Menu
2019-04-20T16:00:31-03:00
Estadão Conteúdo
Custo Alto

Aumento no frete deve achatar lucros no comércio, prevê CNC

Empresas terão dificuldade para repassar custos ao consumidor, “achatando” suas margens de lucro

18 de setembro de 2018
7:47 - atualizado às 16:00
Comércio
Reajuste irá custar R$ 1,09 bilhão ao comércio brasileiro.Imagem: Fotos Públicas

O reajuste médio de 5,5% na tabela do frete, anunciado há duas semanas, irá custar R$ 1,09 bilhão ao varejo brasileiro até o fim do ano. Isso é o que prevê a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), de acordo com o jornal "O Estado de S. Paulo".

Até o fim do ano, o resultado deve impactar no lucro dos negócios. Diante da economia desaquecida, as empresas devem ter dificuldades para repassar os novos custos aos consumidores. "Isso vai afetar a recuperação, a abertura de lojas e geração de vagas. Tudo fica mais lento com esse gatilho de custo do comércio", avalia Fabio Bentes, chefe da Divisão Econômica da CNC.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

pandemia

Governo vai comprar vacina desenvolvida na China, diz Mourão

Vice-presidente disse que polêmica em torno da vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan é “briga política” com Doria

DESTAQUE DO DIA

Suzano se descola do Ibovespa e sobe mais de 1% após resultados do 3º trimestre

Analistas destacam que Ebitda superou estimativas e elogiam fluxo de caixa livre e desalavancagem

sob pressão

Inflação e redução do auxílio emergencial já derrubam vendas nos supermercados

Em outubro, a prévia da inflação, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor-15 (IPCA-15) atingiu 0,94%. O resultado é mais que o dobro da inflação registrada em setembro e a maior alta para o mês em 25 anos

efeito pandemia

Setor público tem déficit primário de R$ 64,559 bi em setembro, diz BC

Em função da pandemia, cujos efeitos econômicos se intensificaram em março, o governo federal e os governos regionais passaram a enfrentar um cenário de forte retração das receitas e aumento dos gastos públicos.

AINDA RUIM

Taxa de desemprego atinge 14,4% no trimestre até agosto, a maior desde 2012

País registrou 13,794 milhões de desempregados no período, aumento de 8,5%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies