Menu
2020-03-13T13:01:01-03:00
Estadão Conteúdo
setor apreensivo

Disseminação do coronavírus deve mudar configuração do setor aéreo do mundo

Estimativas da Iata apontavam, no fim da semana passada, que a indústria poderia perder até US$ 113 bilhões em receita

13 de março de 2020
13:00 - atualizado às 13:01
Avião
Imagem: YouTube

A pandemia do coronavírus pode devastar empresas de aviação, fazendo com que muitas não resistam à crise, e provocar uma nova consolidação do setor em todo o mundo. "Algumas companhias não vão aguentar", disse ao jornal O Estado de S. Paulo o consultor André Castellini, sócio da Bain & Company. O presidente da Azul, John Rodgerson, ponderou que o mundo não pode "parar" por muito tempo, mas afirmou ser "bem possível ter mais consolidação no setor".

Nesta semana, a asiática Korean Air afirmou, em um memorando para seus funcionários, que, se continuar precisando cancelar voos, poderá não sobreviver ao coronavírus. "A situação pode piorar a qualquer momento e não podemos prever quanto tempo vai durar. Se continuar por um período mais longo, podemos alcançar o limiar em que não podemos garantir a sobrevivência da companhia", afirmou o presidente da empresa, Woo Kee-Hong, em documento ao qual a agência Reuters teve acesso.

Estimativas da Associação Internacional do Setor Aéreo (Iata) apontavam, no fim da semana passada, que a indústria poderia perder até US$ 113 bilhões em receita com a crise do coronavírus. Esse número, porém, não computava os voos cancelados entre Estados Unidos e Europa, um mercado que movimentou US$ 20,6 bilhões no ano passado e cujas operações serão paralisadas por 30 dias a partir de hoje, conforme anunciou o presidente americano, Donald Trump.

Antes mesmo da decisão do governo americano, aéreas como United, American e Delta já haviam cortado a oferta de voos, dada a baixa demanda. No Brasil, a Latam anunciou, na semana passada, a suspensão dos voos entre São Paulo e Milão até 16 de abril. Ontem, informou que reduzirá em 30% os voos internacionais do grupo entre 1º de abril e 30 de maio.

A Azul, que sentiu uma redução de 30% na demanda por viagens internacionais, está cortando a oferta na mesma magnitude, disse Rodgerson. A empresa adiou a estreia da rota entre Campinas e Nova York, que estava prevista para 15 de junho, para setembro, e adiantou a suspensão do voo entre Campinas e Portugal para maio - antes, a previsão era que isso ocorresse em setembro.

Tanto a Latam como a Azul suspenderam as previsões de resultados para este ano por não haver, no momento, clareza para se fazer projeções.

A Gol foi a única empresa do mercado doméstico que ainda não anunciou ajuste na malha, mas informou que deverá fazer isso em breve.

'Slots'

A redução e o cancelamento de voos por parte das companhias não deve afetar a distribuição de slots (autorizações de pousos e decolagens em aeroportos), informou a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Pela norma, quando uma empresa não utiliza seu slot, pode perdê-lo, regra que foi cancelada não só no Brasil como globalmente.

Desde 21 de fevereiro, as ações da Gol despencaram 70%. As da Azul caíram 63,5% e as da Latam, negociadas em Nova York, recuaram 47,5%. Apesar desse pânico no mercado, as três empresas vinham apresentando resultados sólidos, segundo Castellini. "Mas o impacto existe. Elas terão de fazer um exercício de contingência."

Na quinta-feira, 12, a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) informou que apresentou demandas para o governo na tentativa de contornar a crise, entre elas a redução do PIS/Cofins sobre querosene de aviação e a remoção do imposto sobre venda de passagens aéreas.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Balanços

Por que as ações do Santander caem mesmo com lucro acima do esperado?

Ninguém discorda que os resultados do Santander foram muito bons. Mas os analistas que cobrem o banco questionaram se os números se sustentam nos próximos balanços

CRESCENDO

Superintendência do Cade aprova compra da Easynvest pelo Nubank

Compra da Easynvest é a terceira feita pelo Nubank em 2020 e visa atingir desbancarizados

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta terça-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Exile on Wall Street

Save the date: a alma do investidor imoral

Assim como a vida, o investimento também é um ato de equilibrar forças ambivalentes, a intuição de Dionísio com as técnicas de valuation nas planilhas de Apolo

Mercados hoje

Ibovespa cai em meio a exterior misto, com peso de Petrobras e JBS

A temporada de balanços corporativos, com os resultados do terceiro trimestre de 2020, começa a ganhar força no Brasil e no exterior; por aqui, ações do Santander caem após resultados positivos, e pesos-pesados como Petrobras e JBS arrastam a bolsa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies