🔴 FONTE DE RENDA EXTRA COM APENAS 1 CLIQUE – CONHEÇA AQUI

Estadão Conteúdo
CRISE POLÍTICA

“Fatos eram de longe menos graves”, diz um dos autores do impeachment de Dilma

“Em termos jurídicos, os fatos, comprovados, são contundentes e configuram crime de responsabilidade a ensejar o impeachment do presidente.”

Montagem de Jair Bolsonaro e Dilma Rousseff
Jair Bolsonaro e Dilma Rousseff - Imagem: Shutterstock

O advogado Flávio Henrique Costa Pereira, um dos autores do pedido de impeachment da ex-presidente Dilma Roussef, afirmou que as declarações do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, em entrevista coletiva à imprensa, configuram crime de responsabilidade do presidente Jair Bolsonaro.

"Em termos jurídicos, os fatos, comprovados, são contundentes e configuram crime de responsabilidade a ensejar o impeachment do presidente. Quando elaborei, juntamente com Janaína Paschoal e Miguel Reale Junior, o pedido de impeachment de Dilma Rousseff, os fatos eram, de longe, muito menos graves do que esses", diz.

Flávio Henrique Costa Pereira subscreveu a denúncia apresentada pelos advogados Miguel Reale Jr, Janaína Paschoal e Hélio Bicudo, que pediu a saída de Dilma e perda dos direitos políticos por oito anos por crime de responsabilidade, ao continuar com a prática das chamadas "pedaladas fiscais" em 2015.

Segundo Costa, a "principal diferença dos fatos narrados pelo ex-Ministro Sérgio Moro e os crimes de responsabilidade praticados pela ex-Presidente Dilma Rousseff está no dolo da conduta". "Dilma tinha como objetivo encontrar espaço para investir mais recursos públicos, enquanto Bolsonaro, ao que se indica, controlar um órgão de Estado em benefício próprio. Embora ambas as condutas sejam graves, a conduta criminosa revela objetivos mais ímprobos por parte do Presidente Jair Bolsonaro. As consequências econômicas para o País, sentidas até hoje, revelam o quão grave também foram as ações da ex-Presidente".

"O Presidente da República, pelo que foi declarado pelo ex-Ministro da Justiça, praticou ato que atenta conta a dignidade do cargo ao demitir o Diretor-Geral da Polícia Federal com o objetivo de fazer uso de um órgão do Estado para atender interesses próprios e interferir em investigações que estão sendo realizadas por um outro Poder. Assim, há crime de responsabilidade que atenta contra a probidade da administração pública", afirma.

"A época dos fatos prestava serviços jurídicos em Brasília e assessorei o Deputado Carlos Sampaio, do PSDB, na construção do processo de impeachment", relata Flávio Henrique Costa Pereira, sócio coordenador de Departamento de Direito Político Eleitoral do BNZ Advogados.

Ao fim do julgamento, no Senado, Dilma perdeu o cargo, mas não teve os direitos políticos cassados.

Ao anunciar a saída do cargo, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, acusou nesta sexta-feira (24) o presidente Jair Bolsonaro de tentar interferir politicamente no comando da Polícia Federal para obter acesso a informações sigilosas e relatórios de inteligência. "O presidente me quer fora do cargo", disse Moro, ao deixar claro que a saída foi motivada por decisão de Bolsonaro.

Moro falou com a imprensa após Bolsonaro formalizar o desligamento de Maurício Valeixo do cargo de diretor-geral da Polícia Federal - o ministro frisou que não assinou a exoneração do colega. Segundo Moro, embora o documento de exoneração conste que Valeixo saiu do cargo "a pedido", o diretor-geral não queria deixar o cargo. O próprio Moro, que aparece assinando a exoneração, afirmou que foi pego de surpresa pelo ato e negou que o tenha assinado.

Compartilhe

SEU MENTOR DE INVESTIMENTOS

Por que Bolsonaro corre o risco de se transformar no primeiro presidente em exercício a perder a reeleição

16 de janeiro de 2022 - 7:52

Em tese, Bolsonaro teria mais chance de manter imunidade – no caso, parlamentar – se concorresse a uma vaga no Senado

Alarme falso

Ex-presidente Dilma Rousseff recebe alta; exames médicos não indicaram problemas de saúde

25 de maio de 2021 - 16:55

Dilma havia sido internada no Hospital Moinho de Ventos, em Porto Alegre, após sentir um mal-estar na noite de ontem

Saúde em foco

Ex-presidente Dilma Rousseff passa mal e é internada em Porto Alegre

25 de maio de 2021 - 11:38

A assessoria do Hospital Moinhos de Vento informou que está buscando informações e que “por questões de garantia do sigilo dos dados, aguardam as devidas autorizações” para atualização

julgamento envolvendo a estatal

CVM inocenta Dilma e Graça Foster por irregularidade na Abreu e Lima, da Petrobras

3 de novembro de 2020 - 17:59

Autarquia inabilitou por 15 anos para atuar em companhias abertas os ex-diretores da estatal Paulo Roberto Costa (Abastecimento) e Renato Duque (Serviços) por violação ao dever de lealdade

Equipe econômica vê ‘Dilma 3’ no pró-Brasil

24 de abril de 2020 - 13:12

Ironia expõe a insatisfação da equipe econômica com o programa de investimentos lançado pela ala militar do governo

caso na justiça

Santander ganha causa em tribunal contra analista demitida por texto contrário a Dilma

12 de novembro de 2019 - 15:26

Em junho de 2014, a funcionária do banco foi responsável por um documento divulgado a um grupo de clientes que afirmava que a reeleição da então presidente seria negativa para os mercados

Bancos

Relator da CPI do BNDES sugere indiciamento de Lula, Dilma e mais 71

8 de outubro de 2019 - 17:17

Relatório também pede anulação dos acordos de colaboração premiada dos empresários Joesley Batista, Wesley Batista e do ex-diretor da JBS Ricardo Saud

racha

Fora dos atos, MBL vira alvo de ataques de rede bolsonarista

21 de maio de 2019 - 8:50

Para o deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP), do MBL, as pautas do ato de domingo, como o fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal, são “antiliberais, anticonservadoras e antirrepublicanas”

Seu mentor de investimentos

Bolsonaro, quem diria, “dilmou”

15 de abril de 2019 - 13:42

Quando a intempestiva intervenção de Bolsonaro fez com que a Petrobras perdesse 32,4 bilhões de reais em valor de mercado

Após três meses

Governo Bolsonaro é desaprovado por 30% da população, diz Datafolha

7 de abril de 2019 - 10:19

Outros 33% classificaram a gestão como “regular”; 32% avaliaram como “ótima ou boa”

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar