Menu
2020-04-17T19:56:35-03:00
Estadão Conteúdo
Rating da petroleira

S&P reafirma rating da Petrobras em BB- e mantém perspectiva estável

S&P reafirmou o rating BB- da Petrobras, com perspectiva estável. A agência diz em comunicado que a perspectiva incorpora o fato de que a alavancagem da companhia deve atingir um pico neste ano

17 de abril de 2020
19:53 - atualizado às 19:56
Petrobras
Imagem: Shutterstock

A S&P reafirmou o rating BB- da Petrobras, com perspectiva estável. A agência diz em comunicado que a perspectiva incorpora o fato de que a alavancagem da companhia deve atingir um pico neste ano, mas seus fluxos de caixa e métricas de crédito devem ter uma retomada "considerável" em 2021.

A agência aponta que a petroleira brasileira deve registrar fluxo de caixa "muito mais fraco" neste ano do que no anterior, diante da queda acentuada no preço do petróleo e na demanda.

Mas a agência ainda vê certos colchões em termos de métricas de crédito, esperando que a relação entre a dívida e o Ebitda se aproxime de 4,0 vezes em 2021, "considerando uma melhora substancial nos preços do petróleo e nas condições econômicas".

A agência diz que a receita da empresa deve ser entre 30% e 40% menor do que a de 2019, com queda em faixa similar do Ebitda, já que a Petrobras realiza várias medidas para cortar custos e preservar os fluxos de caixa.

Nos próximos anos, a empresa deve se concentrar em cortar mais custos e reforçar a eficiência, bem como na venda de ativos, o que deve permitir uma redução na alavancagem, diz a S&P, que também projeta melhora do preço do petróleo mais adiante.

Sem demissão em massa

Mais cedo, o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, afirmou nesta sexta-feira, 17, que não vai haver demissão em massa de empregados contratados, por conta da crise atual, em que o preço de petróleo sofreu queda abrupta. Em resposta, a empresa optou por cortar 200 mil barris por dia da sua produção.

Já em relação aos empregados terceirizados, Castello Branco afirmou que não pode responder por eles porque são de responsabilidade das empresas fornecedoras.

Em coletiva de imprensa, o executivo disse sofrer perseguição desde que assumiu a companhia com acusações de que promoveria um grande número de demissões.

Dívida

A Petrobras está focando na redução de custos e do capex para conseguir manter a liquidez no atual cenário de crise no setor de óleo e gás, em que a cotação do petróleo atinge o mais baixo patamar histórico. Segundo a diretora de Finanças e Relações com os Investidores, Andrea Marques de Almeida, novas linhas de crédito continuam sendo analisadas, mas a principal medida adotada para enfrentar a crise tem sido a redução de custos.

Para isso, a empresa está renegociando contratos com grandes fornecedores, porque a intenção é que os pequenos fornecedores sobrevivam à crise, disse o presidente da estatal, Roberto Castello Branco.

Em entrevista coletiva com a imprensa, Andrea Marques de Almeida afirmou também que ainda avaliará o efeito da crise na relação entre geração de caixa e dívida da companhia, assim como possíveis baixas contábeis, que serão informadas ao mercado.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

pandemia

Brasil registra 1.340 mortes por covid-19 em 24h

Resultado ficou atrás apenas do dia 7 de janeiro, quando foram confirmadas 1.524 novos falecimentos

seu dinheiro na sua noite

Tudo caiu – até o forward guidance

Os mercados domésticos ficaram hoje divididos sob a influência de acontecimentos distintos, o que resultou em um comportamento geral incomum: tudo caiu. O Ibovespa perdeu o patamar dos 120 mil pontos e fechou em queda, na contramão das bolsas americanas, animadas pela posse do novo presidente Joe Biden e a nova fornada de estímulos fiscais […]

Análise

Sem o “forward guidance”, Banco Central arranca bola de ferro dos pés

Decisão do BC de abrir mão do compromisso de não mexer com os juros foi acertada, mas a adoção do instrumento mais ajudou ou atrapalhou a economia?

sem "efeito Biden"

Vacinação e risco fiscal derrubam o Ibovespa em dia de festa em NY; dólar também recua

Euforia dos mercados internacionais com o “efeito Biden” foi barrada pelas incertezas domésticas e fez a bolsa brasileira ir na contramão de NY

taxa básica

BC mantém Selic em 2% ao ano, mas retira o ‘forward guidance’

Bolsa pode ter realização de lucros nesta quinta com derrubada de prescrição, diz especialista; decisão de hoje acontece em meio à alta dos preços das commodities e à valorização do dólar

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies