Menu
2020-05-08T16:22:06-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
Shoppings lideram tombo

Fundos imobiliários cortam dividendos em 27% na crise, diz XP

Para a XP, o dado reflete a deterioração da situação financeira de alguns inquilinos, o que impactou consideravelmente o resultado operacional dos fundos imobiliários nos proventos de março e abril

8 de maio de 2020
16:22
Shopping center
Imagem: Shutterstock

Os fundos que compõem o IFIX, índice de fundos de investimento imobiliário, reduziram em 27% a distribuição de dividendos em relação aos patamares pré-crise, segundo levantamento feito pela XP Investimentos.

Para a XP, o dado reflete a deterioração da situação financeira de alguns inquilinos, o que impactou consideravelmente o resultado operacional dos fundos imobiliários nos proventos de março e abril.

A distribuição só deve começar a ser impactada positivamente em maio, mesmo que shoppings tenham sido reabertos na região sul no final de abril.

A recuperação do resultado operacional dos shoppings será gradual, com efeitos negativos no curto prazo e queda na distribuição até a normalização da crise do coronavírus, diz a XP.

Em abril, com o ensaio de recuperação dos mercados, o IFIX subiu 4%. Ainda assim, acumula queda de -18% desde o começo do ano, devido ao aumento da aversão ao risco dos investidores em razão aos impactos do novo coronavírus.

Os mais e os menos afetados

Com a piora do cenário financeiro em meio à pandemia, os resultados operacionais foram espalhados pelo setor de fundos imobiliários, gerando um corte de dividendos em todos os segmentos, praticamente.

Os fundos de shopping centers foram o que mais cortaram dividendos em abril em relação a fevereiro, numa redução drástica de 97,5% os dividendos. O valor está bem acima da média do IFIX, de queda de 27,2%.

Logo atrás vêm os segmentos de outros e recebíveis, que cortaram 17,6%, seguidos por ativos logísticos (-14,2%) e multiativos corporativos (-8,5%).

Na outra ponta, fundos de monoativos corporativos aumentaram em 4% o pagamento de dividendos. Na sequência estão fundos de agências (cuja distribuição se manteve estável), educacional (-2,9%), varejo (-4,2%) e fundo de fundos (-6,9%).

Perspectivas

A corretora aposta que os fundos de shoppings devem continuar pressionados no curto prazo. Segundo a XP, a restrição do fluxo de pessoas em função do isolamento social justifica uma posição mais pessimista para o segmento.

"Enquanto isso, acreditamos que os fundos de ativos logísticos e recebíveis tendem a ser menos impactados durante a crise do coronavírus devido a maior concentração de contratos atípicos e estruturas de garantias que tendem a garantir fluxo de receita mais constante", afirma a XP, no relatório.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Mais uma opção

Empresa protocola na Anvisa pedido para uso emergencial da Sputnik V

Neste domingo, Anvisa se reunirá para tratar de pedidos para uso de vacinas CoronaVac e a da AstraZeneca/Oxford

Seguro obrigatório

Pagamento de indenizações do DPVAT passa a ser feito pela Caixa

Banco agora é o responsável pela gestão dos recursos do seguro e pelo pagamento das indenizações. A medida começa a valer a partir desta segunda-feira

Sinal verde

Bolsonaro não deve mais barrar a Huawei no leilão do 5G no Brasil

Segundo fontes do Palácio do Planalto e do setor de telecomunicações, o banimento da empresa chinesa provocaria um custo bilionário com a troca dos equipamentos

Impasse

Guedes monta operação ‘apara arestas’ para manter Brandão à frente do Banco do Brasil

Por enquanto, o presidente do BB está no “limbo” na avaliação de funcionários do próprio banco, sem uma manifestação pública do presidente e de Guedes

IPO

Espaçolaser pode arrecadar até R$ 3 bilhões em estreia na B3

Maior rede de clínicas de depilação do País lançou ontem sua oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies