Menu
2020-03-25T20:31:58-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Crise do coronavírus

Rogério Xavier, da SPX Capital, fala em queda de 5% do PIB neste ano

Está na hora de o Brasil encarar o problema como se tivesse numa guerra para combater os efeitos rápido, afirmou o sócio da SPX, que possui R$ 40 bilhões sob gestão

25 de março de 2020
20:25 - atualizado às 20:31
Rogério Xavier, sócio-fundador da SPX Capital
Rogério Xavier, sócio-fundador da SPX Capital - Imagem: Divulgação/Santander

Nas condições atuais, a economia brasileira pode sofrer uma contração de 5% neste ano diante do choque do coronavírus. A estimativa foi dada na noite de hoje por Rogério Xavier, sócio-gestor da SPX Capital.

“Está na hora de o Brasil encarar o problema como se tivesse numa guerra para combater os efeitos rápido”, afirmou Xavier, que participou de uma transmissão ao vivo no YouTube com André Esteves, sócio-fundador do BTG Pactual.

Para o sócio da SPX, que possui R$ 40 bilhões sob gestão, as autoridades brasileiras estão “passos atrás” nas ações para conter os impactos do coronavírus na economia.

A projeção do sócio da SPX para o PIB brasileiro em 2020 é bem mais pessimista que a da maioria do mercado, que já aponta uma retração da economia neste ano. Ele afirmou que o impacto do coronavírus será superior ao dos anos de recessão enfrentados pelo país.

“Para nós, tem mercado todo dia. Mas o cara que está com o restaurante fechado não tem o tempo que a gente tem.” – Rogério Xavier, SPX Capital

Xavier disse a recuperação do país depende das ações que tomar hoje. “As medidas me parecem modestas diante de crise que temos pela frente.”

Xavier defendeu o uso de recursos públicos para atenuar os efeitos da crise, o que tem como efeito colateral o aumento do endividamento.

Isso significa que, se as coisas não estão fáceis hoje, não ficarão muito melhores lá na frente. Ele acredita que, em algum momento na retomada da economia, o país precisará elevar a carga tributária para fechar as contas. “Estamos vendendo o futuro para pagar o presente.”

Selic e dólar

Embora defenda uma ação mais efetiva do Tesouro e do Banco Central na crise, o sócio da SPX se disse contrário a novos cortes da taxa básica de juros (Selic), atualmente em 3,75% ao ano.

Para ele, uma redução mais agressiva pode ter um efeito contrário, com a alta dos juros futuros no mercado, o que encareceria o crédito, e alta do dólar.

Sobre a moeda norte-americana, Xavier afirmou que a combinação de fatores que levou à disparada recente continua presente, como a queda da Selic, que diminuiu o diferencial de juros entre o Brasil e as economias desenvolvidas, e a piora nas contas externas do país.

Para ele, a trajetória do câmbio vai depender da condução das autoridades em meio à crise do coronavírus. “Não vou ser apocalíptico pra dizer q dólar vai continuar subindo, mas ter na cabeça se não tiver consensos coisa pode ficar bem ruim.”

*Conteúdo em atualização

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Comprar ou vender, eis a questão

Brasil vira mercado “inoperável” com “risco Bolsonaro” e ameaças ao teto de gastos, dizem gestores de fundos

O cenário piorou com a intervenção nas estatais e o risco fiscal, mas nos patamares atuais fica muito arriscado apostar contra o país, segundo gestores de fundos

O melhor do seu dinheiro

Alguém chame os bombeiros

Hoje tivemos mais um dia de grande volatilidade nos mercados brasileiros, que entraram em parafuso com o temor de que o teto de gastos poderia vir a ser furado. Os investidores aguardam com grande ansiedade a votação da PEC Emergencial, aquela que permitirá o retorno do auxílio emergencial. E rumores de que ela seria desidratada […]

FECHAMENTO

Em dia de alta volatilidade, Lira salva Ibovespa de um fiasco e segura o dólar em R$ 5,66

A volatilidade reinou absoluta nesta quarta-feira (03) e mais uma vez Brasília foi responsável por movimentar os negócios no Brasil. Lá fora, o dia foi de cautela com a alta dos juros futuros

Luz no fim do túnel?

Ministério da Saúde avança em negociações com laboratórios para comprar vacinas

A declaração do MS foi dada pelo titular da pasta, Eduardo Pazuello, em reunião com a Confederação Nacional de Municípios (CNM).

Crypto News

Bitcoin para leigos e descrentes também

Descrever algo tão complexo como o Bitcoin exige repertório, dedicação e um pouco de sedução de quem apresenta.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies