Menu
2020-09-23T11:59:39-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
de olho na expansão

Após queda de 40% desde IPO, XP vê potencial para que ações de novata da bolsa dobrem de valor

Para a XP Investimentos, o comprometimento da rede de farmácias com a expansão e melhoria operacional nos próximos anos abre possibilidade para que as ações se valorizem 105% em um ano

21 de setembro de 2020
12:10 - atualizado às 11:59
d1000
Imagem do IPO da d1000 - Imagem: Reprodução/B3

A "sorte de principiante" não tem agido em favor da d1000 (DMVF3), rede de farmácias populares que estreou na bolsa de valores há pouco mais de um mês.

Após precificar as suas ações no piso da faixa indicativa, a R$ 17, a companhia tinha visto os seus papéis desvalorizarem cerca de 41% desde então, com base na última sexta-feira (18), ocasião em que terminou o pregão cotada a R$ 10.

Os analistas da XP Investimentos, uma das coordenadoras da oferta que levantou R$ 460,1 milhões, no entanto, estão otimistas com o potencial exibido pela companhia.

Em relatório que deu o pontapé inicial na cobertura dos papéis da d1000, a corretora não só trouxe a recomendação de compra como também disse enxergar um potencial para que as ações dobrem de valor em um ano.

Hoje, os papéis da d1000 saltaram na bolsa: eles encerraram o dia em alta de 15%, a R$ 11,50, refletindo a visão da corretora.

Nona maior varejista farmacêutica do país, a d1000, que é fruto de três aquisições realizadas desde 2013 pela Profarma, conta hoje com 188 lojas em quatro estados e 0,9% de participação no mercado. O plano da companhia de dobrar o seu número de lojas em apenas 5 anos é um dos principais motivadores para as perspectivas positivas da XP pós-IPO.

Em relatório assinado pelo analista Pedro Fagundes, a corretora explica que a d1000 está pronta para acelerar o seu processo de expansão. Do total arrecadado na oferta inicial de ações, 30% devem ser utilizados para financiar o processo de abertura de novas lojas, com o restante destinado a otimizar a estrutura de capital da empresa.

O esperado é que a rede de farmácias abra 220 lojas entre 2021 e 2025, principalmente no estado do Rio de Janeiro, com foco no atendimento de pessoas de baixa renda. Para Fagundes, as novas unidades podem ter um impacto de 17% no crescimento médio ao ano da receita entre 2019 e 2023.

Outro fator destacado no relatório é o continuado processo de recuperação operacional que está em vigor desde as primeiras aquisições feitas pela Profarma, com foco na melhoria da produtividade, fechando unidades que apresentam resultados fracos. Para a XP, esse ajuste já está quase concluído.

Com a queda de mais de 41% desde o IPO, a XP enxerga um risco-retorno assimétrico. Entre os principais fatores de risco estão a capacidade da gestão em dobrar o número de lojas em cinco anos, o aumento da concorrência no formato popular e a falta de liquidez ainda observada na negociação dos papéis da companhia.

"Hoje vemos as ações sendo negociadas a um múltiplo P/L de 14,8x em 2021e, um desconto de 40% em relação à média de nossa cobertura de varejo. Em nosso preço-alvo, as ações seriam negociadas a um EV/EBITDA de 15,3x em 2021e e P/L de 30,4x."

As projeções feitas pela corretora para 2021 mostram uma expectativa de receita líquida de R$ 1,3 bilhão, um Ebitda de R$ 62 milhões e lucro líquido de R$ 34 milhões.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Fechamento

Dólar sobe, Eletrobras fecha em queda no exterior e ações de tecnologia sustentam alta de índices nos EUA

Renúncia de Ferreira Junior ao cargo de presidente da estatal brasileira afeta confiança dos investidores na privatização; S&P 500 e Nasdaq fecham em alta

SD PREMIUM

Segredos da bolsa: Ata do Copom é destaque em meio à preocupação com covid-19 e cenário fiscal

A queda do EWZ, o principal fundo de índice com ações brasileiras em Nova York, indica uma reabertura no vermelho para o Ibovespa na volta do feriado

Futuro da estatal

‘Temos dentro da Eletrobras profissionais capazes de me suceder’, diz Wilson Ferreira

Após deixar presidência, Wilson Ferreira responde se há conflito de interesse ao se manter no conselho da Eletrobras e, ao mesmo tempo, presidir a BR Distribuidora

Expectativas

Novo presidente da Eletrobras (ELET3) deve dar prioridade à privatização, diz Caio Megale

Após saída de Wilson Ferreira, analista afirma que ‘a privatização da Eletrobras tem sua importância pela sua situação atual e pelo seu grau de maturidade (para ser privatizada)’

Reformas

‘Vamos limpar a pauta, destravando o horizonte de investimentos’, diz Paulo Guedes

Ministro prometeu que o governo não irá aumentar impostos e reforçou que a atividade está se recuperando em ‘V’

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies