Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-10-26T19:07:05-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
BALANÇO

Dólar ajuda e atrapalha Klabin no terceiro trimestre

Moeda americana eleva vendas no período, mas pesa em suas despesas financeiras e no endividamento

26 de outubro de 2020
10:46 - atualizado às 19:07
Klabin
Imagem: Klabin/Divulgação

A Klabin (KLBN11) fechou o terceiro trimestre com crescimento de 25% da receita líquida, graças ao aumento no volume de vendas totais e a desvalorização do real, que beneficiou as exportações. Mas esse bom desempenho não foi capaz de fazer com que a última linha do balanço fechasse positiva, prejudicada principalmente pela linha financeira.

A fabricante de papel e celulose encerrou o período de julho a setembro com perda de R$ 191,2 milhões. No mesmo período do ano passado, ela teve lucro líquido de R$ 207,4 milhões, beneficiada por um crédito fiscal extraordinário de R$ 620 milhões.

A receita líquida subiu de R$ 2,8 bilhões para R$ 3,1 bilhões. A Klabin observou no período uma forte aceleração da demanda em setores afetados pela crise da covid-19, como materiais de construção e alguns mercados de bens duráveis. O volume de suas vendas, excluindo madeira, somou 910 mil toneladas, aumento de 14% em base anual, com crescimento em todas as suas linhas de negócios.

“Aliado ao seu ótimo desempenho operacional, o posicionamento comercial da Klabin para o atendimento tanto desses mercados quanto aos de primeira necessidade, como alimentos e higiene e limpeza, impulsionaram os resultados da companhia no período”, diz trecho do relatório.

A desvalorização do real ante o dólar também ajudou a Klabin no período, beneficiando as exportações e as vendas de celulose, cuja receita é atrelada à moeda americana, inclusive no mercado doméstico. O reajuste de preços realizado nas linhas de papéis e embalagens para o mercado interno também elevou a receita líquida.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado caiu 12%, para R$ 1,2 bilhão, com a margem caindo de 56% para 40%. Excluindo o crédito extraordinário do balanço de 2019, o Ebitda ajustado subiu 59%.

O dólar dá, o dólar tira

A moeda americana foi umas das responsáveis pela despesa financeira líquida permanecer elevada. Mesmo recuando 14% ante o apurado no terceiro trimestre de 2019, a despesa continuou no patamar dos bilhões, somando R$ 1,1 bilhão.

A desvalorização do real gerou efeito negativo na linha de variação cambial líquida em R$ 547 milhões do período, devido ao impacto no endividamento em dólar da Klabin. Isso também afetou o valor de marcação a mercado de swap de taxas de juros.

Outro fator que afetou a linha financeira foi o recuo de 89% da receita, para R$ 63 milhões, com menor remuneração das aplicações financeiras e de atualização de créditos tributários devido à redução das taxas de juros tanto no mercado interno como no mercado externo.

O endividamento líquido da Klabin em 30 de setembro somou R$ 21 bilhões, crescimento de R$ 248 milhões em relação ao verificado no final do segundo trimestre, por conta da variação do câmbio sobre a dívida em dólar. A alavancagem financeira da companhia, medida pela relação entre a dívida líquida e o Ebitda ajustado em dólares aumentou de 3,6 vezes para 4,0 vezes.

O caixa e as aplicações financeiras da companhia encerraram o trimestre em R$ 7,8 bilhões, redução de R$ 2 bilhões em relação ao final do segundo trimestre. Segundo a companhia, essa redução é explicada majoritariamente pelo pré-pagamento de dívida realizado no trimestre. O fluxo de caixa livre foi positivo em R$ 600 milhões. Excluídos dividendos e gastos com projetos de expansão, ele somou R$ 1,7 bilhão.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Bitcoin (BTC) na semana

O que mexe com o bitcoin (BTC) hoje: dia é de perdas, mas semana é de alta para criptomoedas; confira

E mais: a revista Time conta com três nomes do mercado de criptomoedas na lista de pessoas mais influentes de 2021

Logística portuária

Alaska aceita proposta para vender a Log-In (LOGN3) para MSC; ação sobe mais 7% hoje

A gestora é a principal acionista da companhia, com uma participação de 45% do capital da Log-In; cota do fundo subiu ontem apesar da queda do Ibovespa

Céu aberto

Alívio nos ares: Gol (GOLL4) refinancia R$ 1,2 bi em dívidas de curto prazo

Com isso, o endividamento de curto prazo da companhia aérea ficará ao redor de R$ 500 milhões — o que representa o menor nível desde 2014

Exile on Wall Street

Entre renda e multiplicação de capital, você pode ficar com os dois — Veja como

Você se lembra da sua primeira conta poupança? A minha e a do meu irmão foram abertas por volta dos meus 11 anos, quando nossos pais nos levaram ao banco para depositar o dinheirinho acumulado de nossas três fontes de renda — as moedas de casa, o troco dos lanches da escola e as generosas […]

Não é 'block' mas é 'chain'

Aceita bitcoin: Tráfico de drogas no Rio de Janeiro aceitava criptomoedas por WhatsApp; envolvidos são presos

O grupo coordenava o envio, estoque, compra e venda por meio de um grupo “oficial” no aplicativo de mensagens

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies