Menu
2020-02-25T20:59:55-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
o fim?

Empresa que inaugurou ‘mini-IPOs’ na bolsa, Renar Maçãs tem falência decretada

Agora chamada de Pomi Frutas, empresa abriu capital em 2005, levantando um valor baixo em relação ao costumeiro em uma abertura de capital, e estava em recuperação judicial desde 2018

18 de fevereiro de 2020
14:18 - atualizado às 20:59
maçãs
Imagem: Shutterstock

Mais conhecida dos investidores como Renar Maçãs, a Pomi Frutas teve falência decretada nesta segunda-feira pela Justiça de Santa Catarina. A empresa estava em recuperação judicial desde janeiro de 2018 — na época, com R$ 30 milhões em dívidas.

A Pomi Frutas levantou R$ 16 milhões ao abrir capital, em 2005. A catarinense ficou conhecida por ser a primeira empresa a aderir ao Bovespa Mais — segmento de governança corporativa criado para incentivar empresas pequenas e médias a negociarem ações na bolsa.

O projeto de "mini-IPOs" não prosperou, em parte porque o mercado de capitais brasileiro tinha alta concentração de investidores estrangeiros: para uma empresa chamar a atenção de um olhar externo, era preciso uma avaliação de mercado mais parruda. Investidores locais também não acreditaram na ideia.

Quando conversei com o gerente de Pesquisa e Conteúdo do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), Luiz Martha, ele atribuiu a baixa adesão ao Bovespa Mais ao momento econômico do País. "Se você não tem estabilidade, ir para o mercado de capitais talvez não seja a melhor opção”, disse.

A recessão econômica a partir de 2015 foi uma das razões apontadas pela antiga Renar Maçãs para entrar em recuperação judicial. A empresa citou retração de demanda, queda de preços e "procura por outras frutas". Em documento de 2018, a Pomi Frutas elencou como motivos para os prejuízos financeiros:

  • A alta diferença de preços entre as variedades de maçãs;
  • O aumento do volume da safra;
  • Os altos estoques e dificuldades de escoamento;
  • A importação de maçãs de outros países;
  • O aumento dos custos de produção;
  • Condições climáticas adversas.

Fora isso, a própria companhia atribuía a responsabilidade à gestão de seus antigos acionistas, controladores e administradores.

Fundada em 1962 pelos empresários René e Arnoldo Frey, em Fraiburgo, Santa Catarina, a Renar Maçãs chegou a exportar 9 mil toneladas de maçãs em 2003 — a maior em receita do País para a atividade, segundo a própria empresa.

Em 2005, a companhia passou a negociar ações na bolsa e, quatro anos depois, fez um aumento de capital — na operação, os controladores da época, Willyfrey Participações e Willy Egon Frey, cederam à Endurance Capital Partners o direito de preferência de aquisição das novas ações.

A operação de 2009 mudou o bloco de controle da empresa. Naquele mesmo ano, a Renar Maçãs juntou operações com a Pomifrai. Levou três anos para a empresa começar a vender ativos de baixo retorno, segundo a própria companhia.

Já em 2015, a Renar Maçãs trocou de comando acionário, quando o empresário Edgar Safdie e acionistas relacionados compraram uma participação relevante na companhia. Foi quando a empresa passou a se chamar Pomi Frutas.

A falência da companhia foi decretada pela 1ª Vara Civil da Comarca de Fraiburgo, cidade catarinense que fica a 380 km da capital. Ao comunicar a decisão da Justiça, a Renar Maçãs destacou que o veredito não é definitivo e indicou que recorrerá. A defesa da Pomi Frutas foi procurada para comentar a decisão, mas não respondeu até o fechamento desta matéria.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Carteira digital

PicPay entra com pedido de IPO na Nasdaq

Aplicativo atingiu recentemente a marca de 50 milhões de usuários, mas crescimento veio acompanhado de um prejuízo de mais de R$ 800 milhões só no ano passado

Mercados hoje

Bolsas sobem em Nova York após dois dias de queda; índice de empresas brasileiras avança apesar do petróleo

Otimismo com retomada da economia norte-americana impulsiona bolsas. A maior surpresa do dia é o Nasdaq, que sobe mesmo com o peso das ações da Netflix

O varejo ferve

Renner mira compra da Dafiti com recursos da oferta de ações

Varejista anunciou captação de até R$ 6,5 bilhões na bolsa e pode usar os recursos para fazer uma proposta pelo e-commerce de moda

Pouso forçado

Demanda por voos deve encerrar o ano em menos da metade do nível pré-pandemia

O prejuízo total das companhias aéreas em 2021 deve ficar entre US$ 47 bilhões e US$ 48 bilhões, de acordo com a ação Internacional de Transporte Aéreo (Iata)

Agora vai?

Governo vai reduzir valor de arrecadação por áreas “micadas” do pré-sal em novo leilão

A arrecadação que o governo pretende receber pela exploração de dois campos do pré-sal foi reduzida em R$ 25,5 bilhões; novo leilão deve acontecer em dezembro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies