Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-11-17T08:12:11-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
esquenta dos mercados

Euforia com vacina fica no passado e investidores retomam cautela com 2ª onda da covid-19

Nos mercados internacionais, volta a pesar as novas medidas de restrição impostas nos Estados Unidos e Europa e que devem comprometer a recuperação econômica global

17 de novembro de 2020
8:07 - atualizado às 8:12
Vacina contra covid-19
Corrida pela vacina contra covid-19 - Imagem: Shutterstock

A notícia de sucesso das vacinas da Pfizer e da Moderna contra o coronavírus alimentam as esperanças de que, no longo prazo, uma solução definitiva contra a pandemia esteja disponível. Cada novidade conta, mas o olhar dos investidores está mais voltado para o curto prazo nesta terça-feira e nesta janela de tempo, as notícias não são tão animadoras.

A Europa voltou a sofrer com medidas restritivas para tentar conter o avanço da segunda onda do coronavírus, o que deve resultar em um novo recuo da economia local. O sonho da recuperação em 'V' é um cenário cada vez mais improvável e a situação azeda o humor dos investidores, que optam pela aversão ao risco. Nos Estados Unidos, o número de internações também bateu novos recordes e, assim como no Velho Continente, o mercado adota uma postura mais cautelosa.

Na agenda, o destaque fica com a participação do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, em evento da Febraban. No exterior, o predidente do Federal Reserve, Jerome Powell, também participa de evento, com os agentes financeiros de olho nas vendas do varejo de outubro nos EUA.

Vacina empolga…

Se hoje as notícias em torno das vacinas não empolga, é porque ontem elas foram o principal motor das bolsas globais.

Depois da Pfizer na semana passada, ontem foi a vez da Moderna anunciar que os resultados dos seus testes de fase 3 indicam uma eficácia de 94,5% do seu imunizante experimental e levou o Ibovespa de volta aos patamares pré-pandemia - maior nível em 8 meses.

O principal índice da bolsa brasileira subiu 1,63%, aos 106.492,92 pontos. A onda de boas notícias também enfraquece o dólar. A moeda americana terminou a segunda-feira em queda de 0,7%, aos R$ 5,4375.

… mas não por muito tempo

Hoje, no entanto, o cenário das bolsas globais passa longe da euforia. Vacinas são boas notícias, mas não devem estar disponíveis para grande parte da população por um bom tempo.

Enquanto isso, na Europa e nos Estados Unidos, os governos voltam a adotar medidas cada vez mais rígidas de isolamento social para conter o avanço rápido da segunda onda do coronavírus. A economia, que começava a mostrar sinais de recuperação, deve fazer um novo mergulho, aprofundando a crise econômica e minando o apetite por risco dos agentes financeiros.

Durante a madrugada, as bolsas asiáticas reagiram de forma contida às notícias da vacina da Moderna e fecharam sem uma direção única.

Agora pela manhã, a cautela predomina no mercado, com as principais praças europeias no vermelho e os índices futuros em Wall Street indicando uma sessão negativa.

Agenda

A cautela no exterior deve pesar sobre o Ibovespa, onde os investidores podem optar por realizar parte dos lucros das últimas sessões. A agenda do dia não reserva fortes emoções que possam abalar o cenário.

No entanto, o mercado aguarda a participação do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, em evento da Febraban (9h30). Nos Estados Unidos, o presidente do Fed, Jerome Powell, também é aguardado (15h).

No campo das divulgações econômicas, destaque para as vendas no varejo de outubro nos Estados Unidos (10h30) e o índice de produção industrial (11h15).

Balanços

Depois de um mês intenso, o grosso das divulgações financeiras das empresas do Ibovespa chegou ao fim. Confira um resumo dos principais números divulgados recentemente.

Fique de olho

  • A Rede D'Or pode captar até R$ 12,7 bilhões em seu IPO. A empresa definiu sua faixa indicativa entre R$ 48,91 e R$ 64,35. A precificação acontece no começo de dezembro.
  • O Santander anunciou a cisão da Getnet, que deve ser listada na B3 e na Nyse.
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Privatização dos correios

Câmara dá início à sessão que discute privatização dos Correios; acompanhe

A venda da estatal está prevista no Projeto de Lei 591/21, do Poder Executivo; a proposta permite a transformação dos Correios em empresa de economia mista

Alta (segura) dos papéis

Parceria com o Grupo Caoa faz ações da seguradora Wiz (WIZS3) subirem mais de 5%; confira detalhes do acordo

A empresa celebrou uma parceria comercial contratual com prazo de vigência de 12 meses com a Caoa Corretora de Seguros, por meio de sua controlada Wiz Conseg

Primeiro dia

Ação da Raízen (RAIZ4) estreia na bolsa em alta de mais de 1%

Pouco depois da abertura, porém, papel retornou para a faixa de preço do IPO; maior abertura de capital do ano na B3 movimentou R$ 6,9 bilhões

Depois dos resultados, a bonança

Opções de Petrobras disparam até 540% em 1 dia com lucro e dividendo bilionários

O lucro acima do esperado pelo mercado no segundo trimestre deste ano e a antecipação de R$ 31,6 bilhões em dividendos animaram a bolsa

Deixa para outra hora!

Mudança de planos: instabilidade no mercado faz Athena desistir de IPO bilionário; saiba os detalhes

Em maio, a companhia de saúde já havia pedido a suspensão do IPO por 60 dias, por conta da volatilidade alta do mercado. Na última quarta-feira, 04, oficializou a desistência do pedido de registro de oferta pública

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies