Menu
2020-07-14T08:39:30-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
disputas internas

Smiles atende minoritários e marca assembleia sobre acordo com Gol

Acionistas questionam termos do acordo com a controladora e defendem que houve abuso de poder por parte dos diretores

14 de julho de 2020
8:28 - atualizado às 8:39
Avião com pintura do Smiles
Avião com pintura do Smiles - Imagem: Smiles

A empresa de programa de milhagem Smiles marcou uma assembleia geral extraordinária para 20 de agosto. A convocação atende a um pedido dos acionistas minoritários, que querem discutir o acordo anunciado com a controladora Gol.

Os minoritários propõem a anulação de R$ 1,2 bilhão em compras antecipadas de passagens e a responsabilização dos administradores por prejuízos - ressarcindo em R$ 425,963 milhões a empresa.

O grupo defende que houve violação do Estatuto Social (pelo uso de excesso de poder por parte dos diretores) e que o acordo possui condições não comutativas ou equitativas.

Os acionistas minoritários pedem o ressarcimento pela controladora à companhia de cerca de R$ 15 milhões relativos às despesas com consultores financeiros e jurídicos externos ligados ao processo de reorganização societária.

Em reunião em que foi aprovada a assembleia geral extraordinária, o conselho de administração da Smiles defendeu que a assembleia geral não teria competência para declarar a invalidade do acordo com a Gol. Para o grupo, somente um tribunal arbitral poderia declarar a invalidade ou nulidade dos contratos.

Entenda o caso

No último dia 6, a Smiles anunciou um acordo com a Gol para a compra de R$ 1,2 bilhão em créditos da companhia aérea para uso na aquisição de passagens aéreas, com contrapartidas.

O anúncio acirrou a disputa entre os acionistas da empresa de programa de fidelidade. Sócios minoritários já estavam insatisfeitos com a Gol - que detém 52% de participação da Smiles - desde o início da pandemia.

Para os advogados Cesar Augusto Fagundes Verch e Márcio Louzada Carpena, sócios do Carpena Advogados, as operações não estão sendo realizadas pelo interesse da companhia, mas da sua controladora, disseram ao Estadão. Eles representam três fundos de investimentos que, juntos, têm 4% das ações da Smiles.

Em março, a Smiles já havia realizado duas operações de compra antecipada de passagens que totalizaram R$ 425 milhões. Para os minoritários, essas operações, semelhantes a empréstimos, foram feitas com taxa de juros inferior ao que a Gol conseguiria no mercado.

Os minoritários alegam ainda que, em março deste ano, a Smiles já tinha um saldo de R$ 700 milhões com a Gol. Isso significa, segundo eles, que não havia necessidade de comprar mais passagens antecipadas.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

“efeito de três pontos”

O [mau] comportamento dos mercados: as semelhanças entre a trajetória do câmbio e de uma bola de basquete

O câmbio vai oscilar ao gosto das notícias – das guerras comerciais à falta de agenda econômica do governo federal. Mas existe um estranho – e ainda pouco compreendido – “efeito de três pontos”.

DRAGÃO COM FOME

Comida pressiona inflação até o fim do ano, dizem analistas

Dólar em alta, oferta escassa por causa da entressafra e o auxílio emergencial estão provocando o aumento dos preços

CCR: Alerj recomenda retomar concessão de rodovia, mas governo é contra

Assembleia quer retomada da rodovia para reduzir tarifas, consideradas altas devido a irregularidades no contrato de concessão

TRETA

Maia e Alcolumbre criticam Salles após atrito com Ramos

Presidente da Câmara diz que ministro do Meio Ambiente resolveu destruir o próprio governo

SE PROTEJA

Títulos de renda fixa atrelados ao IPCA viram opção

Alta da inflação em outubro faz investidores e gestores avaliarem novas formas de proteção de patrimônio

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies