Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-10-23T15:04:47-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
SUSPEITAS

Sede da Qualicorp é alvo de operação da Polícia Federal

Medida foi tomada no âmbito da Operação Triuno, que investiga suspeitos de lucrar ilegalmente com simulação de prestações de serviços e fornecimento de produtos

22 de outubro de 2020
10:37 - atualizado às 15:04
Polícia Federal PF
Polícia Federal - Imagem: Divulgação

A Qualicorp foi alvo de uma operação policial de busca e apreensão na manhã desta quinta-feira (22). Segundo informou a companhia, a Polícia Federal (PF) esteve em sua sede, em São Paulo, atrás de documentos, sem dar mais detalhes.

A medida foi determinada pela 2ª Vara Federal Criminal da Subseção Judiciária de São Paulo, especializada em crimes contra o sistema financeiro nacional e de lavagem e ocultação de bens, direitos e valores, no âmbito da Operação Triuno.

“A nova administração da companhia informa que adotará as medidas necessárias para apuração completa dos fatos, bem como colaborará com as autoridades públicas competentes”, diz trecho do comunicado da Qualicorp.

A operação

Articulada pela Receita Federal, o Ministério Público Federal e a PF, a Operação Triuno investiga um grupo criminoso suspeito de lucrar ilegalmente com um esquema de simulação de prestações de serviços e fornecimento de produtos.

Ao todo, estão sendo cumpridos 14 mandados de busca e apreensão, sendo dez na capital paulista, um em Santo André (SP) e um na cidade do Rio de Janeiro, no âmbito da ação, que consiste em um desdobramento da Operação Descarte, que investiga desde 2018 um esquema de lavagem de dinheiro.

De acordo com a PF, as primeiras fases da apuração conduziram os investigadores a um escritório de advocacia. No local, foi encontrada documentação que permitiu a identificação de três grupos empresariais. Também foi descoberta a participação de três fiscais federais e um fiscal estadual no esquema, em troca de propina.

Em nota, a polícia explica que três auditores fiscais de atuação federal fiscalizaram duas empresas, em 2014 e 2015. Ambas se apropriaram da mesma estratégia, simulando a contratação do escritório de advocacia e de empresas de assessoria ligadas aos auditores para prestação de serviços jurídicos e de consultoria, no valor de R$ 4,7 milhões. Em seguida, foram feitos diversos depósitos a eles, por intermédio do escritório de advocacia e empresas controladas por doleiros. 

Ao aprofundar as investigações, foram detectados novos pagamentos irregulares, que teriam sido encobertos por um contrato de serviços de corretagem de planos de saúde, que não foram efetivamente prestados, já que a empresa contratada não cumpria os critérios de capacidade técnica e operacional exigidos. Efetuados entre 2013 e 2017, os pagamentos totalizaram mais R$ 26 milhões.

Os suspeitos podem responder pelos crimes de corrupção, associação criminosa, sonegação tributária, embaraço à investigação que envolva organização criminosa e lavagem de dinheiro.

* Com informações da Agência Brasil

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

De volta ao jogo

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 6,25%

Renda fixa “voltou ao jogo”, mas ainda não dá para ficar rico. Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

entrevista

BC briga para recuperar a credibilidade e poderia ter acelerado alta da Selic, diz economista-chefe da gestora Garde

Para Daniel Weeks, BC passou mais tempo do que o necessário com a sinalização de que manteria taxa de juros muito baixas; ele avalia que aumento poderia ter sido de 1,25 ponto e que discussão sobre fim do ciclo de ajustes ainda não acabou

Seu Dinheiro na sua noite

Seguindo a rota planejada

Decisão da Selic pelo Copom, juros nos Estados Unidos, dólar em alta e muitas outras notícias que mexeram com o mercado hoje

Vai mudar

Ultrapar (UGPA3): Marcos Lutz, ex-presidente da Cosan, assumirá como CEO em janeiro de 2022

Lutz já era membro do conselho de administração da Ultrapar (UGPA3) e, após o período como CEO, deve virar presidente do colegiado

Bota para subir

Após nova alta da Selic, FMI apoia aperto monetário adotado pelo Banco Central para combater inflação

Os diretores do órgão também aprovam o compromisso do BC intervenções limitadas para conter condições desordenadas de mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies