Menu
2020-03-25T20:31:58-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Crise do coronavírus

Rogério Xavier, da SPX Capital, fala em queda de 5% do PIB neste ano

Está na hora de o Brasil encarar o problema como se tivesse numa guerra para combater os efeitos rápido, afirmou o sócio da SPX, que possui R$ 40 bilhões sob gestão

25 de março de 2020
20:25 - atualizado às 20:31
Rogério Xavier, sócio-fundador da SPX Capital
Rogério Xavier, sócio-fundador da SPX Capital - Imagem: Divulgação/Santander

Nas condições atuais, a economia brasileira pode sofrer uma contração de 5% neste ano diante do choque do coronavírus. A estimativa foi dada na noite de hoje por Rogério Xavier, sócio-gestor da SPX Capital.

“Está na hora de o Brasil encarar o problema como se tivesse numa guerra para combater os efeitos rápido”, afirmou Xavier, que participou de uma transmissão ao vivo no YouTube com André Esteves, sócio-fundador do BTG Pactual.

Para o sócio da SPX, que possui R$ 40 bilhões sob gestão, as autoridades brasileiras estão “passos atrás” nas ações para conter os impactos do coronavírus na economia.

A projeção do sócio da SPX para o PIB brasileiro em 2020 é bem mais pessimista que a da maioria do mercado, que já aponta uma retração da economia neste ano. Ele afirmou que o impacto do coronavírus será superior ao dos anos de recessão enfrentados pelo país.

“Para nós, tem mercado todo dia. Mas o cara que está com o restaurante fechado não tem o tempo que a gente tem.” – Rogério Xavier, SPX Capital

Xavier disse a recuperação do país depende das ações que tomar hoje. “As medidas me parecem modestas diante de crise que temos pela frente.”

Xavier defendeu o uso de recursos públicos para atenuar os efeitos da crise, o que tem como efeito colateral o aumento do endividamento.

Isso significa que, se as coisas não estão fáceis hoje, não ficarão muito melhores lá na frente. Ele acredita que, em algum momento na retomada da economia, o país precisará elevar a carga tributária para fechar as contas. “Estamos vendendo o futuro para pagar o presente.”

Selic e dólar

Embora defenda uma ação mais efetiva do Tesouro e do Banco Central na crise, o sócio da SPX se disse contrário a novos cortes da taxa básica de juros (Selic), atualmente em 3,75% ao ano.

Para ele, uma redução mais agressiva pode ter um efeito contrário, com a alta dos juros futuros no mercado, o que encareceria o crédito, e alta do dólar.

Sobre a moeda norte-americana, Xavier afirmou que a combinação de fatores que levou à disparada recente continua presente, como a queda da Selic, que diminuiu o diferencial de juros entre o Brasil e as economias desenvolvidas, e a piora nas contas externas do país.

Para ele, a trajetória do câmbio vai depender da condução das autoridades em meio à crise do coronavírus. “Não vou ser apocalíptico pra dizer q dólar vai continuar subindo, mas ter na cabeça se não tiver consensos coisa pode ficar bem ruim.”

*Conteúdo em atualização

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

efeitos da crise

BCE adia revisão de estratégia política monetária para 2021

Eventos públicos do BCE e dos bancos centrais nacionais do Eurosistema que estavam planejados para o primeiro semestre deverão ocorrer apenas na segunda metade de 2020

Conteúdo Patrocinado

De volta ao jogo: Ivan Sant’Anna retorna para a bolsa

A volta do Ivan é algo como se o Michael Jordan voltasse hoje a jogar na NBA, ou se o Fenômeno retornasse ao futebol nesta semana.

esquenta dos mercados

Esperança com resolução para crise do petróleo anima mercados, mas covid-19 segue no radar

Mesmo com o alívio das bolsas do exterior, os investidores seguem monitorando os números de casos de covid-19 e as medidas do governo para suporte da população

expectativa

Acredito que Rússia e Arábia Saudita farão acordo sobre petróleo, diz Trump

Republicano confirmou que se encontrará com empresas petrolíferas nesta sexta-feira, 3

diante da crise

Câmara aprova projeto que permite adiar recolhimento de INSS de funcionários

Proposta prevê que as companhias deixem de recolher a contribuição previdenciária dos trabalhadores por 60 dias, prorrogáveis por mais 30

medida emergencial

Governo permite redução salarial de até 70% e suspensão de contratos

Governo pagará uma parte do seguro-desemprego a que o trabalhador teria direito se fosse demitido; empresas sob os regimes de lucro real e lucro presumido, com receita bruta acima de R$ 4,8 milhões, serão obrigadas a arcar com 30% do salário do funcionário para poder suspender o contrato

Entrevista exclusiva

Truxt reabre fundos para captação com foco em ações de “sobreviventes” na B3

Queda generalizada de ações abre oportunidade de compra, mas recuperação das bolsas nos EUA deve ocorrer primeiro, me disse José Tovar, CEO da gestora que possui R$ 12 bilhões em patrimônio

IR 2020

Como declarar ações no imposto de renda

Declarar ações no imposto de renda não é trivial, e não é na hora de declarar que você deve recolher o imposto sobre o investimento. Felizmente a pessoa física conta com um limite de isenção. Saiba todos os detalhes sobre como declarar a posse, compra, venda, lucros e prejuízos com ações no IR 2020

Medidas anticrise

Bolsonaro sanciona MP da renda básica emergencial

Nova lei prevê pagamento de R$ 600 a trabalhadores informais

Sem JCP

Localiza adia pagamento de R$ 67 milhões em juros sobre capital próprio para 2021

Adiamento é uma resposta aos impactos do coronavírus nos negócios da companhia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements