🔴 ESTA CRIPTOMOEDA DISPAROU 4.200% EM 2 DIAS – VEJA SE VALE INVESTIR

Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
TCHAU, BOLSA

SPX Capital zera posições relevantes na bolsa brasileira em meio à crise

Gestora de Rogério Xavier diminuiu a expectativa de inflação em 2020 de 3,4% para 2,1%. Ainda assim, não considera recomendável cortes adicionais na Selic

Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
10 de abril de 2020
16:19 - atualizado às 17:24
Rogério Xavier, sócio da SPX
Rogério Xavier, sócio da SPX, durante evento promovido pela XP Investimentos - Imagem: Divulgação/XP

Com o agravamento da crise do coronavírus, a SPX Capital, do gestor Rogério Xavier, deixou de ter posições relevantes na bolsa brasileira. A informação está na carta mais recente aos investidores da gestora, que possui R$ 40 bilhões em patrimônio.

Em fevereiro, a SPX contava com posições compradas em empresas dos setores financeiro, concessionárias de serviços públicos (utilities) e consumo na B3.

A gestora pintou um panorama bem desfavorável para a economia brasileira diante da pandemia e cortou a projeção para o PIB deste ano de um crescimento de 1% para uma contração de 5%.

A SPX também diminuiu a expectativa de inflação em 2020 de 3,4% para 2,1%. Ainda assim, não considera recomendável cortes adicionais da taxa básica de juros (Selic).

A recessão da economia e o cenário de inflação benigno em tese abrem espaço para uma redução dos juros.

Na outra ponta, porém, a piora fiscal, a fuga de capitais e a alta das taxas longas de juros podem piorar com um corte maior, segundo a SPX, que estima a alta dívida bruta do país para mais de 90% do PIB.

“Baratear ainda mais o custo do dinheiro pode trazer mais pressão para a moeda americana, gerando turbulências e possível desancoragem das expectativas de inflação” – SPX Capital, carta aos investidores.

Na visão da SPX, o esforço comandado por bancos centrais e governos para reanimar a economia nocauteada pelo vírus é certamente um dos mais ousados experimentos de políticas públicas da história.

Com os sucessivos programas de compras de ativos e empréstimos, o balanço do Federal Reserve (BC dos Estados Unidos) irá aumentar de US$ 4,2 trilhões em fevereiro de 2020, para US$ 12,5 trilhões em julho, nas projeções da gestora.

Na China, primeiro foco da epidemia, a SPX espera uma contração de 14% da economia no primeiro trimestre. “Embora a atividade econômica mostre sinais de recuperação, há enorme incerteza quanto ao ritmo da retomada.”

Principais posições

No mês de março, o SPX Nimitz rendeu 0,19%, abaixo do CDI de 0,34%, mas ainda assim um desempenho bem melhor do que a média dos fundos multimercados.

O índice calculado pela Anbima (IHFA) que reúne o desempenho dos principais fundos da indústria apresentou uma queda de 6,24% em março.

A gestora segue com posições reduzidas no mercado de juros e está vendida em moedas de países emergentes, mas não especifica se aposta em uma desvalorização ainda maior do real frente ao dólar.

No mercado acionário internacional, está comprada nos setores de consumo básico, saúde, tecnologia e algumas empresas defensivas do setor industrial, e vendida em índices e setores que considera mais frágeis, como varejo, energia e automotivo.

Em commodities, a SPX aposta na alta dos metais preciosos – como o ouro –e está vendida nos metais industriais. “Temos ainda alocações favoráveis à queda de preços no setor de energia. Já no mercado de agrícolas, permanecemos vendidos em grãos.”

A gestora possui ainda títulos de dívida no mercado latino-americano em nomes específicos, com instrumentos de hedge (proteção) para as posições.

Você pode ler a íntegra da carta de março da SPX aqui.

Compartilhe

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa cai 3% na semana com peso da política monetária dos EUA e Petrobras (PETR4); dólar sobe a R$ 5,16

24 de maio de 2024 - 17:38

RESUMO DO DIA: A semana que parecia não ter fim acabou, mas sem alívio nos mercados: o Ibovespa completou seis pregões consecutivos de queda. O principal índice terminou o dia com baixa de 0,34%, aos 124.305 pontos. Na semana, o recuo acumulado foi de 3%. Já o dólar à vista avançou 0,27% ante o real […]

DESTAQUES DA BOLSA

Os números do PagBank (PAGS34) que ‘brilharam’ os olhos dos analistas e fazem as ações subirem na B3 e em NY 

24 de maio de 2024 - 14:53

A companhia teve um lucro líquido recorrente de R$ 522 milhões no primeiro trimestre, um crescimento de 33% na base anual

FUNDOS IMOBILIÁRIOS HOJE

Alianza Trust (ALZR11) fecha compra de imóveis do Oba Hortifruti; veja se há impacto nos dividendos do fundo imobiliário

24 de maio de 2024 - 11:47

A operação foi realizada na modalidade de “sale & leaseback”. Ou seja, os ativos serão locados pelo próprio vendedor

COMO SE ESPERAVA

Conselho de administração aprova e Magda Chambriard assume a presidência da Petrobras (PETR4)

24 de maio de 2024 - 9:41

Reunião do conselho de administração da Petrobras ocorreu na manhã desta sexta-feira; Magda Chambriard sucede Jean Paul Prates à frente da empresa

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Petrobras (PETR4) e mau humor de Nova York pesam e Ibovespa cai pela quinta vez consecutiva; dólar tem leve queda 

23 de maio de 2024 - 17:33

RESUMO DO DIA: O Ibovespa até tentou romper o ciclo de quedas, mas a aversão ao risco dominou os investidores após dados econômicos mais fortes que o esperado nos Estados Unidos. Pela quinta vez consecutiva, o principal índice da bolsa brasileira fechou em queda de 0,74%, aos 124.729 pontos. O dólar fechou próximo da estabilidade […]

GRUPO DOS EXCLUÍDOS

B3 enquadra Infracommerce (IFCM3) para abandonar a condição de ‘penny stock’, mas solução ainda não foi encontrada  

23 de maio de 2024 - 10:35

Entre o período de 22 de março e 7 de maio deste ano, a dona da bolsa de valores acompanhou as cotações da companhia

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa cai 1% e volta aos 125 mil pontos com NY após ata do Fed; dólar sobe a R$ 5,15

22 de maio de 2024 - 17:10

RESUMO DO DIA: Os olhos dos investidores ficaram concentrados no exterior com a ata da última reunião do Federal Reserve (Fed). Por aqui, o Ibovespa acompanhou a deterioração das bolsas de Nova York, além da repercussão do noticiário corporativo local — que segue agitado com o fim da temporada de balanços. O índice terminou o […]

DESTAQUES DA BOLSA

Por que as ações da XP despencam 15% após o balanço do primeiro trimestre?

22 de maio de 2024 - 12:17

A corretora reportou lucro líquido de R$ 1 bilhão no período, alta de 29% ante os R$ 796 milhões registrados no início do ano passado

AÇÃO ESTÁ CARA?

XP tem apenas um motivo para rebaixar a recomendação das ações da Embraer (EMBR3) — e é por causa de uma assimetria

22 de maio de 2024 - 11:54

Para os analistas, a companhia deixou de atravessar os céus abertos e atingiu a ‘altitude de cruzeiro’ neste momento

EM BUSCA DE SALVAÇÃO

Unidas por Lemann? Americanas (AMER3) propõe grupamento de ações para deixar de ser ‘penny stock’ e abre espaço para aumento bilionário de capital

22 de maio de 2024 - 10:35

Na última terça-feira (21), as ações fecharam a R$ 0,53 na B3; veja o que muda para o acionista

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar