Menu
2020-10-07T18:22:09-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Bomba fiscal

Brasil não tem espaço para financiar programa de renda com mais gastos, diz Verde Asset

Para a gestora de Luis Stuhlberger, o espaço para um novo programa de combate à pobreza deveria ser criado dentro do teto, sem “malabarismos ou pedaladas”

7 de outubro de 2020
12:50 - atualizado às 18:22
Luis Stuhlberger, sócio e gestor da Verde Asset
Luis Stuhlberger, sócio e gestor da Verde Asset - Imagem: Murillo Constantino/Quatetto

Em meio às discussões sobre a criação de um programa de renda permanente na esteira do auxílio emergencial, o Brasil simplesmente não tem espaço fiscal para acomodar mais gastos, com o aumento do déficit ou dívida. A análise é da Verde Asset, de Luis Stuhlberger.

Na carta mensal aos investidores, a gestora de um dos fundos mais bem sucedidos de todos os tempos do mercado brasileiro publicou um estudo detalhado sobre os impactos do auxílio emergencial na economia e nas contas do governo.

O levantamento mostra que o Brasil foi um dos países que mais gastaram para minimizar os efeitos do coronavírus na economia, com despesas equivalentes a quase 10% do PIB. Ao mesmo tempo, o país já era um dos emergentes com maior nível de endividamento antes da pandemia.

“Os únicos países emergentes que gastaram parecido com o Brasil são Peru e Chile, ambos com grau de investimento e dívida pública antes da pandemia próximas a 25% do PIB, com muita margem de manobra”, escreveu a Verde.

Como resultado, o Brasil sairá de um déficit primário de R$ 62 bilhões em 2019 para mais de R$ 800 bilhões, nos cálculos da gestora. Nas condições atuais, ou seja, sem a criação de um novo programa social, como o Renda Cidadã, e assumindo que o governo manterá o teto de gastos, o país só voltará a ter as contas no azul em 2025.

“Não é por capricho, portanto, que as reações dos preços de ativos, câmbio, juros e bolsa, são extremamente fortes quando o governo dá mostras de querer abandonar a única âncora que segura toda a sustentabilidade da dívida, que é o Teto de Gastos.”

Para a gestora, o espaço para um novo programa de combate à pobreza deveria ser criado dentro do teto, sem “malabarismos ou pedaladas”, cortando gastos ineficientes e usando melhor os recursos da já elevada carga tributária brasileira.

Na avaliação da Verde, a poupança formada pelas famílias com os recursos do auxílio emergencial deve servir de “amortecedor” para o fim do programa em dezembro, especialmente se houver confiança na solidez da economia e das contas públicas.

Desempenho

Em setembro, o Verde registrou um retorno negativo de 1,22%. O fundo teve ganho nas posições em ações no exterior, mas perdeu com a queda da bolsa brasileira, além de pequenas contribuições negativas em moedas e renda fixa. No ano, o Verde acumula perda de 1,47%, contra uma variação de 2,29% do CDI, o indicador de referência. Leia a íntegra da carta do Verde.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

começa hoje

Para evitar aglomeração, Via Varejo anuncia Black Friday antecipada

Durante o período, a ideia da campanha é que sejam anunciadas ofertas e vantagens para o cliente em todos os canais.

Infinito e além

SpaceX, de Elon Musk, quer colocar internet em Marte

Deste modo, seria possível criar uma rede de internet banda larga por meio de satélites

Tem grana vindo aí

CMN facilita captação externa com bancos multilaterais e agências

Essas contas serão usadas exclusivamente para depósito dos recursos do empréstimo ou financiamento concedido por esses agentes internacionais.

Forte queda

Governo teve necessidade de financiamento de R$ 366,9 bi em 2019, diz IBGE

O resultado é consequência de um crescimento de 8,6% da receita total, já as despesas totais das três esferas governamentais subiram 4,3%.

PELO TERCEIRO MÊS SEGUIDO

Resgates superam investimentos no Tesouro Direto em R$ 168,48 milhões

As aplicações de até R$ 1 mil representaram 67,42% das operações de investimento no mês. O valor médio por operação foi de R$ 4.602,00.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies