Menu
2020-02-08T15:04:02-03:00
Rumo à bolsa

Acordo entre família Ermírio de Moraes e Banco do Brasil libera IPO do Banco Votorantim

O documento dos sócios é o ponto de partida para a abertura de capital do BV, que deverá render R$ 5 bilhões e está marcada para o mês de abril

8 de fevereiro de 2020
14:56 - atualizado às 15:04
Banco Votorantim BV

O Banco do Brasil e a família Ermírio de Moraes chegaram a um acordo que vai garantir a abertura de capital (IPO, na sigla em inglês) do Banco Votorantim, que hoje se autodenomina BV.

O documento é o ponto de partida para a operação que deverá render R$ 5 bilhões e está marcada para o mês de abril.

A assinatura de um novo acordo de acionistas é fundamental, pois o antigo não permitia que o BB vendesse ações ou tivesse outros sócios no negócio, explicou uma das quatro fontes consultadas sobre o tema. Até agora, eram permitidas apenas vendas de participações diretas, e não no mercado financeiro.

Com o novo acordo de acionistas, que depende do aval dos órgãos reguladores, o BV ficará livre para protocolar o pedido de IPO na Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Procurados, o BB e a família Ermírio de Moraes não comentaram. O BV também não se manifestou.

A ideia dos sócios é avaliar o BV na Bolsa entre R$ 20 bilhões e R$ 25 bilhões. Na quinta-feira, o banco anunciou lucro de R$ 1,37 bilhão ao longo de 2019, alta de 29,1% ante o ano anterior. Antes de 2018, o banco havia passado por um período de reestruturação.

Para o diretor de renda variável da Eleven Financial, Carlos Daltozo, considerada uma aceleração do lucro em 2020 e as mesmas projeções feitas a bancos tradicionais, o BV poderia ser avaliado em R$ 19 bilhões na Bolsa. "É um cenário possível, considerando a dinâmica atual da economia", disse.

Porém, o analista chama atenção para a possibilidade de o mercado exigir algum desconto no caso do BV, que tem o BB como controlador. Daltozo lembra que o banco público é negociado hoje com 25% de desconto sobre os pares privados no mercado financeiro.

De cara nova

O BV está debruçado em se posicionar na nova onda dos bancos digitais, que tem motivado a volta do setor à Bolsa. "Em vez de tentar mudar uma cultura corporativa e a forma como a organização está estruturada, o BV tenta se tornar um parceiro popular para as fintechs", disse Victor Schabbel, analista do Bradesco BBI, em breve comentário ao mercado.

Não foi apenas o nome do Votorantim que mudou. Em termos de resultado, o BV chegará à Bolsa com outra cara. Além da alta no lucro, os empréstimos avançaram 10% no ano passado, a rentabilidade média sobre o patrimônio líquido foi a 14%, ante 11,5% em 2018.

Na semana passada, o presidente do BB, Rubem Novaes, confirmou, em entrevista, que o banco e a família devem vender fatias proporcionais no IPO do BV. Conforme antecipou a Coluna do Broadcast em 28 de janeiro, cada sócio vai se desfazer de R$ 2 bilhões em ações do Votorantim na oferta.

Assim, a oferta secundária, que vai para o bolso dos acionistas, totalizaria R$ 4 bilhões. O R$ 1 bilhão restante será a parte primária, que injetará recursos no caixa do banco para financiar a expansão de suas atividades, com foco no digital.

Assim, os sócios vão manter a mesma proporção no BV, a despeito da oferta inicial de ações. Atualmente, a família Ermírio de Moraes detém 50,01% do capital com direito a voto do banco , enquanto o BB tem os demais 49,99%.

"É muito importante ter a oxigenação para o BV que a abertura para o mercado dá. O Votorantim está passando por um processo de modernização. Esperamos que seja um sucesso o IPO. Vamos vender apenas um pedaço na mesma proporção dos outros sócios", disse Novaes a jornalistas, depois de evento do Credit Suisse, na semana passada.

Os sócios também já bateram o martelo quanto ao sindicato de bancos que vai coordenar o IPO do BV. Além do próprio BB e do JPMorgan, que fez o trabalho de preparação do banco para a oferta, estão ainda envolvidos Goldman Sachs, Morgan Stanley, Itaú BBA, UBS e Bank of America.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Recuperação intranquila

Ibovespa passa por instabilidade com possível demissão de Mandetta, mas ainda fecha em alta firme

O Ibovespa terminou a sessão com ganhos de mais de 6%, mas ainda assim ficou distante das máximas e aquém das bolsas americanas. Tudo por causa das incertezas relacionadas à permanência do ministro da Saúde no cargo

Números atualizados

Brasil tem 553 mortes e 12 mil casos confirmados do novo coronavírus

Brasil chegou a 553 mortes em razão da pandemia do coronavírus, segundo atualizaçãodo Ministério da Saúde. Número representa um aumento de 13%

Fundos

Comprada em bolsa nos EUA, Verde Asset diz que volta de preços ocorrerá ‘mais rápido do que muitos imaginam’

Mercado já colocou nos preços uma brutal queda de lucratividade das empresas, que será revertida ao longo dos próximos anos, segundo a gestora

Não tem pra todo mundo

‘Não há como ajudar todos os setores’, diz presidente do Santander

Presidente do Santander Brasil, Sergio Rial afirmou que deve-se evitar que mais setores venham buscar dinheiro no governo por conta da crise

Premiê com covid-19

Boris Johnson, primeiro-ministro do Reino Unido, dá entrada em UTI

Primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, deu entrada em uma unidade de terapia intensiva após a piora no seu quadro médico, disse a BBC

Tensão em Brasília e na bolsa

Ibovespa perde força após jornal afirmar que Bolsonaro vai demitir Mandetta ainda hoje

O Ibovespa se distanciou das máximas após as primeiras notícias quanto à demissão do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta

Dinheiro guardado

Poupança volta a captar em meio à crise do coronavírus

Os depósitos na poupança superaram os saques em R$ 12,168 bilhões no mês passado. Com isso, a captação líquida de março foi a maior da série histórica para o mês

Jogo franco

Não há condições para fazer com segurança nova projeção para 2020, diz Anfavea

Anfavea critica restrição de bancos em relação a crédito e cobra atuação do governo federal

efeito coronavírus

PIB do Brasil deve cair 2% em 2020, diz Fitch; América Latina deve encolher 2,6%

Projeção de queda para o PIB da América Latina é maior do que a observada durante a crise financeira global de 2008/2009

medida de prevenção

Doria estende em 15 dias quarentena em São Paulo

Segundo o governo, contágio já chegou a cem cidades paulistas; recomendação é que as pessoas fiquem em casa; serviços considerados essenciais continuam em funcionamento

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements