Menu
2020-07-29T12:52:08-03:00
Estadão Conteúdo
proposta

Para bancar desoneração, governo vai propor ‘microimposto’

Cálculos iniciais apontam um potencial de arrecadação de R$ 120 bilhões ao ano

29 de julho de 2020
6:46 - atualizado às 12:52
40723541633_cf5591c0f2_c
(Brasília - DF, 24/04/2019) Ex-Presidente do SEBRAE e Acessor Especial do Ministério da Economia, Guilherme Afif Domingos. Foto: Alan Santos/PR -

O assessor especial do Ministério da Economia, Guilherme Afif Domingos, informou que o governo vai enviar já em agosto ao Congresso a proposta de criação de uma "microimposto" digital para desonerar a folha de salários das empresas (redução dos tributos cobrados sobre os salários) e viabilizar a reforma tributária. Os cálculos iniciais apontam um potencial de arrecadação de R$ 120 bilhões ao ano. A alíquota em estudo é de 0,2%, como antecipou o Estadão. A base de tributação, disse ele, será mais ampla do que a da extinta CPMF.

A ideia do governo é que o novo imposto incida sobre pagamentos ou comércio em meio eletrônico, o que pode incluir transferências e pagamentos feitos por meio de aplicativos de bancos, por exemplo. O ministro da Economia, Paulo Guedes, já disse que a intenção é ampliar a base de cobrança, ou seja, a variedade de locais onde os impostos incidem. A CPMF foi um imposto que existiu até 2007 para cobrir gastos do governo federal com projetos de saúde - a alíquota máxima foi de 0,38% sobre cada operação.

Em entrevista ao Estadão, Afif disse que Guedes pretende com o novo tributo financiar a desoneração parcial da folha para salários entre 1 e 1,5 mínimo (R$ 1.045 e R$ 1.567,50) , viabilizar o programa social "Renda Brasil" (pensado para substituir o Bolsa Família) e aumentar a faixa de isenção do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) (hoje, em R$ 1,9 mil).

"Que me apontem uma alternativa que não seja essa", desafiou Afif, que tem participado das discussões da proposta. Segundo ele, o ministro vai apresentar a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) para que possa ser discutida pelos parlamentares na reforma tributária, da qual a primeira parte foi enviada na semana passada ao Congresso.

Segundo Afif, Guedes apresentou o projeto de criação da Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS), unificando o PIS/Cofins, como um "sinal de respeito" ao Congresso para acoplar a proposta nas PECs que já tramitam no Senado e na Câmara. "Vamos levar o projeto (desoneração) para juntos definirmos as prioridades dentro do princípio do equilíbrio orçamentário", disse. "Quando mais ampla (a base sobre a qual o novo imposto vai incidir), menor a alíquota".

A desoneração atende, sobretudo, o setor de serviços, que se sente prejudicado pela proposta que foi apresentada pelo governo até o momento. Diferentemente da indústria, o setor de serviços não tem muitas etapas de produção e é formado basicamente por mão de obra. Por isso, não tem espaço para abater os impostos em fases anteriores da produção. Em média o setor paga 4,5%, abaixo dos 12% que prevê a alíquota unificada.

"O que a turma não entende do fatiado e do não fatiado é que temos que apresentar a ideia global e agir com a ideia local com a urgência, emergência e factibilidade política", disse Afif. Na sua avaliação, o governo não está querendo confrontar e sim cooperar com o Congresso.

Afif comparou a primeira etapa da reforma tributária a uma tomada para "engatar a máquina". "E não é uma tomada de três pinos. É universal, que é o IVA (imposto sobre valor agregado) dual", disse ele, numa referência à proposta de um IVA federal e outro dos Estados e municípios.

Ele elencou os passos seguintes da reforma: a desoneração da folha e a correção da tabela do IRPF, que vai incluir, além do aumento da faixa de isenção, a diminuição das deduções previstas em saúde e educação, que reduzem o imposto a pagar. O governo vai também redesenhar as alíquotas para redistribuir sem aumentar a carga tributária.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

após relatório da inflação

Retomada indica que País está acima da média de emergentes, diz Campos Neto

Presidente do BC disse que a autoridade monetária tem posição de “absoluta tranquilidade” em relação à inflação e afirmou não acreditar que a alta nos preços de alimentos neste ano possa impactar a inflação em 2021

De olho no e-commerce

Vinci Partners assina joint venture com Fulwood para desenvolver até R$ 1 bilhão em galpões logísticos

Recursos serão captados por fundo imobiliário inicialmente não negociado em bolsa; motivação é o desenvolvimento do e-commerce na pandemia

saída da crise

Analistas e BC têm se surpreendido com números melhores da atividade, diz Kanczuk

Banco Central atualizou nesta quinta no Relatório Trimestral de Inflação (RTI) sua projeção para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2020. A expectativa para a economia este ano passou de queda de 6,4% para retração de 5,0%

MERCADO DE TRABALHO

Nos EUA, pedidos de auxílio-desemprego sobem 4 mil na semana, a 870 mil

Resultado ficou acima da expectativa dos analistas, que previam 850 mil solicitações na última semana

retomada econômica

Sem Petrobras e Vale, lucro das empresas deve crescer 14% em 2021

Análise foi feita pelo BTG e compara as perspectivas sobre os resultados de 2019; expectativa melhorou em relação ao relatório anterior

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements