Menu
2020-02-28T12:48:54-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
OS SETORES PREFERIDOS

Setores elétrico e de saneamento são boas apostas para este momento, segundo XP

Para o estrategista-chefe da corretora, o interesse agora é por setores regulados como o elétrico e o de saneamento, por serem bons pagadores de dividendos e com receita mais estável

28 de fevereiro de 2020
11:50 - atualizado às 12:48
XP Investimentos Dinheiro
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Em um cenário em que as bolsas são bastante afetadas por conta das incertezas e rápida propagação do coronavírus, a bolsa continua a ser uma das apostas da XP. E dentro dela, dois setores que chamam a atenção dos especialistas da corretora neste momento são o elétrico e o de saneamento.

Ao comentar sobre os impactos do coronavírus no mercado financeiro em evento voltado para jornalistas hoje (28), o estrategista-chefe da corretora, Fernando Ferreira, se mostrou bastante otimista com os papéis de ambos os setores. Hoje, a corretora possui ações da Sanepar, ISA CTEEP e Taesa na carteira.

"Vemos com bastante interesse setores regulados como o elétrico e o de saneamento. Gostamos deles porque são bons pagadores de dividendos e possuem menor exposição a essas oscilações externas, além do que costumam ter uma receita mais estável", destaca o estrategista-chefe.

Nem mesmo a queda recente das ações de ambos os setores representam um temor para o estrategista-chefe. Segundo ele, isso é apenas um aumento do prêmio de risco e o recuo está em linha com o do próprio Ibovespa.

Além dos dois, outro setor que é visto como interessante pelo especialista é o de infraestrutura. Ao citar algumas ações específicas, ele falou sobre as concessionárias de rodovias, CCR e Ecorodovias porque costumam apresentar uma receita pré-determinada e portanto, possuem bons fundamentos no longo prazo.

Bancos permanecem com recomendação de venda

Apesar de estar entre as buscas mais recentes dos investidores, o setor financeiro não está na lista de preferências do time de análise da casa.

A XP manteve a recomendação de venda para o setor, mesmo diante do cenário de coronavírus. Hoje, há apenas uma recomendação de compra para os papéis do Banco do Brasil (BBSA3) na carteira.

Para Ferreira, o motivo da busca maior por ações de bancos na bolsa está relacionado ao fato de que eles vinham com uma performance bastante fraca e ficaram com os "dividend yields" para trás, o que fez com que eles ficassem descontados e chamassem a atenção dos investidores.

Ele também argumenta que há o fato de que eles fazem parte de um setor que é menos expostos à oscilações externas e que é visto como defensivo. Logo, eles se beneficiaram mais nos últimos dias de pane na bolsa, segundo o estrategista-chefe.

"Nos últimos dias, vimos uma performance melhor, especialmente de bancos como o Banco do Brasil e do Itaú, porque ambos são de varejo e há a questão do benefício dos juros baixos e da queda do custo do crédito", destaca Ferreira.

Mas a aposta permanece mesmo no BB. Ao falar sobre o banco, o especialista disse que possui uma perspectiva boa para a instituição financeira porque boa parte da carteira de crédito é voltada ao agronegócio, além do que os seus múltiplos estão descontados em relação aos pares.

Projeção para bolsa continua em 140 mil pontos

E mesmo com o foco maior em alguns setores em relação a outros, os analistas permanecem otimistas com a bolsa em geral. Ainda que o cenário de curto prazo se mostre mais desafiador, Ferreira disse que a casa manteve a expectativa de 140 mil pontos para o Ibovespa até o fim do ano.

"No curto prazo, vai haver essa correção para baixo, mas vemos ainda alguns fatores que nos fazem acreditar que ela possa subir e por isso não revisamos nossa projeção", argumentou o estrategista-chefe.

Na avaliação de Ferreira, o otimismo com a exposição em bolsa está ligada a quatro fatores: volta do crescimento econômico (ainda que em ritmo menor, ele deve ser maior do que o registrado no ano passado); aumento no lucro das companhias em um cenário de queda de juros e de troca de dívida externa por interna; crescimento do fluxo de dinheiro local para a bolsa, por conta da transferência de investidores da renda fixa para a renda variável e o fato de que o valuation da bolsa permanece barato em relação aos demais índices do mundo.

"O Ibovespa corrigiu em linha com os outros mercados Em dólares, ele está caindo em linha com S&P e com o Dow Jones [...] e o que vai definir a alta será o lucro projetado das companhias", destacou o estrategista-chefe.

Mesmo assim, tanto ele quanto a analista de ações da casa, Betina Roxo foram enfáticos: é hora de ter cautela.

Segundo eles, agora a escolha de papéis precisa ser com foco nos fundamentos das empresas no longo prazo. "No curto prazo, as ações devem sofrer correções, mas é preciso sangue frio", disse Ferreira.

Talvez não seja a melhor hora para comprar ouro

Diante de um cenário conturbado do ponto de vista externo e interno, a ideia de buscar o ouro como forma de proteção poderia parecer a mais adequada. Mas o estrategista-chefe da corretora, Fernando Ferreira, questiona a aplicação na commodity por conta da alta recente.

"O time de análise vem olhando a subida desde o ano passado e se questionando se é o momento de investir. Acredito que investir no metal agora seria pensar que o cenário vai piorar bastante", destacou Ferreira.

Ainda em dúvida sobre o melhor momento para entrar, ele disse que hoje a carteira da corretora não possui qualquer alocação em ouro e que a proteção está sendo feita de outras formas.

"Hoje, temos exposição à renda fixa e renda variável globais, como forma de porto seguro", afirmou o estrategista-chefe da XP.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Recessão à vista

PIB do Brasil deve cair 0,7% em 2020 por coronavírus, diz S&P

S&P Global Ratings prevê que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil deve sofrer contração de 0,7% neste ano, com risco de baixa, devido aos impactos econômicos da pandemia de coronavírus

Seu Dinheiro na sua noite

Balança mas não cai?

Caro leitor, Embora a pandemia global de coronavírus ainda esteja longe de ser debelada – pelo menos com os dados e tratamentos que temos até o momento – o mercado começou a semana menos pessimista. Itália, Espanha e o estado de Nova York – três localidades críticas de disseminação da doença – mostraram, no fim […]

Embraer cortada

S&P rebaixa rating da Embraer de BBB para BBB- e mantém nota em observação

S&P diz que, em resposta à pandemia de coronavírus, muitas companhias aéreas devem tentar atrasar novas entregas de aeronaves até pelo menos o fim do terceiro trimestre de 2020, o que deve pressionar o fluxo de caixa e as métricas de crédito da empresa.

Em meio à pandemia

Telefônica, dona da Vivo, parcela fatura de inadimplentes

A Telefônica Brasil, dona da marca Vivo, decidiu flexibilizar as condições de pagamento de seus clientes de telefonia fixa e móvel, banda larga e TV por assinatura devido à crise do coronavírus

Não rolou

Clientes do Bradesco relatam instabilidade no aplicativo de internet banking

O aplicativo do Bradesco para pessoa física apresentou problemas na manhã desta segunda-feira, 6. Com o isolamento social, muitos clientes tiveram de fazer as transações via celular

Recuperação intranquila

Ibovespa passa por instabilidade com possível demissão de Mandetta, mas ainda fecha em alta firme

O Ibovespa terminou a sessão com ganhos de mais de 6%, mas ainda assim ficou distante das máximas e aquém das bolsas americanas. Tudo por causa das incertezas relacionadas à permanência do ministro da Saúde no cargo

Números atualizados

Brasil tem 553 mortes e 12 mil casos confirmados do novo coronavírus

Brasil chegou a 553 mortes em razão da pandemia do coronavírus, segundo atualização do Ministério da Saúde. Número representa um aumento de 13%

Fundos

Comprada em bolsa nos EUA, Verde Asset diz que volta de preços ocorrerá ‘mais rápido do que muitos imaginam’

Mercado já colocou nos preços uma brutal queda de lucratividade das empresas, que será revertida ao longo dos próximos anos, segundo a gestora

Não tem pra todo mundo

‘Não há como ajudar todos os setores’, diz presidente do Santander

Presidente do Santander Brasil, Sergio Rial afirmou que deve-se evitar que mais setores venham buscar dinheiro no governo por conta da crise

Premiê com covid-19

Boris Johnson, primeiro-ministro do Reino Unido, dá entrada em UTI

Primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, deu entrada em uma unidade de terapia intensiva após a piora no seu quadro médico, disse a BBC

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements