Menu
2020-12-11T08:24:35-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
esquenta dos mercados

Dólar abaixo de R$5 fica no radar dos investidores; cautela predomina no exterior

Os investidores seguem repercutindo o comunicado da última decisão do Copom e a moeda americana se aproxima dos R$5,00 Lá fora, o clima é de cautela

11 de dezembro de 2020
8:17 - atualizado às 8:24
Dólar para baixo
Dólar em queda - Imagem: Shutterstock

A semana chega ao fim em uma toada nada otimista. Os Estados Unidos e diversos países da Europa voltaram a apresentar novos recordes no número de casos e mortes pelo coronavírus, aumentando a preocupação de um impacto acentuado na atividade econômica, mesmo com a proximidade de uma vacina.

No Brasil, o destaque do dia deve ser o dólar. Os investidores seguem repercutindo o comunicado da última decisão do Copom e a moeda americana se aproxima dos R$5,00. Com a perspectiva de alta da Selic em breve e a injeção de recursos pelo Banco Central (que marcou um novo leilão de swap para esta sexta), os investidores monitoram a possibilidade da divisa ficar abaixo dos R$ 5,0.

Rompendo resistências

Enquanto o dólar flerta com a possibilidade de ficar abaixo dos R$ 5,00, o Ibovespa também tem a mira no rompimento de novas resistências.

A postura mais rígida do Banco Central, indicando a possibilidade de elevação da taxa de juros em breve, e a entrada de fluxo estrangeiro no país beneficiam a depreciação do real. Ontem, a divisa recuou 2,6%, a R$ 5,0379.

Já o Ibovespa teve mais um dia de alta vigorosa, subindo 1,9%, aos 115.130 pontos - o maior patamar desde o dia 19 de fevereiro.

Mesmo com a cautela vista no exterior, o principal índice acionário da B3 foi beneficiado pelo bom desempenho dos 'pesos-pesados' do índice, as famosas blue chips. Destaque para Petrobras, Vale, e os bancõs Itaú, Bradesco e Banco do Brasil.

No vermelho

A proximidade de uma vacina contra o coronavírus parece cada vez mais certa, mas, nesta sexta-feira, os investidores olham mais para as preocupações de curto prazo.

O avanço da covid-19 segue sendo uma realidade, voltando a fechar as economias e sobrecarregar os sistemas de saúde. Os Estados Unidos superaram ontem, pela primeira vez, a marca de mais de 3 mil mortes diárias pela doença. Na Alemana, o número de casos confirmados também bateu novo recorde.

No campo econômico, as negociações de um novo pacote fiscal nos Estados Unidos segue complicada, o que tira um pouco do otimismo dos investidores. Outra negociação que está no radar dos mercados é o acordo comercial entre a União Europeia e o Reino Unido, que também encontra dificuldades em avançar.

Neste cenário, os índices futuros em Nova York e as bolsas europeias começam o dia no vermelho.

Durante a madrugada, as bolsas asiáticas tiveram uma sessão mista. Enquanto parte das praças avanaçaram, em Tóquio e Xangai o avanço do coronavírus falou mais alto e os índices recuaram.

Agenda

A semana se encerra com a divulgação do volume de serviços de outubro (9H). A expectativa do mercado é de que o índice tenha alta de 1,20% no mês. Depois, o Banco Central realiza outro leilão de swap, de até US$ 800 milhões (11h30).

No exterior, destaque para a inflação ao produtos nos Estados Unidos (10h30) e o índice do sentimento do consumidor (12h).

Por aqui, os investidores também monitoram a participação do ministro Paulo Guedes em audiência pública no Congresso.

Fique de olho

  • A agência de classificação de risco S&P alterou a perspectiva para a Vale de negativa para estável.
  • A Petrobras fará pagamento de dividendos referentes ao exercício de 2019. Os valores aproximados são de R$ 0,239895 por ação ON e R$ 0,000461 por ação PN.
  • A B3 fará pagamento de juros sobre capitla prórpio no valor de R$ 0,1466 por ação.
  • Eletromídia entrou com o pedido de registro de IPO na CVM.
  • O Grupo Fleury anunciou a compra da CIP e de 80% da Clínica de Olhos Dr. Moacir Cunha, por R$ 29,5 milhões.
  • A B3 anunciou mudança na sua política de tarifação de renda variável
Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Em evento do BofA

Presidente do BC revela preocupação com análise de autonomia no STF e planos para PIX internacional

Campos Neto e o ministro da Economia, Paulo Guedes, têm conversado com ministros da Corte sobre os questionamento acerca do tema

Confiança em alta

Casa Branca não vê fator gerador de inflação que Fed não possa controlar

A presidente do Conselho de Consultores Econômicos do governo ressaltou que é importante focar nas tendências para os índices ao invés de oscilações semanais ou mensais

Política monetária em detalhes

Diretor do BC afirma que Selic em 2% não era mais necessária e defende centro da meta inflacionária

Bruno Serra explicou que a retomada da atividade econômica foi mais rápida do que se imaginava e justificou a elevação da taxa básica de juros

ESTRADA DO FUTURO

O que rola nos bastidores de uma startup de sucesso: uma conversa com Paulo Veras, ex-CEO e fundador da 99Taxi

Na edição desta semana do Tela Azul, recebemos o Paulo Veras, ex-CEO e fundador da 99Taxi.

Receita Federal dos EUA

Binance é investigada por manter contas suspeitas de lavagem de dinheiro nos EUA

Desde 2019, a Binance não oferece mais serviços de trading de criptomoedas para quem mora nos Estados Unidos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies