Menu
Matheus Spiess
Insights Assimétricos
Matheus Spiess
É economista e editor da Empiricus
Dados da Bolsa por TradingView
2020-11-10T11:02:19-03:00
Insights assimétricos

Com Biden, acabou a era do dólar forte?

Entendo que o movimento de desvalorização do dólar possa ser repetido não só nos próximos dois meses, mas também durante o governo Biden como um todo

10 de novembro de 2020
6:50 - atualizado às 11:02
Biden
Joe Biden, presidente americano - Imagem: Shutterstock

Durante o fim de semana, o democrata Joe Biden foi declarado vencedor das eleições americanas. Ainda que a vitória do candidato seja contestada e que haja também a recontagem dos votos em alguns estados, Biden já foi congratulado por diversos líderes mundiais. Os mercados já estão precificando Biden no comando da semana passada para esta. E o que aconteceu? O dólar acentuou seu movimento ladeira abaixo.

Ainda que o resultado formal das eleições leve mais tempo para sair do que o previsto, a verdade é que pouco da contestação de Donald Trump de fato se baseia em fatos e provas concretas; logo, boa parte de suas alegações de fraude eleitoral derivam somente de um narcisismo exuberante, de quem se recusa a perder.

O novo cenário dos mercados é de uma presidência de Joe Biden e uma manutenção da balança de poder no Congresso (Câmara democrata e Senado republicano). Além, claro, de outras novidades recentes, como a possibilidade de reabertura das economias, com a eclosão de boas notícias relacionadas com vacinas ao redor do mundo.

Abaixo, um gráfico com os movimentos dos mercados durante o processo de recontagem dos votos em 2000. Note como o dólar, que havia apresentado um forte desempenho durante o ano, perdeu ímpeto e caiu 2% em relação ao euro no mês seguinte à eleição.

Entendo que o movimento de desvalorização do dólar possa ser repetido não só nos próximos dois meses, mas também durante o governo Biden como um todo.

Depois de um grande bull market da moeda americana nos últimos anos, 2020 foi o momento em que o mercado passou a questionar a força soberana da divisa. Já vínhamos questionando a força do dólar ao longo do ano, norteados principalmente pelo expansionismo fiscal e monetário sem precedentes na história. Agora, com a presidência de um multilateralista, soma-se o fluxo de dólares para outras regiões do mundo, no fomento do comércio mundial.

Veja abaixo a performance do euro versus o dólar (EUR / USD) antes e depois das eleições americanas. O euro deve continuar subindo daqui em diante – pelo menos de acordo com o padrão das eleições presidenciais dos EUA desde o ano 2000.

As forças que pesam contra o dólar

Dois fatores, portanto, levam a uma desvalorização do dólar:

  1. Impressão de dinheiro nos EUA: a expansão da base (oferta) monetária por meio dos estímulos do governo e do Fed (banco central dos EUA), desvalorizando a moeda;
  2. Migração de capital para emergentes: o fluxo de dólares para o resto do mundo, principalmente para países emergentes, devido ao multilateralismo comercial.

Ademais, poderíamos ainda argumentar que os democratas tenderiam a um maior gasto do Estado, expandindo ainda mais o estímulo fiscal. A aparente vitória até aqui dos republicanos no Senado, contudo, limita um pouco da atuação democrata nesse sentido.

Destaque aqui, como podemos ver abaixo, para os países emergentes. Existem várias apostas que podem rapidamente se materializar nos próximos meses devido à presidência de Biden, sendo a de moedas dos países emergentes uma das mais óbvias.

Emergentes voltam ao radar

A verdade é que nós, emergentes, ainda estamos muito baratos em comparação às grandes economias mundiais (moedas do G10). Nas últimas décadas, a diferença entre as grandes potências e os grandes países emergentes não foi relevante, como podemos ver acima.

Nesse caso, há um potencial para um catch-up das moedas emergentes. O movimento é ainda maior se você considerar que o dólar entrou em uma tendência estrutural de queda – fatores fortes de desvalorização para os próximos anos, conforme já argumentado.

Os mercados não são bobos e, justamente por isso, o MSCI Latam tem sido um dos queridinhos desde o dia das eleições, na última terça-feira. Pode ser uma excelente oportunidade para fortalecer suas posições locais e, em termos internacionais, em países emergentes – Ásia e América Latina são cavalos bem óbvios para surfar esta onda.

Como eu posso lucrar com isso?

Imagine o que deve acontecer com a bolsa brasileira quando chegar esse capital todo que vem de fora. Sim, é possível que o Brasil veja um rali de fim de ano nos mercados. Isso já começou a acontecer, basta olhar para a disparada do Ibovespa em novembro.

Se você está interessado em aproveitar este movimento, deixo aqui o link com mais informações sobre o rali de fim de ano. Você também vai encontrar orientações sobre como investir e quais ações comprar para se beneficiar da possível alta dos mercados emergentes.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

o melhor do seu dinheiro

Economia mundial: Um drama em dois atos

Os dois principais palcos da economia mundial estão com peças bem distintas em cartaz, mas ambas têm roteiros carregados de dramas que convergem um ao outro. Na maior economia do mundo, o mercado de juros volta a ficar pressionado após alguns meses de quase estabilidade. As últimas indicações do Federal Reserve sobre o rumo da […]

ficou para depois

Com maior aversão ao risco, Bluefit confirma adiamento de IPO

Adiamento é valido por um período de até 60 dias úteis contados a partir de 24 de setembro; empresa citou “condições de volatilidade no mercado de capitais”

estatal do RS

Privatização da Corsan, com IPO na B3, terá assessoria do BNDES

Primeiro serviço prestado pelo banco deve ser o de fornecer metodologia para seleção das instituições financeiras que coordenarão a abertura de capital

diversificação

Westwing compra Zarpo Viagens, ampliando lifestyle

Empresa adquirida trabalha em parceria com hotéis, resorts, pousadas e companhias aéreas; valor da operação não foi revelado

FECHAMENTO DO DIA

China e Estados Unidos aumentam cautela dos mercados globais e Ibovespa amarga queda de 3%; dólar avança

Apesar da Petrobras ter mais uma vez protagonizado atritos no cenário local, os maiores focos de cautela vieram do exterior e o Ibovespa acompanhou o ritmo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies