaves depende da cotação do petróleo — assim, a alta na commodity implica em gastos extra para essas empresas, que já estão numa situação delicada por causa da baixa na demanda de passageiros em meio à crise do coronavírus.

Bomba-relógio

Dito tudo isso, não pense que o tic-tac do surto de coronavírus deixou de influenciar os mercados. Pelo contrário: as informações mais recentes mantém os investidores estressados e podem azedar as negociações nos próximos dias.

Segundo levantamento feito pela universidade americana Johns Hopkins, quase 1,9 milhão de pessoas já foram contaminadas no mundo todo, com 114 mil mortes — os Estados Unidos, com mais de 21 mil óbitos, agora são o país com o maior número de casos fatais. No Brasil, já são mais de 22 mil infectados e 1,2 mil mortos.

Por mais que a situação em Nova York esteja começando a se estabilizar, o avanço da doença pelos Estados Unidos inspira cautela aos investidores — e, de fato, os futuros dos índices acionários americanos operavam em baixa na noite de domingo, mostrando o desconforto dos agentes financeiros.

Minas subterrâneas

Além de tudo, os investidores em bolsa ainda precisarão lidar com a agenda de dados econômicos. Nos próximos dias, há uma série de números referentes a março, especialmente no exterior — informações plantadas no passado, em meio ao surto de coronavírus, mas que vão explodir apenas agora.

Resta saber se a explosão será catastrófica ou apenas um leve estrondo. Veja abaixo os principais dados a serem conhecidos na semana:

  • Terça-feira (14)
    • China: balança comercial em março
  • Quarta-feira (15)
    • EUA: vendas no varejo e produção industrial em março
  • Quinta-feira (16)
    • Zona do euro: produção industrial em fevereiro
    • EUA: construções de moradias iniciadas em março
    • China: produção industrial e vendas no varejo em março
  • Sexta-feira (17)
    • EUA: inflação em março

O destaque, novamente, fica com a agenda nos Estados Unidos: dada a importância da economia americana no contexto global e a situação particularmente preocupante do surto por lá, é importante ter uma dimensão exata do estrago que o coronavírus causou à atividade no país.

No Brasil, há apenas um dado relevante a ser revelado nesta semana: o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) referente a fevereiro, com divulgação prevista para terça-feira (14).

Trata-se de uma informação defasada e que ainda não captura os efeitos da crise da Covid-19 na economia brasileira. De qualquer maneira, é um dado que servirá para mostrar o estado da atividade doméstica antes do surto — e que tem capacidade de melhorar ou piorar o humor dos investidores.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Entrevista

Como blindar a Petrobras do populismo com o preço dos combustíveis? Para Adriano Pires, a solução está na venda das refinarias

O diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE) também defende o uso do gás do pré-sal para afastar o risco de um novo racionamento de energia no país

Perseguição ao bitcoin?

Irã fecha ‘fazendas’ de mineração de bitcoin para conter apagões no país; entenda

Governo culpa centros de processamento de criptomoedas por blackouts devido à ‘sobrecarga energética’ da rede de mineração; ao mesmo tempo, Irã usa o bitcoin para amenizar sanções bancárias dos EUA

Lei Orçamentária Anual

Ainda sem aprovação do Orçamento 2021, governo precisa controlar gastos

Manutenção do auxílio emergencial é dúvidas neste início de ano

Pé no freio

Incertezas políticas e fiscais mantêm estrangeiros cautelosos com o Brasil

Após meses de fuga do capital externo do País, os últimos meses de 2020 mostraram o começo do retorno dos investidores de portfólio, mas o ritmo ainda é insuficiente para reverter a forte saída de dólares do Brasil

Crescimento

Vale (VALE3) prevê investir US$ 2,7 bilhões na região norte até 2024

Companhia pretende ainda investir US$ 5,8 bilhões em 2021, dos quais US$ 1 bilhão serão apenas para expansão

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies