Menu
2020-07-29T11:03:28-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
entrevista exclusiva

Crédito às aéreas precisa ser liberado o mais rápido possível, diz presidente da Iata

Em entrevista ao Seu Dinheiro, Dany Oliveira, da Iata, diz que o pior da crise já passou, descartou recuperação em V e prevê retomada da demanda no mercado doméstico aos níveis de 2019 em 2022

29 de julho de 2020
5:51 - atualizado às 11:03
Retrato de Dany Oliveira, Country Director - Brazil na IATA
Executivo disse que apoio governamental é fundamental na retomada do setor e que a linha de crédito é necessária para sustentar o capital de giro das empresas - Imagem: Eduardo Saraiva/Nura Films

O presidente da Iata (Associação Internacional de Transportes aéreos, na tradução para o português) no Brasil, Dany Oliveira, cobra celeridade do governo federal na concessão de crédito da linha a ser liberada pelo BNDES às empresas aéreas.

Em entrevista ao Seu Dinheiro, o executivo ressaltou que o apoio governamental é de fundamental importância ao setor da aviação civil. Mas faz a ressalva de que o crédito que estiver à disposição dessas companhias tem de alcançá-las em breve, como medida de garantia da liquidez de suas operações.

“Pedimos novamente ao governo que seja disponibilizado o mais rápido possível, para chegar na ponta e atender às necessidades de capital de giro das empresas”, afirmou.

Ele destacou como muito positiva a aprovação pelo Congresso do projeto de lei de ajuda às aéreas, no qual reconhece haver ações importantes para a retomada do setor.

Entre outros pontos, a proposta, que aguarda a sanção do presidente Jair Bolsonaro, permitirá às empresas o reembolso de passagens a clientes dentro do período de um ano e o acesso ao Fundo Nacional de Aviação Civil (Fnac), com o limite de empréstimos de R$ 3 bilhões.

Com os efeitos da crise, as empresas têm feito o que é possível para sobreviver, mesmo que isso signifique encolher de tamanho, enxugando custos e mantendo o caixa, quando possível.

Azul e Gol tomaram medidas para a redução de custo e preservação de caixa, como demissões, cortes de salários de executivos e funcionários, licenças e devoluções de avião.

Enquanto isso, a Latam Brasil foi incluída no processo de recuperação judicial do grupo Latam nos Estados Unidos, mas a empresa informou que a subsidiária continuaria a avançar nas negociações com o BNDES.

2020, um ano de turbulência

Globalmente, o setor se prepara para o pior ano de sua história. A Iata projeta um prejuízo de US$ 84,3 bilhões, o correspondente a perdas maiores que R$ 1 bilhão por dia. Trata-se de uma perda mais de 3 vezes superior à da crise de 2008. Para o ano que vem, a previsão é de um prejuízo mais moderado, de US$ 15,8 bilhões.

Como resultado, países têm se mexido para salvar as suas aéreas. Nos Estados Unidos, uma "operação resgate" realizada pelo Departamento do Tesouro forneceu US$ 25 bilhões às empresas — dentre as quais está a American Airlines — para obtenção de liquidez. A Delta Air Lines e a United Airlines estão entre as empresas com intenção de aceitar a ajuda.

No Brasil, a expectativa é de que a liberação ocorra nas próximas semanas, segundo afirmou o ministro Tarcísio Freitas, da pasta da Infraestrutura.

O chefe da Iata no país também disse que é complicado avaliar se o cenário atualmente favorece aquisições e fusões entre companhias aéreas. Segundo ele, ainda há uma série de possibilidades no planejamento dessas empresas antes da opção por essas operações.

O pior ficou para trás, mas nem pense no "V"

Do lado "positivo", se é possível dizer assim, os piores momentos da crise para o setor parecem ter ficado para trás. Com base nos números, Oliveira enxerga uma retomada incipiente, que começará nos mercados domésticos e depois envolverá os internacionais.

"Se a gente vai comparando o que foi em abril e em maio, o pior ficou para trás", disse ele. "Há novos destinos, aumento de frequência de voos, o que mostra que a retomada está começando a acontecer."

A Agência Nacional de Aviação Civil informou que houve uma queda de 85% na demanda por voos do mercado doméstico em junho por aqui na comparação com o mesmo período de 2019 — uma queda muito forte, porém menor do que a registrada nos dois meses anteriores.

Isso não significa, de maneira nenhuma, segundo o presidente da Iata no Brasil, que haverá uma recuperação acelerada — ou, como nos habituamos a ouvir durante a crise, em "V" —, mas, sim, lenta e gradual.

O volume de passageiros do mercado doméstico de aviação no Brasil deve retornar aos níveis de 2019 apenas em 2022, disse o executivo — no cenário otimista, em 2021. Enquanto isso, o volume dos voos internacionais global deve retomar o patamar do ano passado em 2024 — de forma mais acelerada, em 2022.

Oliveira pondera também os riscos a esse cenário. Para ele, uma possível segunda onda dos casos do coronavírus e a descoordenação de países sobre os protocolos a se seguirem nos voos pode pesar sobre a recuperação.

Sobre a América Latina, ele disse não ver uma situação mais favorável em um ou outro país da região, já que a crise foi capaz de afetar a todos, e menciona que a judicialização, a carga tributária e a regulação do setor impedem um desempenho melhor das companhias.

Em maio, a aviação civil da região registrou queda de 98,1% na demanda por voos em relação a igual período do ano passado, número ligeiramente menor do que o registrado em abril.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

mercado de ações

A B3 vai ter concorrência, mas não hoje: os riscos e oportunidades dos desafiantes ao monopólio da bolsa brasileira

Autorização para a empresa Mark2Market operar como central depositária de títulos volta a esquentar debate sobre atuação da B3, mas mercado vê quebra de monopólio improvável no curto prazo

Triste marca

Brasil registra mais de 500 mil mortos por covid-19

Em 24 horas foram 2.301 óbitos e 82.288 novos casos. Em nota, Conass ressalta que o Brasil tem 2,7% da população mundial, e é responsável por 12,8% das mortes

Here comes the sun

Energia solar ruma para liderança no País até 2050

O sol será responsável por 32% da geração, ao mesmo tempo em que a participação das hidrelétricas deve cair para cerca de 30%

ESTRADA DO FUTURO

Os três setores mais lucrativos em tecnologia, e por que você deve investir neles

Integração entre softwares e Inteligência Artificial são dois dos segmentos que devem fazer parte de qualquer portfólio de investimentos vencedor

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies