Menu
2019-04-05T15:54:32-03:00
Estadão Conteúdo
Pesou no bolso

Endividamento das famílias sobe em março ao maior nível desde setembro de 2015

Total de famílias com dívidas ou contas em atraso cresceu de 23,1% em fevereiro para 23,4% em março. No mesmo período do ano passado, a fatia de inadimplentes era mais elevada, de 25,2%

4 de abril de 2019
11:58 - atualizado às 15:54
Empresário endividado
Dívidas - Imagem: shutterstock

O endividamento das famílias brasileiras alcançou em março ao maior patamar desde setembro de 2015, segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). O total de famílias endividadas subiu de 61,5% em fevereiro para 62,4% em março, um aumento de 0,9 ponto porcentual e a terceira alta mensal consecutiva, de acordo com os dados da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic). Em março do ano passado, o indicador estava em 61,2%.

A inadimplência também aumentou no último mês. O total de famílias com dívidas ou contas em atraso cresceu de 23,1% em fevereiro para 23,4% em março. Em março de 2018, porém, a fatia de inadimplentes era mais elevada, de 25,2%.

O porcentual de famílias que declararam não ter condições de pagar suas contas ou dívidas em atraso - e que, portanto, permaneceriam inadimplentes - aumentou de 9,2% em fevereiro para 9,4% em março deste ano. Em março do ano passado, o índice estava em 10,0%.

Segundo a CNC, a recuperação gradual das concessões de crédito e do consumo das famílias impulsiona o endividamento, mas houve impacto também da incidência dos gastos extras característicos de início de ano, ocasionando uma demanda maior por empréstimos.

"Entretanto, apesar da alta do porcentual de endividados, o comprometimento médio de renda com o pagamento de dívidas ficou estável, refletindo condições ainda favoráveis de juros e prazos", lembrou Marianne Hanson, economista da CNC responsável pela pesquisa, em nota oficial.

Em março, as famílias endividadas tinham, em média, 29,1% da renda comprometida com contas a pagar em cheque pré-datado, cartão de crédito, carnê de loja, empréstimo pessoal, prestação de carro ou seguro. O tempo médio de comprometimento com dívidas entre as famílias endividadas foi de 6,8 meses.

O cartão de crédito foi apontado como a principal fonte de dívida por 78,0% das famílias endividadas, seguido por carnês (14,4%) e financiamento de carro (10,0%).

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Novidades na bolsa

B3 vai lançar 37 BDRs de fundos de índices estrangeiros (ETF)

Com os novos BDRs, os investidores brasileiros poderão ficar expostos à variação de uma série de fundos que acompanham índices estrangeiros sem sair da B3

Retorno

Vale consegue licença para retomar operações em Serra Leste, no Pará

As operações estão paralisadas desde janeiro de 2019, após a mineradora ter atingido o limite da área até então licenciada para extração de minério de ferro.

Revolucionário

Média de tempo de transações do PIX deve estar entre 2 e 3 segundos, diz BC

Lançado em 16 de novembro, o PIX permite pagamentos e transferências 24 horas por dia, 7 dias por semana, todos os dias do ano.

alívio

Congresso quer Refis para negociação de dívidas geradas com a pandemia

Área técnica do Ministério da Economia resiste, avaliando que medida faz contribuintes deixarem de pagar regularmente os tributos

mal entendido

Guedes nega atritos com o presidente do Banco Central

Na quinta-feira à noite, quando falava sobre a aprovação da Lei de Falências, Guedes ficou irritado com uma pergunta sobre perda de credibilidade pelo mercado financeiro e as críticas de que não tem plano para a economia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies