Menu
2020-11-13T10:24:25-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Saúde na bolsa

Como ficam as ações das redes de farmácias em um mundo pós-coronavírus? A XP Investimentos responde

Mudanças no padrão de comportamento e consumo ditam o ritmo das transformações no setor. Confira as principais apostas dos analistas da XP Investimentos

11 de novembro de 2020
13:12 - atualizado às 10:24
D1000 PagueMenos RaiaDrogasil Corrida

O brasileiro finalmente conseguiu emendar o carnaval no Natal, mas não da forma como gostaríamos. Trancados em casa desde março, a verdade é que nem vimos o ano de 2020 passar. Essa semana mesmo fiquei surpresa ao constatar que já estamos quase no meio de novembro.

Não tem mais jeito, o ano está acabando e chegou a hora de começar a olhar para 2021 com mais atenção.

Os problemas de 2020 não irão desaparecer à meia-noite do dia 31 de dezembro, mas eles certamente serviram para construir um 2021 melhor. A crise do coronavírus obrigou todo mundo a repensar prioridades e aspectos da vida cotidiana.

Depois de viver o efeito devastador de uma pandemia, os consumidores estão encarando de outra forma o consumo e comportamento. Em primeiro plano, claro, ficou a preocupação com a saúde e bem-estar. Logo em seguida, a necessidade de encontrar o maior número possível de serviços online. E isso não deve mudar tão cedo.

O setor farmacêutico é um dos que tiveram que se adaptar com 'a bola rolando'. Com restrições nas lojas, adiamento de procedimentos eletivos, uma temporada de crise mais branda e menos pessoas circulando pelos estabelecimentos, as farmácias sofreram.

O desafio, no entanto, parece ter sido superado. As empresas vêm mostrando bons resultados no terceiro trimestre e devem seguir o movimento de recuperação. Tanto é que os analistas de Varejo da XP Investimentos estão otimistas e com uma visão construtiva para o setor.

Segundo o IQVIA (referência global de informações na área de saúde), o mercado varejista farmacêutico brasileiro tem espaço para crescer 4,1% em 2020 e 10,3% em 2021.

Pensando em investir no setor? Em relatório que marca a retomada da cobertura do setor de farmácias pela corretora, os analistas Danniela Eiger, Marco Nardini e Thiago Santos contam quais as tendências que devem ditar o mercado no ano que vem e que você deve ficar de olho.

Saúde em primeiro lugar

Quando se vive em meio a uma pandemia, o cuidado com a saúde e bem-estar tende a ser maior. Talvez tenhamos aprendido isso da pior forma, mas as farmácias tendem a se favorecer desse movimento.

Agora, os consumidores estão preocupados com o aparecimento de possíveis doenças e querem fazer de tudo para evitar adoecer.

Esse comportamento 'preventivo' já tem feito as farmácias investirem em um mix de produtos cada vez maior. A tendência é que elas se tornem verdadeiras unidades de saúde, com serviços diversos que vão desde testes rápidos para detecção de doenças, até alimentos, bebedas e claro, medicamentos.

Levando em consideração essa tendência, os analistas acreditam que a Raia Drogasil e a Pague Menos são as empresas que mais têm condições de se beneficiar do movimento.

Elas se anteciparam e já durante a pandemia passaram a atuar de forma mais completa. Atualmente, 65% das lojas da Raia já aplicam injetáveis e 42% oferecem testes para a covid-19. Na rede da Pague Menos, mais de 65% das unidades já possuem uma sala 'Clinic Farma'.

Para os especialistas do setor, a farmácia do 'novo normal' deve resgatar o papel do farmacêutico e funcionar como uma verdadeira loja de conveniência da saúde.

Digital marcante

Uma boa estrutura das lojas é essencial, mas não é a única coisa. Impossibilitada de sair de casa, o e-commerce foi a solução encontrada por grande parte da população, que não deve abandonar a nova prática com o fim das restrições impostas pelo distanciamento social.

Para a XP Investimentos, atuar em mais de um canal é essencial para o sucesso nos próximos anos. Mais uma vez, a Raia Drogasil e a Pague Menos saem na frente das concorrentes.

"O futuro é claramente omnicanal, e as farmácias que não oferecem isso ao consumidor terão dificuldades".

Consolidação e competição

Não precisa ser nenhum gênio ou acompanhar de perto o setor de saúde para reparar que as farmácias estão em uma competição intensa.

Vira e mexe é possível encontrar mais de uma na mesma rua e o ritmo acelerado de expansão acaba até virando piada na internet.

Longe de ser um mercado saturado, a XP Investimentos vê espaço para mais consolidação no setor e não está preocupada com a dinâmica competitiva no curto prazo.

O tendência de envelhecimento da população brasileira é um ponto a ser considerado. O número de idosos no Brasil, que hoje é de 60 milhões, deve dobrar até 2050 - o que tende a favorecer as empresas do setor, já que é uma faixa de idade com maior probabilidade de desenvolver doenças crônicas e ter um consumo maior de remédios.

A XP vê um cenário onde as novas inaugurações não devem superar a demanda, já que nos últimos dois anos as companhias focaram em aumentar a produtividade de suas unidades, fechando lojas e desacelerando a expansão - afinal, um mercado saturado não é de interesse de ninguém.

A consolidação do mercado, no entanto, ainda precisa caminhar mais. Atualmente, um terço do mercado está nas mãos das mesmas cinco empresas. Nos Estados Unidos e no Reino Unido, três empresas principais dominam o setor.

Para os analistas, a estratégia de apostar em formatos menores e mais populares deve acelerar o processo. "A concorrência tende a ser principalmente com redes independentes e/ou menores, que são muito menos estruturadas, capitalizadas e oferecem um mix de produtos com menor sortimento", explicam.

Genéricos em alta

A tendência de crescimento no uso de genéricos é outra boa notícia para o setor, já que eles abrem a porta para o crescimento da margem. A XP Investimentos vê potencial elevado de avanço desse mercado: enquanto no Brasil o segmento representa apenas um terço das vendas, no exterior os genéricos chegam a dominar 70% do mercado.

"Estimamos que, para cada 1 p.p. de participação (% das vendas) que os genéricos ganham de medicamentos de marca, as margens brutas aumentam em aproximadamente 0,3 p.p.."

Último, mas não menos importante...

Em qualquer que seja o segmento, só se fala dele. O ESG (que pesa ações ligadas ao Meio Ambiente, o Social e a Governança) é a tendência do momento no mercado e tem um peso cada vez mais maior na tomada de decisões dos investidores.

O setor de farmácias não fica de fora dessa. Para a corretora, o Social é o que mais pesa para as empresas do segmento, já que têm um papel importante para desempenhar quando o tema é saúde e devem realizar um movimento para melhorar os acessos aos cuidados básicos e aumentar a acessibilidade dos medicamentos - o que não é uma tarefa fácil quando também é preciso manter as suas margens.

Em um outro relatório recente que analisa como cada uma das empresas do setor está posicionada com relação ao ESG, a corretora destaca que a Raia Drogasil vem se destacando, principalmente apoiada em ações sustentáveis - como a redução da pegada de carbono - e uma ótima governança corporativa.

Enquanto isso, a Pague Menos parece ter abraçado a causa da diversidade de gênero e a d1000 precisa avançar em questões relacionadas a governança.

Qual a melhor?

Os analistas, no entanto, ressaltam: a Pague Menos é a preferência da casa no setor. "Acreditamos que a companhia oferece o maior potencial de ganhos para os investidores (54%), que deve ser concretizado à medida em que a empresa entregue ganhos de eficiência operacional".

Confira um resumo das indicações da XP Investimentos para o setor de farmácias em 2021.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

PODCAST TELA AZUL

Você controla seus investimentos numa planilha? Então veja isto

Essa semana, nós recebemos o Eduardo e o Gabriel, fundadores do Real Valor, o melhor aplicativo disponível para fazer a gestão dos seus investimentos pessoais.

agora vai?

Privatizações de Correios e Eletrobras ficam para o fim de 2021; veja os planos do governo

No caso dos Correios, o projeto de lei que irá permitir a desestatização da empresa ainda nem foi enviado pelo governo ao Legislativo

Privatização

No Brasil, 431 cidades adotaram iniciativas de desestatização nos últimos 24 meses

Das administrações que informaram desestatizações, 377 utilizaram o modelo de concessão.

Voando

Embraer aponta retomada difícil, mas reforça otimismo com jato de até 150 lugares

A retomada, ficará 19% abaixo do volume previsto pela Embraer ao longo da década, até 2029.

retomada

Vendas de veículos sobem 4,65% em novembro, diz Fenabrave

Volume ficou 7,12% abaixo do total vendido no mesmo mês do ano passado, uma queda em parte explicada por restrições de oferta

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies