Menu
2020-03-17T15:56:42-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
Se Coronavírus continuar

Azul, Gol e LATAM podem ter de procurar liquidez alternativa se surto continuar até 3T, diz Moody’s

Agência de risco também acredita nas estruturas de capital e liquidez da Petrobras para lidar com a crise

17 de março de 2020
15:56
Latam – Gol – Azul
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Empresas da América Latina do setor de transporte aéreo e de hospedagem, além daquelas com fraca liquidez, estão mais expostas ao choque na demanda e no mercado de capitais decorrentes do surto do coronavírus, informou a Moody's em relatório.

A agência cita companhias aéreas como Azul, Gol e LATAM, que já anunciaram reduções de capacidade consolidada, como exemplos dos impactos do surto no setor.

Hoje, segundo a Moody's, Azul, LATAM e Gol possuem balanços sólidos e liquidez substancial, incluindo caixa, linhas de crédito e fontes alternativas como recebíveis de cartão de crédito e patrimônio líquido em aviões.

No entanto, o futuro dessas empresas muito dependerá da duração e gravidade do coronavírus sobre o setor aéreo global. Se houver mais aterramentos forçados até o terceiro trimestre, provavelmente seus recursos começariam a ser pressionados. "Nesse caso, pode ser necessário o acesso a mercados financeiros ou outras fontes de liquidez alternativa", diz a agência.

Em relação aos produtores de petróleo da região, diz a Moody's, o desafio é lidar com a volatilidade dos preços e a depressão do petróleo e do gás natural. Segundo a agência, entretanto, a Petrobras possui atualmente estrutura de capital e liquidez mais fortes do que antes. De outro lado, alerta que, se o menor ritmo de atividade econômica afeta a demanda de combustíveis, será o setor brasileiro de etanol quem enfrentará a maior ameaça proveniente da queda nas cotações do petróleo.

O setor de mineração latino-americano, por sua vez, tem moderada exposição ao surto, como a Vale, com base na qualidade de crédito geralmente forte das empresas, mas companhias com fraca liquidez enfrentam maior risco. O setor siderúrgico brasileiro apresenta exposição moderada geral, dados os preços internacionais mais baixos do aço devidos ao excesso de capacidade de uma economia chinesa em desaceleração.

"Setor de proteínas do Brasil enfrenta estresse de curto prazo de consumo e exportação, mas ganha com as vendas no varejo de alimentos e maiores demanda dos mercados internacionais, particularmente da Ásia", diz a agência.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

análise dos balanços

Juntos, Santander, Itaú e Bradesco têm salto no lucro, mas saúde financeira não tranquiliza mercado

Um contraste fica visível na comparação entre Santander e Itaú, principalmente: o comportamento da margem financeira das operações com clientes

Desmatamento em foco

Varejistas europeus ameaçam boicote a produtos do Brasil por risco à Amazônia

O movimento foi visto como “precipitação” por empresários brasileiros que acompanham dois projetos de lei que tramitam no Congresso sobre o tema

CÉU DE BRIGADEIRO

No pós-Copom, Ibovespa tem tudo para amanhecer com céu azul e sol brilhante

Com o Banco Central fora da cena principal, bolsa brasileira tem tudo para acompanhar o apetite por risco no exterior

Troca de presidência

Carlos Brito vai deixar o comando da AB InBev em 1º de julho

O substituto de Brito no comando da AB InBev também é brasileiro: o engenheiro catarinense Michel Dukeris, que ingressou na AmBev em 1996

primeiro trimestre

TIM anuncia alta de 57,9% do lucro e venda de controle da FiberCo

Receita líquida somou R$ 4,340 bilhões, ligeira alta de 3% sobre igual período do ano anterior

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies