Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-11-12T12:41:07-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
esquenta dos mercados

Sem clima para ampliar ganhos, mercados voltam a mergulhar no campo negativo

Após dias de ganhos expressivos, mercados globais põe o pé no freio, afetados pela segunda onda de covid-19 na Europa

12 de novembro de 2020
8:21 - atualizado às 12:41
Pessimismo
Imagem: Shutterstock

Depois dos dias de ganhos expressivos, os agentes financeiros globais colocam o pé no freio. As razões para esse movimento também são velhas conhecidas: a segunda onda na Europa parece mais forte do que nunca e a economia global parece não se recuperar na velocidade desejada.

A volta dos ruídos políticos em Brasília deixa o mercado local apreensivo, mas o dia é recheado de balanços corporativos para serem digeridos - o que pode ajudar o Ibovespa a limitar as perdas e até mesmo tentar fôlego para se manter no azul.

Pausa no rali

Após seis altas consecutivas, a bolsa brasileira interrompeu a sequência positiva nesta quarta-feira. A razão para o azedume nos mercados foram as falas do presidente Jair Bolsonaro feitas na véspera.

O presidente foi insensível ao falar da situação do coronavírus - falando que o Brasil era um país de maricas - e mostrou desconforto com a possibilidade de sanções econômicas por parte do governo Biden, em retaliação às políticas ambientais ineficientes de seu governo, dizendo que 'quando a sáliva acaba, tem que ser pólvora'.

Para além disso, os investidores também pesaram uma possibilidade de prolongamento do auxílio emergencial - que tem grande impacto na já deteriorada situação fiscal do país -, após o presidente declarar "Se acaba o auxílio, como ficam quase 40 milhões de invisíveis, que perderam tudo?".

Com essa nuvem cinza em Brasília, o Ibovespa caiu 0,25%, aos 104.810 pontos. O dólar também foi pressionado, subindo 0,4%, a R$ 5,4161.

Vasculhando os números

O cenário externo negativo e o clima tenso em Brasília sem dúvida influenciam de forma negativa os mercados. Porém, os resultados do terceiro trimestre das empresas do Ibovespa podem limitar a queda. Confira aqui os principais números que devem mexer com o mercado hoje. Após o fechamento dos mercados, B3 e Sabesp são o destaque, com as divulgações dos números dos últimos três meses.

Coronavírus em pauta (de novo)

Se uma possível vacina animou os investidores nos últimos dias, hoje é a preocupação com a possibilidade de uma segunda onda e uma recuperação econômica mais lenta que dita o ritmo dos negócios.

A preocupação com uma recuperação econômica aquém da velocidade esperada é sustentada por dados fracos da economia europeia. A produção industrial da zona do euro e do Reino Unido frustraram as expectativas e vieram abaixo das estimativas.

Outro ponto de tensão que começa a pesar nos mercados é a transição de poder nos Estados Unidos, que se mostra cada vez mais complicada para o democrata e presidente eleito Joe Biden. No entanto, Biden segue tocando o processo e começa a anunciar os primeiros nomes do seu gabinete.

As altas recentes também deflagram um movimento de realização de lucros. Assim, as bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em queda durante a madrugada. Os índices futuros em Nova York e as principal praças europeias também operam no vermelho.

Agenda

O mercado aguarda com apreensão o volume de serviços do Brasil em setembro (9h). A expectativa é de que o índice avance 1,6% no mês ante agosto.

Nos Estados Unidos, dados da inflação são aguardados (CPI - 10h30), assim como um pronunciamento do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

DUPLO DOWNGRADE

UBS rebaixa Vale de compra para venda e corta preço-alvo do ADR

Banco suíço considera que distribuição de dividendos pela mineradora brasileira torna-se muito menos atraente com a cotação do minério de ferro abaixo de US$ 100 por tonelada

Tendências da bolsa

AGORA: Ibovespa futuro abre em queda com susto de aumento de imposto e exterior negativo; dólar também recua

A medida pegou os investidores de surpresa e o vencimento de opções em Nova York coloca o exterior sob pressão

O melhor do seu dinheiro

Uma ação para lucrar com a crise hídrica, Bolsonaro eleva IOF, dividendos da Vale e outras notícias do dia

Não é de hoje que o Brasil sofre com risco de apagão e racionamento de energia. Em 2001, o país precisou recorrer a blecautes programados e obrigar famílias e empresas a economizarem energia elétrica sob pena de aumentos pesados na conta de luz. Quem viveu a época lembra bem das trocas de lâmpadas incandescentes por […]

Coluna do jojo

Bolsa hoje: dia de bruxaria nos mercados e um novo IOF para chamar de seu

Novo decreto presidencial aumentou as alíquotas do IOF sobre as operações de crédito para as pessoas físicas e jurídicas de 20 de setembro até 31 de dezembro. Se esta notícia é negativa e pode cair mal na bolsa nacional hoje, temos também a digestão da aprovação da PEC dos Precatórios

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: aumento de IOF pega investidor de surpresa e vencimento de opções no exterior deve movimentar bolsa hoje

O dia deve contar com alta volatilidade nos mercados internacionais, com o quadruple witching e o investidor fica de olho na nova medida do governo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies