Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-11-24T08:33:42-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
esquenta dos mercados

Otimismo com vacina e preocupação com situação fiscal se chocam nos mercados

Na agenda, o destaque fica com a divulgação do IPCA-15, prévia da inflação, e dados da arrecadação federal.

24 de novembro de 2020
8:25 - atualizado às 8:33
Selo Mercados Touro e Urso
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Depois de algumas semanas turbulentas, a transição de poder nos Estados Unidos parece finalmente estar caminhando para um desfecho positivo e mais tranquilo. A situação mais estável deve aliviar os agentes do mercado, que também mostram otimismo com o avanço de possíveis vacinas contra o coronavírus.

O clima de otimismo no exterior, no entanto, esbarra com uma onda de aversão ao risco no Brasil. Os investidores locais seguem pesando as incertezas em torno da situação fiscal do país, o que pode se refletir nos negócios - principalmente no câmbio. Na agenda, o destaque fica com a divulgação do IPCA-15, prévia da inflação, e dados da arrecadação federal.

Tudo para cima

O principal índice da bolsa brasileira, o Ibovespa, já acumula ganhos superiores a 14% em novembro.

Impulsionado pelas notícias positivas em torno da possibilidade de uma vacina e pela entrada de dinheiro estrangeiro, o índice fechou no maior patamar desde fevereiro, após subir 1,3%, aos 107.380 pontos

Com a vacina no horizonte, os investidores voltam a olhar com mais carinho para os setores mais tradicionais da bolsa. No pregão de ontem, Petrobras, Petrorio, BRF, CSN e Usiminas lideraram os ganhos do índice.

No mercado de câmbio, no entanto, a situação foi um pouo diferente.

Em escala global, o dólar tem apresentado uma tendência de descompressão após a vitória do democrata Joe Biden nas eleições presidenciais americanas. No entanto, o cenário de preocupação com a situação fiscal brasileira pesou sobre a cotação do ativo, já que funciona como uma segurança para tempos mais incertos.

O mercado vê com maus olhos a demora no andamento das pautas econômicas no Congresso. Em participação em uma live ontem, o ministro Paulo Guedes admitiu atraso nos planos e disse que o governo não conseguiu se entender para acelerar questões como as privatizações.

O repique no número de casos do coronavírus no país é outra preocupação, já que levanta a possibilidade de uma prorrogação do auxílio emergencial.

Jogando a toalha

As últimas semanas vêm sendo de derrotas para o presidente americano Donald Trump. Após tentar contestar o resultado das eleições na justiça, sem sucesso, Trump parece ter jogado a toalha e autorizou que a transição para a equipe de Joe Biden começasse.

Ainda falando de política, o presidente eleito americano deve confirmar Janet Yellen, ex-presidente do Federal Reserve, como secretaria do Tesouro, o que anima Wall Street.

Além de um cenário político mais estável, o mercado também segue impulsionado pelas boas notícias com relação ao surgimento de uma vacina contra a covid-19. Ontem foi a vez da AstraZeneca alimentar as esperanças de todos, ao afirmar que a eficácia da sua vacina pode chegar a 90% e ainda possui a vantagem de ser facilmente armazenada.

A aparente calmaria se reflete nos negócios. As bolsas asiáticas fecharam em alta durante a madrugada. No começo da manhã, os índices futuros em Wall Sreet e as principais praças europeias operam no azul.

Agenda

Os investidores locais estão de olho na inflação nesta terça-feira (24). A estimativa é de que o IPCA-15 (9h) rompa o centro da meta do ano, que é de 4%.

Às 10h30, é hora de conhecer os números da arrecadação federal de outubro. As projeções indicam uma alta, mas ainda insuficiente para cobrir o aumento de despesas do governo federal.

No exterior, o destaque fica com a divulgação do índice de confiança do consumidor em novembro (11h).

Fique de olho

  • A Cyrella fará pagamento de dividendos mínimo obrigatório, em uma única parcela, no dia 17/12.
  • A Sulamérica anunciou aumento de capital no valor de R$ 300 milhões, com bonificação de ações.
  • Depois de sofrer uma queda significativa e ver diversas empresas condenando os acontecimentos recentes, o Carrefour Brasil anunciou um fundo de R$ 25 milhões para a promoção da inclusão racial e combate ao racismo, após a morte de um homem negro dentro de uma unidade. A rede também cancelou ações promocionais nas redes sociais.
  • A Ânima anunciou nova oferta restrita de ações, que pode captar até R$ 1,1 bilhão
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Fusão cheia de travas

Na Omega Geração (OMGE3), um grupo importante de acionistas está descontente — e quer barrar os planos da empresa

Fundos detentores de 28,6% da Omega Geração (OMGE3) se uniram e dizem que não vão aprovar a fusão com a Omega Distribuição nos termos atuais

Potencial de 36% de alta

Como fica a XP após a separação do Itaú? Para o JP Morgan, é hora de comprar as ações da corretora

A equipe do JP Morgan vê as pressões vendedoras nas ações da XP após a separação com o Itaú se dissipando; assim, a recomendação é de compra

Digitalização

A hora e a vez do e-commerce: com pandemia, comércio online mais que dobra e já chega a 21% das vendas do varejo

O fechamento das lojas físicas promovido pela pandemia fez o setor de varejo acelerar a aposta no e-commerce e nas vendas digitais

A bolsa como ela é

Stone, Inter e Méliuz caem forte na bolsa. É o fim das fintechs como as conhecemos?

Muito desse movimento tem a ver com a subida dos juros. Mas alguns fatores específicos também pesaram sobre as ações. Em alguns casos, pesaram com razão; em outros, nem tanto

Ajuste seu relógio

Pregão terá uma hora a mais a partir de novembro; entenda a mudança e veja a nova agenda da bolsa

As alterações começam a valer a partir do dia 8 de novembro; a B3 vai ajustar a bolsa para refletir o fim do horário de verão nos EUA

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies