Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-09-30T08:09:17-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
esquenta dos mercados

Com risco fiscal e eleição americana no radar, mau humor persiste nos mercados

O primeiro debate entre Biden e Trump foi categorizado como ‘duro’ pela imprensa internacional e influencia os negócios nesta manhã. No Brasil, Renda Cidadã segue em destaque

30 de setembro de 2020
8:04 - atualizado às 8:09
queda
Imagem: Shutterstock

O dia promete ser de ressaca para os mercados. Lá fora, os investidores repercutem o primeiro debate entre Joe Biden e Donald Trump, candidatos ao posto de chefe da maior economia do mundo, e dados mistos da indústria chinesa. No Brasil, é a questão fiscal que continua roubando a cena, com os investidores esperando um recuo do governo com relação à forma de financiamento do programa Renda Cidadã.

Na agenda, destaque para dados de emprego aqui e nos Estados Unidos. Além disso, é dia de conhecer a leitura final do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre dos EUA.

Quadro fiscal rouba a cena

O pregão desta terça-feira foi marcado pela alta volatilidade e grande preocupação com a situação fiscal do país. Hoje o tema deve continuar sendo o principal foco de atenção dos investidores.

Após comentários do presidente Jair Bolsonaro, o mercado até que tentou se convencer de que o governo poderia recuar na sua decisão de financiar o programa Renda Cidadã com parte do Fundeb e precatórios, mas, no fim, a cautela prevaleceu.

Para os investidores, a proposta apresentada, sem um compromisso com a redução de gastos, configura uma tentativa de pedalada fiscal e até mesmo calote.

Se a fala de Bolsonaro trouxe esperanças, a fala do senador Márcio Bittar, relator do Orçamento de 2021, foi a responsável por azedar o humor do mercado. Bittar afirmou que a proposta segue firme nos moldes apresentados pelo governo.

Com a aventura fiscal do governo puxando o principal índice da bolsa brasileira para baixo, o Ibovespa fechou o dia em queda de 1,15%, aos 93.580,35 pontos - o pior nível desde 16 de junho. O dólar encerrou a sessão em alta de 0,07%, a R$ 5,6393.

Dados mistos

Durante a madrugada, as bolsas asiáticas reagiram aos dados mistos da indústria chinesa.

O índice de gerentes de compras (PMI) oficial indica que o setor industrial avançou de 51 para 51,5 em setembro e o PMI de serviços foi de 55,2 em agosto a 55,9 em setembro - acima das projeções. No entanto, o PMI medido pela IHS Markit e pela Caixin indicou uma queda no índice, de 53,1 a 53 em setembro.

De olho também no debate presidencial americano, as bolsas do continente fecharam sem uma direção única.

Debate duro

Com as eleições americanas cada vez mais próximas, a tendência é que os investires deem cada vez mais destaque para os dois candidatos ao cargo de chefe da maior economia do mundo.

Ontem, o ex-vice-presidente Joe Biden e o atual presidente Donald Trump participaram do primeiro debate da temporada.

O tom 'caótico' do debate parece ter abalado os negócios. Na Europa, as bolsas operam no vermelho, assim como os índices futuros em Nova York, o que pode indicar que, para o mercado, o candidato democrata tenha se saído melhor.

Trump é o candidato preferido de Wall Street, já que uma vitória de Biden pode ser indicação de mais impostos para o setor corporativo.

Ainda nos Estados Unidos, outra pauta que influencia os negócios é a aprovação de um novo pacote de estímulo fiscal. As negociações entre governo e oposição seguem.

Os dados da economia chinesa pressionam a Europa, que vive uma segunda onda intensa de casos de coronavírus. Os investidores tentam quantificar o quanto novas medidas de isolamento social podem impactar na recuperação econômica. Na região.

Agenda

Os investidores também possuem um dia de agenda cheia pela frente.

No Brasil, o destaque são os dados da geração de emprego em agosto pelo Caged(14h30) e a taxa de desemprego (9h).

No exterior, dados de emprego também são destaque. Nos Estados Unidos, os investidores aguardam dados sobre o setor privado em setembro (9h15) e a leitura final do Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA (9h30).

Fique de olho

  • A Locaweb concluiu a compra da startup Etus, por R$ 18,95 milhões.
  • Embraer e sindicato não chegaram a um acordo sobre demissões.
  • Segundo a Marfrig, a China deve habilitar mais frigoríficos brasileiros e argentinos ainda em 2020.
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

RadioCash

Para Gustavo Loyola, ex-presidente do Banco Central, crescimento do PIB em 2022 será praticamente zero

Em entrevista ao podcast RadioCash, o economista deu sua opinião sobre a atual política monetária do BC, a situação do câmbio e afirmou que o cenário está difícil para reformas

MERCADOS HOJE

Ibovespa e bolsas globais colocam problemas com Evergrande de lado e buscam recuperação após tombo da véspera; dólar recua

A incerteza em torno dos problemas financeiros da gigante chinesa Evergrande persistem, mas as bolsas globais buscam recuperação após as perdas da véspera. Ibovespa monitora discurso de Bolsonaro na ONU

cautela nas alturas

O que mexe com o bitcoin (BTC) hoje: cautela antes da fala de presidente da CVM americana e Evergrande pressionam mercado de criptomoedas

Além disso, a cautela pré-Fed também deve limitar os ganhos. Enquanto isso, El Salvador segue comprando BTC e já acumula US$ 30 bi em criptomoedas

Acompanhe ao vivo

Moderado ou radical? Acompanhe o discurso do presidente Jair Bolsonaro na abertura da 76ª Assembleia-Geral da ONU

Por tradição, discurso inaugural dos ‘debates’ cabe ao representante brasileiro

Novidade nos ares

Gol (GOLL4) assina acordo com Avolon para aquisição de 250 aeronaves eVTOL; previsão de início de operação é em 2025

Documento aponta que o contrato esta em linha com a estratégia da companhia em abrir rotas para mercados domésticos pouco atendidos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies