IPCA + 8% e outros títulos ‘premium’: receba as melhores ofertas de renda fixa no seu WhatsApp

Cotações por TradingView
2019-04-05T15:54:32-03:00
Estadão Conteúdo
Pesou no bolso

Endividamento das famílias sobe em março ao maior nível desde setembro de 2015

Total de famílias com dívidas ou contas em atraso cresceu de 23,1% em fevereiro para 23,4% em março. No mesmo período do ano passado, a fatia de inadimplentes era mais elevada, de 25,2%

4 de abril de 2019
11:58 - atualizado às 15:54
dívida da evergrande eve deixar bancos na mão
Imagem: shutterstock

O endividamento das famílias brasileiras alcançou em março ao maior patamar desde setembro de 2015, segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). O total de famílias endividadas subiu de 61,5% em fevereiro para 62,4% em março, um aumento de 0,9 ponto porcentual e a terceira alta mensal consecutiva, de acordo com os dados da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic). Em março do ano passado, o indicador estava em 61,2%.

A inadimplência também aumentou no último mês. O total de famílias com dívidas ou contas em atraso cresceu de 23,1% em fevereiro para 23,4% em março. Em março de 2018, porém, a fatia de inadimplentes era mais elevada, de 25,2%.

O porcentual de famílias que declararam não ter condições de pagar suas contas ou dívidas em atraso - e que, portanto, permaneceriam inadimplentes - aumentou de 9,2% em fevereiro para 9,4% em março deste ano. Em março do ano passado, o índice estava em 10,0%.

Segundo a CNC, a recuperação gradual das concessões de crédito e do consumo das famílias impulsiona o endividamento, mas houve impacto também da incidência dos gastos extras característicos de início de ano, ocasionando uma demanda maior por empréstimos.

"Entretanto, apesar da alta do porcentual de endividados, o comprometimento médio de renda com o pagamento de dívidas ficou estável, refletindo condições ainda favoráveis de juros e prazos", lembrou Marianne Hanson, economista da CNC responsável pela pesquisa, em nota oficial.

Em março, as famílias endividadas tinham, em média, 29,1% da renda comprometida com contas a pagar em cheque pré-datado, cartão de crédito, carnê de loja, empréstimo pessoal, prestação de carro ou seguro. O tempo médio de comprometimento com dívidas entre as famílias endividadas foi de 6,8 meses.

O cartão de crédito foi apontado como a principal fonte de dívida por 78,0% das famílias endividadas, seguido por carnês (14,4%) e financiamento de carro (10,0%).

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Troca ou devolução

Comprou na Black Friday e se arrependeu? Veja quais são seus direitos

26 de novembro de 2022 - 11:59

O excesso de compras para aproveitar as oportunidades da Black Friday podem se transformar numa ‘ressaca’ no cartão de crédito

Recomendação de compra

Cielo (CIEL3) já dobrou de preço, mas ainda pode subir mais de 50% na bolsa, diz Santander. Confira detalhes

26 de novembro de 2022 - 9:48

Analistas do banco veem a Cielo (CIEL3) com vantagem competitiva em relação a adquirentes como Stone e PagSeguro

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: PIB do 3º trimestre no Brasil e payroll nos EUA são destaques de semana cheia

26 de novembro de 2022 - 8:11

A agenda econômica estará carregada nesta semana, com dados importantes de atividade e inflação a serem divulgados no mundo

Aperte o play!

Só acaba quando termina: Lula talvez não consiga gastar tanto assim; como isso mexe com seus investimentos?

26 de novembro de 2022 - 8:00

No podcast Touros e Ursos desta semana, PEC da Transição, Haddad na Fazenda, Petrobras e, é claro, futebol

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

As maiores reclamações da Black Friday, a decepção do mercado com Haddad e a semana difícil das criptomoedas; confira os destaques do dia

25 de novembro de 2022 - 19:16

Escalado para representar o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva no almoço anual de dirigentes dos bancos na Federação Brasileira de Bancos (Febraban), o ex-ministro da Educação e ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, entrou em campo disposto a jogar para a torcida.  Diante de uma plateia de banqueiros e nomes fortes do setor […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies