Menu
2020-10-30T08:22:04-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
esquenta dos mercados

Com olhar voltado para as eleições americanas e covid-19 pelo mundo, investidores retomam cautela

Eleições e aumento de casos do coronavírus pelo mundo seguem sendo os principais fatores de aversão ao risco. No Brasil, investidores também monitoram clima político

30 de outubro de 2020
8:06 - atualizado às 8:22
Ibovespa mercados queda
Imagem: Shutterstock

A semana chega ao fim como começou, com a aversão ao risco tomando conta do mercado. De olho no crescimento do número de casos de coronavírus na Europa e nos Estados Unidos - com novas medidas de isolamento social anunciadas - e na proximidade das eleições americanas, os investidores voltam a apostar na cautela, depois do alívio observado na sessão de ontem.

No Brasil, o feriado de segunda-feira (02), véspera das eleições americanas, aumenta a tensão. Os investidores locais monitoram o clima político em Brasília e dados do desemprego que serão divulgados hoje.

Virando a mesa

O dia até começou no vermelho, mas o Ibovespa conseguiu devolver parte das perdas do dia anterior ao fim da sessão de ontem.

A recuperação das bolsas americanas e o bom desempenho de Petorbras e Vale - que haviam divulgado os resultados do terceiro trimestre na noite anterior - ajudou a bolsa brasileira a se firmar em alta e terminar o dia avançando 1,27%, aos 96.582,12%. O dólar teve leve alta de 0,09%, cotado a R$ 5,7451.

O avanço maior que o esperado do PIB americano e o número mais baixo de pedidos de seguro-desemprego no país animou os negócios, mesmo que o cenário local siga atribulado com a tensão entre o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

No vermelho

A instauração de novas medidas de isolamento social na Europa - principalmente na Alemanha e França - e a proximidade do fim das eleições nos Estados Unidos segue deixando os mercados no vermelho.

Durante a madrugada, as bolsas asiáticas tiveram quedas superiores a 1%.

E hoje, um novo fator aumenta ainda mais a tendência de aversão ao risco dos últimos dias.

As grandes empresas de tecnologia - Amazon, Alphabet, Apple e Facebook - divulgaram os seus balanços trimestrais na noite de ontem e resultado não agradou. Mesmo com lucro acima do esperado, as empresas passaram a operar em queda firme no after hours em Nova York e devem puxar as baixas do dia. Os índices futuros em Wall Street operam com quedas superiores a 1%.

Na Europa, as bolsas também operam no vermelho, mas apresentaram uma melhora após dados econômicos da região. O Produto Interno Bruto da zona do euro cresceu 12,7%, o da França saltou 18,2% e o da Alemanha teve alta de 8,2% no terceiro trimestre.

Agenda

A agenda de hoje tem a divulgação da Pnad Contínua, com a taxa de desemprego do trimestre passado (9h). O Banco Central também divulga o balanço consolidado do setor público (9h30). Segundo o Broadcast, o desemprego deve subir a 14,2%.

Nos Estados Unidos, o dia reserva a divulgação de dados sobre renda pessoal (9h30) e sentimento do consumidor (11h).

A agenda de balanços corporativos está mais tranquila nesta sexta-feira. No exterior, destaque para ExxonMobil e Chevron.

Balanços

Confira os últimos números divulgados pelas empresas brasileiras.

  • A Suzano Papel e Celulose teve prejuízo líquido de R$ 1,157 bilhão no terceiro trimestre. O valor representa queda de 66,54% na comparação anual.
  • A rede de laboratórios de diagnóstico Fleury apresentou lucro líquido de R$ 132,1 milhões entre julho e setembro, marca 45% maior do que o apresentado um ano antes. A empresa chamou a atenção para o aumento de 15,4% na receita bruta, a R$ 943,8 milhões.
  • A Totvs informou lucro de líquido de R$ 79,311 milhões, em uma queda de 9,3% na comparação anual.
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

em meio à crise

Em reunião com empresários, Bolsonaro defende vacinação e diz não ter preocupação com CPI da Covid

Presidente e ministros participaram de uma videoconferência com o grupo que reúne os 50 maiores grupos privados do País

seu dinheiro na sua noite

Ação da Moura Dubeux caiu 50% desde o IPO. Ficou barata?

O ano de 2020 começou promissor para a economia brasileira e com boas perspectivas para a chegada de novas empresas à bolsa. A temporada de IPOs se iniciou nos primeiros dias de fevereiro, com a estreia da construtora Mitre, seguida da empresa de tecnologia Locaweb. Mais para meados do mês, vimos a abertura de capital […]

ampliação de sortimentos

Lojas Americanas compra Imaginarium e prevê aumentar marcas próprias

Companhia anunciou aquisição do Grupo Uni.co, mas não revelou valores; com negócio, Americanas avança sobre varejo especializado em franquias

FECHAMENTO

Mercado olha desconfiado para Orçamento e Ibovespa acompanha queda do exterior; dólar fica estável

Com a agenda de indicadores esvaziada e a véspera de feriado, os investidores acabaram optando pela cautela

Prioridade na Casa

Câmara aprova requerimento de urgência sobre projeto de privatização dos Correios

A medida permite que a proposta “fure” a fila de votação de projetos e pode agilizar o processo de desestatização

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies