Menu
2020-04-23T13:46:45-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
fala, ex-presidente

Governo terá de contrair dívida para se financiar, diz FHC

Ex-presidente criticou o posicionamento de forças políticas que pedem o impeachment de Bolsonaro e disse que aumento de participação de militares no governo indica fraqueza política

23 de abril de 2020
13:40 - atualizado às 13:46
Fernando Henrique Cardoso
Imagem: shutterstock

O ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso (PSDB) avalia que o governo federal terá de contrair dívida para financiar a retomada da economia com a saída da crise do coronavírus.

Durante live organizada pela Associação Brasileira da Indústria do Trigo (Abitrigo), FHC afirmou que é natural esperar crescimento da dívida pública e que o País vai precisar de financiamento internacional.

"Esse governo foi eleito querendo implantar um programa ortodoxo, mas infelizmente a gente não faz o que quer no governo, faz o que pode. Agora, vai ter de gastar, vai ter de fazer dívida. E vamos precisar de ajuda internacional, porque não temos recursos suficientes no Tesouro", afirmou FHC.

Para o ex-presidente, a situação no mundo é negativa para o acesso a financiamento internacional, principalmente devido à posição do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de "America First."

"Se os americanos - e quando falo americanos estou falando também do FMI (Fundo Monetário Internacional), do Bird (Banco Mundial) - não entrarem, a China vai ter de entrar", disse FHC.

Impeachment

FHC criticou o posicionamento de forças políticas que pedem o impeachment do presidente Jair Bolsonaro. "Disseram que eu estava conspirando com o Rodrigo Maia presidente da Câmara dos Deputados, mas eu não vejo o Maia há anos", disse.

"Não está claro que tenha havido infringência constitucional. Eu não votei no Bolsonaro, mas a população votou no Bolsonaro, ele está aí", disse FHC.

O tucano disse, ainda, que será necessária coesão entre as lideranças políticas do País para enfrentar a crise do coronavírus e para transformar as instituições.

"Precisaremos de estadistas, de coesão, não de disruptura. Nós precisamos ter paciência histórica, entender que as coisas levam tempo", disse o ex-presidente.

Militares

O aumento da participação de militares nos altos cargos do governo federal indica mais uma fraqueza política do presidente do que uma tentativa de articular um golpe no País, avaliou o ex-presidente.

FHC comparou a situação de Bolsonaro com a do ex-presidente chileno Salvador Allende. "Quando ele chamou os militares para o governo, não foi para dar um golpe. Foi porque era o que restava", disse.

Para FHC, a condução que Bolsonaro faz da crise preocupa, já que, na avaliação do tucano, o presidente não consegue mostrar tranquilidade e sinalizar um rumo para sair da crise.

"O presidente fala mais do que pensa, sempre. E eu não aprecio algo que está acontecendo no Brasil, rixas crescentes entre as instituições, a disputa entre o presidente da Câmara e o presidente da República", afirmou.

*Com Estadão Conteúdo


Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

decisão judicial

Justiça ordena religação de internet do governo do RJ; Oi alega inadimplência

Empresa acusa o governo do Estado de ter uma dívida com a empresa desde 2017 – hoje ela está em R$ 300 milhões

promessa de ipo

Locaweb compra ConnectPlug por R$ 18 milhões e avança em segmento de alimentação

Empresa comprada começou em food services mas hoje também atende outros segmentos, com foco em pequenas e médias empresas

seu dinheiro na sua noite

Mais fácil falar que fazer

Hoje foi um daqueles dias em que as falas dos detentores do poder no cenário doméstico até repercutiram no mercado, mas foram sobrepostas pelos fatos e pelo que aconteceu no exterior. O mercado local começou o dia animado com as apresentações do presidente Jair Bolsonaro e do ministro da Economia, Paulo Guedes, no badalado evento […]

perspectivas

Para Verde e SPX, auxílio emergencial por mais três meses não é preocupante

Luis Stuhlberger e Rogério Xavier dizem que a medida pode ser necessária, caso a vacinação demore demais; ambos veem 2021 positivo para os mercados

FECHAMENTO

Aceno liberal do governo não convence e bolsa fecha o dia no vermelho; na contramão, dólar cai mais de 3%

Em evento do Credit Suisse, Bolsonaro e Guedes reafirmaram o compromisso com o andamento das reformas e das privatizações, mas o mercado espera ações mais concretas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies