Menu
2020-05-07T20:05:12-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
Olho no balanço

B2W tem prejuízo líquido de R$ 108 milhões no 1T, em queda de 22,5%

A receita líquida totalizou R$ 1,696 bilhões no período, um crescimento de 32,3% se comparado ao mesmo trimestre do ano passado

7 de maio de 2020
20:05
varejo vendas lojas
Imagem: Shutterstock

A B2W divulgou resultados trimestrais nesta quinta-feira (7) informando um prejuízo líquido de 108 milhões, uma queda de 22,5% na base anual, no 1º trimestre de 2020.

A receita líquida totalizou R$ 1,696 bilhão no período, um crescimento de 32,3% se comparado ao mesmo trimestre do ano passado. O volume bruto de mercadorias (GMV) foi de R$ 4,558 bilhões, avanço de 27,3%.

Enquanto isso, o EBITDA Ajustado atingiu R$ 127,6 milhões, 53,3% maior do que o registrado em igual período em 2019. A margem EBITDA Ajustada subiu 1,0 ponto para 7,5% no trimestre inicial do ano.

O consumo de caixa foi de R$ 645,7 milhões, dada a sazonalidade do negócio e o aumento da cobertura do estoque, "pela aceleração do 1P e das medidas de mitigação dos efeitos da pandemia".

O caixa líquido da empresa foi de R$ 339 milhões no período, e o endividamento bruto, de R$ 6,788 bilhões. O capex totalizou R$ 165,7 milhões, representando 3,6% do GMV total.

Online to offline

Segundo o CEO da companhia, Marcio Cruz, a B2W acelerou "as iniciativas de O2O (Online to Offline), expandindo o Ship from Store (SFS) para 100% das lojas físicas da Americanas".

Essas iniciativas totalizaram R$ 530 milhões de GMV no trimestre inicial do ano, crescimento de 85%. No trimestre, houve 1,3 milhões de pedidos por meio dessas iniciativas.

O chamado "Ship From Store" acelerou e já se encontra conectado em todas lojas físicas da Americanas.

"A modalidade de entrega, que permite a compra online dos produtos da loja mais próxima com entrega em até 2 horas no endereço de desejo, apresentou crescimento de 10x no número de pedidos em relação ao 1T19", disse a B2W.

Pedidos

Houve crescimento de 35% no número de pedidos no 1T20, impulsionado pelo aumento na frequência de compra e novos clientes. "Em abr/20, tivemos uma forte aceleração, com o número de pedidos crescendo 83%", informou a empresa, que disse ter alcançado 17 milhões de clientes ativos no período.

A base de clientes ativos foi impulsionada pela adição de 2 milhões de novos clientes, nos últimos 12 meses. No trimestre, as categorias mais buscadas pelos clientes foram beleza e saúde, páscoa, esporte e lazer e entretenimento, disse a B2W.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Orçamento em foco

Presidente da Câmara defende a desvinculação total do orçamento

Arthur Lira (PP-AL) rejeita tese segundo a qual desvinculação deixaria setores essenciais sem recursos

Liminar

Tribunal de Contas de São Paulo suspende leilão de linhas da CPTM

Leilão estava previsto para a próxima terça-feira

Contra a pandemia

Câmara dos EUA aprova pacote de US$ 1,9 trilhão

Projeto de lei segue agora para o Senado

IPO registrado

Rio Branco Alimentos protocola pedido de registro de oferta pública de ações

Oferta será primária e terá como coordenador-líder o Citi, além da coordenação do Bank of America Merril Lynch e do BTG Pactual

Boleto salgado

Aneel mantém bandeira amarela em março; conta de luz continua com taxa adicional

É o terceiro mês consecutivo que o órgão regulador aciona bandeira neste patamar

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies