Menu
2020-05-08T16:22:06-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Shoppings lideram tombo

Fundos imobiliários cortam dividendos em 27% na crise, diz XP

Para a XP, o dado reflete a deterioração da situação financeira de alguns inquilinos, o que impactou consideravelmente o resultado operacional dos fundos imobiliários nos proventos de março e abril

8 de maio de 2020
16:22
Shopping center
Imagem: Shutterstock

Os fundos que compõem o IFIX, índice de fundos de investimento imobiliário, reduziram em 27% a distribuição de dividendos em relação aos patamares pré-crise, segundo levantamento feito pela XP Investimentos.

Para a XP, o dado reflete a deterioração da situação financeira de alguns inquilinos, o que impactou consideravelmente o resultado operacional dos fundos imobiliários nos proventos de março e abril.

A distribuição só deve começar a ser impactada positivamente em maio, mesmo que shoppings tenham sido reabertos na região sul no final de abril.

A recuperação do resultado operacional dos shoppings será gradual, com efeitos negativos no curto prazo e queda na distribuição até a normalização da crise do coronavírus, diz a XP.

Em abril, com o ensaio de recuperação dos mercados, o IFIX subiu 4%. Ainda assim, acumula queda de -18% desde o começo do ano, devido ao aumento da aversão ao risco dos investidores em razão aos impactos do novo coronavírus.

Os mais e os menos afetados

Com a piora do cenário financeiro em meio à pandemia, os resultados operacionais foram espalhados pelo setor de fundos imobiliários, gerando um corte de dividendos em todos os segmentos, praticamente.

Os fundos de shopping centers foram o que mais cortaram dividendos em abril em relação a fevereiro, numa redução drástica de 97,5% os dividendos. O valor está bem acima da média do IFIX, de queda de 27,2%.

Logo atrás vêm os segmentos de outros e recebíveis, que cortaram 17,6%, seguidos por ativos logísticos (-14,2%) e multiativos corporativos (-8,5%).

Na outra ponta, fundos de monoativos corporativos aumentaram em 4% o pagamento de dividendos. Na sequência estão fundos de agências (cuja distribuição se manteve estável), educacional (-2,9%), varejo (-4,2%) e fundo de fundos (-6,9%).

Perspectivas

A corretora aposta que os fundos de shoppings devem continuar pressionados no curto prazo. Segundo a XP, a restrição do fluxo de pessoas em função do isolamento social justifica uma posição mais pessimista para o segmento.

"Enquanto isso, acreditamos que os fundos de ativos logísticos e recebíveis tendem a ser menos impactados durante a crise do coronavírus devido a maior concentração de contratos atípicos e estruturas de garantias que tendem a garantir fluxo de receita mais constante", afirma a XP, no relatório.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

INFLAÇÃO DO ALUGUEL

IGP-M tem maior alta mensal desde novembro de 2002

Nos 12 meses encerrados em setembro, índice acumula alta de 17,94%, a maior taxa desde setembro de 2003

risco fiscal

Por que o Renda Cidadã é considerado ‘pedadala’ e deixa o mercado com medo

Mercado é tomado pela aversão ao risco, com os investidores preocupados com manobras criativas do governo; veja por que a proposta é vista como pedalada

Oportunidades na região

Advent capta US$ 2 bilhões para fundo de investimento focado em empresas latino-americanas

O LAPEF VII investirá principalmente em Brasil, Colômbia, México e Peru, com oportunidades também na Argentina e Chile.

GANHANDO FORÇA

Santander adquire 60% da Toro Investimentos para fortalecer plataforma de investimentos

Fundada em 2010, Toro tem mais de 1 milhão de pessoas cadastradas, movimentando mais de R$ 100 bilhões

risco fiscal

Qual o impacto do Renda Cidadã no dólar em 2020? A Necton responde

Casa projeta moeda americana a R$ 6 ao final de 2020, de olho no risco fiscal; dólar chegou a R$ 5,63 ontem

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements