Menu
2020-10-14T07:30:00-03:00
Ricardo Gozzi
Esquenta dos mercados

Ibovespa busca pistas para manter rali e buscar os 100 mil pontos

Risco fiscal no Brasil e avanço da covid-19 pelo mundo inibem o apetite por risco nos mercados financeiros internacionais nesta quarta-feira

14 de outubro de 2020
7:29 - atualizado às 7:30
ações mercado relatório
Imagem: Shutterstock

Quem investe no mercado brasileiro de ações anseia pela recuperação da B3 em um momento no qual os preços dos ativos locais estão nitidamente defasados em relação ao observado no resto do mundo.

Resta saber se os subsequentes choques de realidade que têm impactado os mercados financeiros permitirão que o Ibovespa mantenha nesta quarta-feira a recuperação observada na véspera, quando o principal índice brasileiro de ações subiu com vigor apesar da queda em Wall Street.

Um dos principais motivos para a divergência de direções foi o feriado prolongado aqui no Brasil, que ontem levou os investidores a colocarem na balança o mau humor externo do dia corrente – refletido principalmente no mercado de câmbio – e a apreciação dos ativos de risco registrada durante o recesso da B3.

Depois de muita volatilidade, o Ibovespa fechou em alta de 1,05% na terça-feira, aos 98.502,82 pontos, enquanto o dólar subiu 0,94%, cotado a R$ 5,5783.

Em meio a tanta liquidez e incerteza, é improvável que o estica-e-puxa nos preços dos ativos dê uma trégua tão cedo, mas o retorno à marca dos 100 mil pontos parece estar logo ali.

Política nos EUA e covid-19 no mundo inibem apetite por risco no exterior

No exterior, a paralisação das negociações no Congresso dos Estados Unidos em torno de um novo pacote de estímulo à economia norte-americana a apenas 20 dias das eleições presidenciais reflete-se em uma alta tímida dos índices futuros de Wall Street apesar da queda registrada na véspera.

Já o aumento no número de casos de covid-19 no mundo inibiu o avanço dos mercados de ações asiáticos. Também faz com que as bolsas de valores europeias operem em alta discreta enquanto investidores lá fora aguardam os balanços do Well Fargo e da UnitedHealth.

Risco fiscal mantém pressão sobre ativos locais

Na cena local, o principal empecilho a voos mais altos do Ibovespa materializa-se no risco fiscal. O Banco Central e o Tesouro Nacional têm-se mostrado empenhados na busca por meios de diminuir a pressão sobre as condições de financiamento da dívida pública.

Entretanto, a trajetória das contas nacionais mantém os investidores desconfiados, o que tem levado o Tesouro a emitir títulos com prazos cada vez mais curtos com o objetivo de levantar recursos e financiar o déficit público. O problema é que, ao encurtar o prazo da dívida pública em um cenário de tamanha incerteza, a rolagem desse débito torna-se cada vez mais complicada.

Tal situação levou o ex-secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, a advertir que o Brasil corre o risco ficar insolvente caso veja-se obrigado a subir os juros de curto prazo por conta de erros na política econômica.

Diante deste cenário, analistas veem a insistência do governo Jair Bolsonaro na criação de um novo programa de renda mínima apesar da falta de recursos para financiar algo tão abrangente como uma ameaça iminente à disciplina fiscal e ao teto de gastos.

Enquanto isso, os investidores preparam-se para a divulgação, às 9h, pelo IBGE, dos números referentes ao volume do setor de serviços em agosto.

Também está no radar a participação do diretor de Política Monetária do Banco Central, Bruno Serra, em live promovida pela Renascença DTVM e pela Panamby Capital sobre 'Implementação da Política Monetária frente à dinâmica recente dos mercados de Renda Fixa', prevista para começar às 11h.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

seu dinheiro na sua noite

No mundo corporativo, quem não diversifica, se trumbica

De uns tempos para cá, uma antiga fala de Warren Buffett tem pipocado nas minhas redes. Nela, o megainvestidor diz que “diversificação não faz sentido para quem sabe o que está fazendo” — e ele, naturalmente, se coloca como um sábio. Longe de mim querer contrariar o oráculo do mercado financeiro, mas é preciso tomar […]

nos ares

Boeing realiza 1º voo do maior avião da família 737 MAX e inicia fase de testes

Empresa vem trabalhando para superar acidentes aéreos envolvendo a família de aviões 737 MAX. No Brasil, a Gol tem um pedido firme do 737-10

pix questionado

Procon-SP notifica bancos por brechas exploradas por ladrões de celulares

São requisitados esclarecimentos sobre dispositivos de segurança, bloqueio, exclusão de dados de forma remota e rastreamento de operações financeiras disponibilizados aos clientes vítimas de furto ou roubo

FECHAMENTO DA SEMANA

Juros futuros são grandes protagonistas da semana e ainda prometem mais emoção; dólar recua 1% e bolsa fica no vermelho

Com Copom duro e a sinalização de uma possível elevação nas taxas de juros nos EUA, os principais contratos de DI dispararam. Na semana, o dólar recuou com o forte fluxo estrangeiro e a bolsa seguiu o ritmo das commodities (mais uma vez)

Calendário completo

Banco Central: veja as datas das reuniões do Copom em 2022

O Copom é o órgão do BC responsável por definir, a cada 45 dias, a taxa básica de juros da economia brasileira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies