🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Estadão Conteúdo
CONSEQUÊNCIA DA CRISE

Varejo deve contratar quase 20% menos trabalhadores no Natal ante 2019, diz CNC

Principal data comemorativa do varejo, o Natal deve movimentar R$ 37,5 bilhões em vendas em 2020

presentes de natal
Imagem: Shuttertstock

O comércio varejista deve contratar quase 20% menos trabalhadores temporários neste Natal em relação à mesma data de 2019, calcula a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

A entidade estima que 70,7 mil trabalhadores temporários serão admitidos para atender ao aumento das vendas neste fim de ano, ante um total de 88,0 mil postos temporários criados no ano passado. A geração de vagas será a menor em cinco anos.

Principal data comemorativa do varejo, o Natal deve movimentar R$ 37,5 bilhões em vendas em 2020, aponta a CNC.



As oportunidades de empregos devem ser mais concentradas nos meses de novembro e dezembro. As previsões da CNC consideram dados históricos de admissões e desligamentos no comércio varejista do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). As projeções de trabalho temporário consideram a expectativa da entidade de um avanço de 2,2% das vendas para o Natal em 2020.

"Do ponto de vista da reativação do consumo, a segunda metade deste ano tende a favorecer as vendas e, consequentemente, as contratações voltadas para as datas comemorativas do semestre. Neste ano, apesar da inflação baixa e dos juros básicos no piso histórico, o comportamento das vendas seguirá ditado pelo ritmo de regeneração do mercado de trabalho, pela evolução das vendas online e por medidas voltadas para mitigar os efeitos da recessão como, por exemplo, o auxílio emergencial", escreveu o economista Fabio Bentes, da CNC, em nota oficial.

O setor de vestuário e calçados deve abrir 30,7 mil vagas para o Natal, o que corresponde a pouco mais da metade dos 59,2 mil postos criados no ano passado. As lojas de artigos de uso pessoal e doméstico devem gerar 13,7 mil empregos temporários este ano, enquanto hipermercados e supermercados abrirão outras 13,4 mil vagas. Os três segmentos devem responder juntos por cerca de 82% das vagas oferecidas pelo varejo neste fim de ano.

Todas as Unidades da Federação devem criar menos oportunidades de empregos temporários no comércio varejista do que no ano passado. Os Estados que mais abrirão vagas neste Natal serão São Paulo (17,90 mil), Minas Gerais (8,33 mil), Rio de Janeiro (6,92 mil) e Rio Grande do Sul (6,02 mil), responsáveis juntos por mais da metade (55%) das oportunidades de emprego.

O salário médio de admissão deve alcançar R$ 1.319, 4,6% a mais que o da mesma época do ano anterior, em termos nominais, ou seja, sem descontar a inflação do período. O maior salário de admissão deve ser pago pelas lojas especializadas na venda de produtos de informática e comunicação (R$ 1.618), seguidas pelo ramo de artigos farmacêuticos, perfumarias e cosméticos (R$ 1.602).

Segundo Bentes, nove em cada dez vagas criadas ficarão concentradas em cinco ocupações: vendedores (34.659), operadores de caixa (12.149), atendentes (8.276), repositores de mercadorias (6.979) e embaladores de produtos (2.954).

"O avanço significativo do varejo eletrônico deverá, no entanto, reduzir a quantidade de vagas voltadas para o consumo presencial, em especial o número de vendedores ante 2019 (-25%). Nessas ocupações, os maiores salários médios deverão ser pagos aos contratados para os cargos de operadores de caixa (R$ 2.272,78) e repositores de mercadorias (R$ 1.576,24)", ressaltou Bentes, no relatório.

O economista prevê ainda que a taxa de efetivação dos trabalhadores temporários após o Natal seja a menor dos últimos quatro anos, em função da "ainda elevada incerteza quanto à capacidade da economia e do consumo em sustentar o ritmo de recuperação nos próximos meses".

Compartilhe

Comprinhas em alta

Indo às compras? Intenção de Consumo cresce 2,1% em agosto; confira

23 de agosto de 2021 - 12:26

O indicador apurado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) teve melhor desempenho desde abril deste ano; no entanto a intenção de consumo segue abaixo do nível de satisfação, de 100 pontos

contas da crise

Turismo brasileiro acumula prejuízo de R$ 376,6 bilhões desde início da pandemia

13 de julho de 2021 - 18:25

Setor chegou a maio de 2021 operando com aproximadamente 52,6% da sua capacidade mensal de geração de receitas

Piorou

66,5% dos brasileiros registraram dívidas em janeiro ante 66,3% em dezembro, diz CNC

18 de fevereiro de 2021 - 14:09

Em relação a janeiro de 2020, a proporção de endividados subiu 1,2 ponto porcentual.

ainda em queda

Intenção de consumo cai 0,2% em agosto e chega à 5ª queda seguida, diz CNC

26 de agosto de 2020 - 13:55

Em comparação com agosto de 2019, a queda foi de 27,6% e, Segundo a CNC, o ICF está abaixo do nível de satisfação (100 pontos) desde abril de 2015.

efeito coronavírus

Covid-19 leva intenção de consumo das famílias à queda recorde em junho, diz CNC

29 de junho de 2020 - 12:09

Parcela de consumidores que acreditam ser um mau momento para compra de duráveis, como eletrodomésticos, eletrônicos, carros e imóveis, atingiu 77%

PIOR QUEDA MENSAL

CNC: confiança do comércio cai 28,6% em junho ante maio, maior queda da série

25 de junho de 2020 - 12:29

O indicador que mede a satisfação dos empresários com as condições atuais, seja da economia, do comércio, seja também da própria empresa, foi o que mais se destacou negativamente

Reflexo da covid-19

Setor de turismo já perdeu R$ 62,56 bilhões desde início da pandemia, diz CNC

12 de maio de 2020 - 16:06

Levantamento considera um período de quase dois meses: desde 15 de março, poucos dias após a Organização Mundial de Saúde (OMS) decretar oficialmente estado de pandemia, até o último dia 10 de maio

Cenário pré-coronavírus

Antes do coronavírus, confiança do comércio vai a maior nível desde 2012, diz CNC

23 de março de 2020 - 13:53

Pouco antes da eclosão da crise do coronavírus, confiança dos empresários do comércio atingiu maior patamar em quase 8 anos, segundo dados de Confederação

ECONOMIA

Carnaval 2020 deve movimentar R$ 8 bilhões na economia, diz CNC

24 de fevereiro de 2020 - 14:39

Segundo a CNC, “a recuperação gradual da atividade econômica, combinada à inflação baixa” tendem a refletir na recuperação moderada dos serviços turísticos

mais pausas em dias úteis

Para CNC, feriados de 2020 devem causar prejuízo de quase R$ 20 bi ao comércio

17 de janeiro de 2020 - 12:09

CNC estima que haja uma queda de 8,4% na lucratividade do comércio a cada feriado. Os setores e regiões com maior peso da folha de pagamentos em relação ao faturamento tendem a ser mais afetados

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies