Menu
2020-10-23T13:45:36-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
MAIS UMA

Tok&Stok é mais uma empresa que quer entrar na bolsa

Varejista de móveis enviou prospecto preliminar de IPO, visando expansão e desenvolvimento de nova marca

21 de outubro de 2020
13:59 - atualizado às 13:45
tok&stok
Imagem: Divulgação

O ano está sendo realmente das ofertas públicas iniciais de ações (IPO, na sigla em inglês). Ainda que algumas empresas tenham ficado para trás, muitas estão apresentando pedidos à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

A novidade da vez é a Tok&Stok, varejista de móveis. Sua controladora, a Estok Comércio e Representações, enviou na terça-feira (20) o prospecto preliminar da operação. Ela consistirá em uma oferta primária, em que os recursos irão ao caixa da empresa, e uma secundária, para que os acionistas possam vender participação no capital social.

Não foi informada a quantidade de ações a serem emitidas, nem o valor por unidade. Ela pretende listar os papéis no Novo Mercado, segmento de empresas da B3 com práticas mais rigorosas de governança corporativa.

De acordo com o documento, a maior parte dos recursos da oferta primária (40%) será destinada à execução do plano de expansão e iniciativas para melhoria da experiência do consumidor. Outros 25% irão para transformação digital e tecnologia, 20% para desenvolvimento de nova marca e aquisições e 15% para desalavancagem financeira e melhoria da estrutura de capital.

O controle da companhia está nas mãos do fundo de investimentos Carlyle. Desde 2012 ele detém cerca de 60% do capital social. O restante está dividido entre os membros da família Dubrule, que fundou a empresa em 1978.

A operação está sendo coordenada por Itaú BBA, Credit Suisse, Bank of America, Bradesco BBI, Santander e UBS-BB.

Quem ela é

Com 59 lojas espalhadas em 21 Estados e o Distrito Federal, as operações da Tok&Stok são voltadas aos segmentos de renda A e B, a ponto de a maioria das unidades estarem na região Sudeste – 54% do total.

O documento destaca que a empresa pretende ser uma empresa do tipo one-stop-shop, um lugar em que o cliente consegue mobiliar e decorar sua casa com apenas uma única visita a qualquer um de seus canais.

Neste sentido, ela passou os últimos anos investindo no comércio pela internet, o que fez com que a participação das vendas online passasse de 5% da receita líquida em 2017 para mais de 24% nos nove meses encerrados em 30 de setembro. Recentemente, ela integrou seus canais os serviços de retirada em loja (pick-up in store).

“Reflexo disso, durante o período de 9 meses encerrado em 30 setembro 2020, 18% dos nossos clientes já são omnicanal, e 35% dos nossos clientes visitam o nosso site antes de ir para as lojas físicas, de acordo com uma pesquisa com aproximadamente 1.200 mil clientes e 785 entrevistas nas nossas lojas físicas em dezembro de 2018, e 73% vão às lojas físicas antes de comprar no nosso site de acordo com a mesma pesquisa”, diz trecho do prospecto.

Assim como outras varejistas, a Tok&Stok não conseguiu escapar dos efeitos da crise de covid-19. Ela registrou um prejuízo ajustado de R$ 11,6 milhões no acumulado do ano até 30 de setembro, revertendo o lucro apurado no mesmo período de 2019.

A receita caiu 23,4%, para R$ 668,1 milhões, e o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado recuou 92,2%, a R$ 8,5 milhões.

Entre 2017 e 2019, porém, ela apresentou uma taxa de crescimento composta anual (CAGR, em inglês) de 106,4% do lucro ajustado, 25% do Ebitda ajustado e 8% da receita líquida.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Mais um

Balança comercial tem superávit de US$ 3,73 bi em novembro

No último Relatório Focus, os analistas de mercado ouvidos pelo Banco Central estimaram superávit comercial de US$ 57,90 bilhões em 2020.

Inovação

CVM abre audiência pública para reforma de fundos de investimento e FIDC

Grande parte das inovações propostas tem como fundamento a Lei da Liberdade Econômica, aprovada em 2019.

primeira análise

BTG inicia cobertura de varejista de moda esportiva estimando alta de 42%

Em primeira análise, banco diz que ações da Track&Field podem chegar a R$ 16; grupo cita como ponto positivo altas margens e bom retorno de capital

Agora vai?

Elon Musk anuncia teste com foguete gigante da SpaceX que levará humanos a Marte

Segundo o segundo bilionário mais rico do mundo, no teste da próxima semana, o foguete voará 15 km no ar, o equivalente a 50.000 pés.

planos do grupo sbf

Centauro conclui compra da Nike do Brasil e dobra de tamanho

Receita da empresa vai para cerca de R$ 6 bilhões; com aquisição companhia deve por de pé a estratégia de ser uma referência no mundo do esporte

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies