Menu
2020-10-29T08:00:11-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
BALANÇO

Consumo de cerveja no Brasil puxa receita e Ambev supera projeções no 3º trimestre

Lucro líquido cai 9% por conta de despesas financeiras, mas fica acima das expectativas do mercado; volume de vendas consolidado cresce 12%

29 de outubro de 2020
7:55 - atualizado às 8:00
Ambev
Imagem: Tasso Marcelo/Estadão Conteúdo

A Ambev anunciou nesta quinta-feira (29) que registrou no terceiro trimestre um lucro líquido de R$ 2,2 bilhões, queda de 9% em relação aos R$ 2,5 bilhões apurados no mesmo período de 2019.

Mesmo recuando por conta do forte crescimento das despesas financeira, o resultado veio acima da média das estimativas de analistas ouvidos pela Bloomberg. A expectativa era de um lucro de R$ 1,3 bilhão no período.

A receita, por sua vez cresceu 30,5%, para R$ 15,6 bilhões, também ficando acima do esperado pelo mercado, de R$ 10,5 bilhões. O faturamento foi beneficiado pelo crescimento de 12% do volume de vendas, puxado pelo avanço de 20% no Brasil.

Segundo a companhia, a alta das vendas no País foi puxada por iniciativas comerciais próprias, como oferecer serviço de entrega em domicílio aos consumidores, a adaptabilidade do calendário de preços e o efeito positivo do auxílio emergencial do governo federal. Estes fatores ajudaram a compensar a queda nas vendas a bares e restaurantes.

A Ambev informou que também teve ganhos em termos de volume em suas operações internacionais, com os países em que atua apresentando melhorias sustentadas a partir do segundo trimestre, à medida em que as restrições impostas para combater a pandemia de covid-19 foram gradualmente flexibilizadas.

“O terceiro trimestre da Ambev foi marcado pela contínua recuperação em formato de “V” impulsionada pela estratégia comercial da companhia, à medida em que inovação, flexibilidade e excelência operacional ganharam momentum”, diz trecho do relatório da empresa.

O bom desempenho das vendas resultou em um lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado – que exclui itens como participação de não controladores e nos resultados de coligadas – de R$ 5 bilhões, alta de 15%.

Mesmo assim, a parte operacional também apresentou algumas questões. A margem bruta caiu de 56,3% para 52,4%, enquanto a margem Ebitda recuou de 36,9% para 32,5%, levemente acima do esperado (32%).

No período, a Ambev viu um aumento de 26,6% do custo dos produtos vendidos, devido principalmente às pressões inflacionárias na Argentina, taxas de câmbio desfavorável para compra de insumos e custos com embalagens.

Já a despesa financeira líquida cresceu 3,7 vezes, para R$ 1,1 bilhão. Parte é explicado pela distorção provocada pelo ganho provocado pela exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS/Cofins no ano passado, mas a Ambev também viu um aumento das despesas com juros e das perdas com instrumentos derivativos, em parte provocada por custo de carrego de hedges cambiais vinculados à exposição na Argentina.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

RADIO CASH

‘O Banco Central não parece estar comprometido em atingir a meta de inflação’, diz Rogério Xavier, fundador da SPX Capital

Em entrevista ao podcast RadioCash, Rogério Xavier critica o ajuste parcial da Selic e comenta a estratégia por trás dos resultados expressivos que fundos da SPX obtiveram no primeiro trimestre do ano, confira:

destravando valor

Pão de Açúcar lidera altas do Ibovespa com mercado vendo ganhos em venda de participação em e-commerce

Casino, controlador da empresa, estuda fazer oferta de ações de unidade de e-commerce, em que Pão de Açúcar detém participação de 34,17%

Mercados hoje

Ibovespa é pressionado pelo cenário político-fiscal e opera em queda; dólar sobe

Com o cenário político-fiscal pesado, o mercado brasileiro acaba sucumbindo às pressões. No exterior, inflação dos Estados Unidos é destaque

Exile on Wall Street

Meu professor polvo

Desenvolvi um hábito peculiar. Quando preciso ter algum papo difícil com alguém ou há entre mim e alguma pessoa querida algum entrevero, mínima rusga que seja, envio um vinho português chamado “Conversa” e convido para o diálogo. É um gesto carinhoso, de afeto. Mas — confesso — é também um pouco egoísta e parte de […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies