Menu
2020-03-12T19:29:24-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Mercado em pânico

Risco-país dispara e atinge nível do período pré-eleições presidenciais

Risco-Brasil medido pelo CDS de cinco anos dispara mais de 100 pontos nesta manhã, para maior nível desde agosto de 2018. Juros futuros fecharam em forte alta

12 de março de 2020
11:58 - atualizado às 19:29
Notas de real e gráfico
Imagem: Shutterstock

O risco-país disparou na quinta-feira (12). O Credit Default Swap (CDS) de cinco anos do Brasil, título que funciona como uma espécie de seguro contra o risco do país, subiu mais de 100 pontos e bateu 352 pontos às 12:00. No fim da noite de ontem, o CDS estava em 225 pontos.

Trata-se do maior patamar desde agosto de 2018, quando as incertezas em torno das eleições presidenciais brasileiras elevou o risco-país. Às 16:51, o indicador do risco país estava em 309 pontos.

Os juros futuros brasileiros dispararam nesta quinta-feira, depois que o Congresso impôs uma derrota importante ao governo, derrubando o veto do presidente Jair Bolsonaro à ampliação do Benefício de Prestação Continuada (BPC), criando um gasto adicional de R$ 20 bilhões neste ano no orçamento federal.

Às 16:43, os juros futuros com vencimento em janeiro de 2021 subiam para 4,81%, ante 4,215% ontem; os juros para janeiro de 2022 operavam em alta de 5,032% para 5,98%; e os juros para janeiro de 2027 avançavam de 7,602% para 8,46%. Tais patamares representam uma precificação de elevações na Selic ainda neste ano, embora boa parte do mercado ainda acredite em novos cortes.

A volatilidade do mercado de juros está tão forte que o Tesouro Direto nem chegou a abrir e o Tesouro Nacional começou a intervir no mercado com leilões de recompra de títulos.

Os juros, no entanto, já vinham pressionados por causa da disparada do dólar e aumento da aversão a risco devido ao avanço do coronavírus. Os mercados de ações operam em queda no mundo todo depois que o presidente americano Donald Trump suspendeu viagens entre Estados Unidos e Europa, e o Banco Central Europeu (BCE) manteve as taxas de juros inalteradas, surpreendendo os investidores, que esperavam corte.

A bolsa brasileira acionou o circuit breaker duas vezes pela manhã, depois de cair 10% e depois 15%. O "botão de pânico" da bolsa paralisa as negociações quando a volatilidade atinge níveis muito altos.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Quarentena

Trump estende distanciamento social por coronavírus nos EUA até 30 de abril

Na semana passada, o presidente dos EUA havia sugerido que poderia “reabrir” a economia americana na Páscoa

Situação excepcional

Ministro do STF Alexandre de Moraes atende governo e relaxa exigências da Lei de Responsabilidade Fiscal

Ao Supremo, a União pedia a relativização das exigências da Lei, devido à situação excepcional do novo coronavírus no País, destacando que o direito à saúde da população deve prevalecer

Balanço

Covid-19: número de mortes por coronavírus no Brasil sobe para 136

Os casos confirmados da doença aumentaram de 3.904 para 4.256. Mantendo o padrão identificado ao longo da semana, 90% tinham mais de 60 anos

Enquanto uns choram, outros vendem lenços

Na contramão do restante da economia, setores essenciais aceleram contratações

Varejistas como supermercados e farmácias, além de hospitais, estão contratando mais diante da pandemia de coronavírus

'rolezinho do presidente'

‘Provocação’ e ‘irresponsabilidade’: parlamentares condenam passeio de Bolsonaro

Saída do presidente aconteceu um dia depois de o ministro da Saúde reforçar medidas de isolamento e pedir que ele não menosprezasse a gravidade da pandemia do novo coronavírus em suas manifestações públicas

Do contra

Bolsonaro cogita decreto que permita volta ao trabalho a todas as profissões

Presidente disse ainda que irá recorrer da decisão judicial que derrubou decreto que permitia funcionamento de lotéricas no Brasil

Mais crédito

BNDES anuncia linha de R$ 2 bi para setor de saúde e prepara medidas para aéreas e setor público

Banco de fomento também fez balanço de medidas anunciadas até agora e reafirmou que será operador de linha de R$ 40 bilhões para pagamento de salários.

Mais paradas

Latam suspende rotas internacionais adicionais até 30 de abril

Em nota, a empresa diz que o valor do bilhete de todos os passageiros com voos cancelados será automaticamente mantido como crédito para futuras viagens

Mais autonomia

Guedes pede estudo para direcionar mais recursos aos municípios que aos Estados para combate ao coronavírus

Em videoconferência promovida pela Confederação Nacional de Municípios, ministro da Economia defendeu maior liberdade para prefeitos disporem de recursos durante combate ao coronavírus

Prioridades

Reabertura do país será decisão de saúde, diz secretário do Tesouro americano

Steven Mnuchin reconhece o aumento do número de desempregados e o declínio do PIB, mas diz que principal objetivo do presidente Donald Trump é a saúde das pessoas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements