Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-11-10T08:09:46-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
esquenta dos mercados

Depois de dias de euforia, investidores possuem fôlego limitado para seguir rali

10 de novembro de 2020
8:04 - atualizado às 8:09
vacina covid-19
Imagem: Shutterstock

As notícias sobre uma possível vacina contra o coronavírus têm ajudado os mercados acionários globais desde o início da pandemia. Em um momento em que diversas regiões da Europa e Estados Unidos voltam a bater recordes de infectados e ter a necessidade de isolamento social - possivelmente comprometendo a recuperação econômica -, as novidades possuem ainda mais peso.

Ontem, a notícia de que a Pfizer conseguiu 90% de eficácia com a sua vacina experimental que está em testes finais ampliou o rali iniciado na semana passada, quando a perspectiva de uma vitória democrata nos Estados Unidos embalou os negócios. No entanto, a preocupação com a segunda onda do coronavírus limita os ganhos na Europa e faz os índices futuros em Wall Street operarem mistos.

No Brasil, os investidores seguem de olho na temporada de balanços corporativos e aguardam a participação do ministro Paulo Guedes em evento.

#empolgou

Assim como o restante dos índices globais, o Ibovespa teve uma segunda-feira de euforia. A bolsa brasileira retomou o patamar dos 103 mil pontos, que não era visto desde o dia 10 de agosto.

Com o mercado positivo e otimista com a possibilidade de vacina, o índice brasileiro avançou 2,57%, a 103.515 pontos. O setor de aviação - um dos maiores afetados pela crise do coronavírus - foi um dos grandes destaques positivos do pregão.

Área de tensão

Enquanto o Ibovespa segue buscando patamares cada vez mais elevados, o dólar segue uma tendência mais volátil.

A moeda chegou a cair mais de 3%, a R$ 5,2252, mas o volume expressivo de compradores equilibrou a cotação e fez a divisa fechar o dia em baixa de apenas 0,04%, a R$ 5,3917.

A perspectiva de Joe Biden na Casa Branca deve enfraquecer o dólar em escala global. No entanto, o cenário fiscal brasileiro pressiona o câmbio e o mantém em patamares mais elevados.

Moderação

A notícia da vacina empolgou, mas, após tantos dias de altas expressivas, os investidores controlam um pouco do entusiasmo, o que faz os principais índices acionários globais operarem mistos nesta manhã.

Durante a madrugada, as bolsas asiáticas aproveitaram o bom humor do mercado americano, mas o movimento foi insuficiente para que os negócios fechassem no azul na China. A desaceleração da inflação e o desempenho negativo das montadoras de carros elétricos puxou para baixo as bolsas do país.

Na Europa, os principais índices ainda mostram força para manter o movimento positivo, mas as preocupações com a segunda onda do coronavírus limitam os ganhos.

Nos Estados Unidos, Donald Trump ainda se recusa a conceder a vitória ao presidente eleito Joe Biden. Com Trump dificultando o início dos trabalhos da equipe de transição, os investidores adotam um tom mais cauteloso e menos eufórico, o que deixa os índices futuros operando com sinais mistos nesta manhã. A perspectiva de que o Federal Reserve volte a atuar apoiando a economia também injeta ânimo nos mercados.

Nem tudo são flores

No Brasil, as notícias envolvendo vacinas não são positivas. Ontem, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) paralisou o estudo clínico da CoronaVac, após um efeito adverso grave. A vacina, produzida em parceria com o Instituto Butantan, é a grande aposta do governador João Doria e motivo de atritos com o governo federal.

Além disso, o cenário fiscal brasileiro segue no radar. Ontem, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, voltou a indicar que é necessário que as reformas caminhem para que o Brasil não sofra ainda mais com os efeitos da crise e voltou a criticar a base do governo, que, segundo ele, trava as pautas de grande importância.

Agenda

Além dos balanços corporativos, que seguem influenciando o mercado, a agenda brasileira ainda tem outros destaques. Estão previstos para hoje os resultados de Embraer, Carrefour, BR Distribuidora e Braskem.

Primeiro, a prévia do IGP-M de novembro (8h). Mais tarde, o ministro da Economia, Paulo Guedes participa de um painel sobre economias emergentes (11h).

Nos Estados Unidos, os investidores aguardam sinais de que o Fed deve estimular ainda mais a economia, com quatro dirigentes programados para discursarem ao longo do dia.

Fique de olho

  • A Aeris precificou suas ações em R$ 5,55, abaixo do piso da faixa indicativa.
  • A 3R também reduziu o seu valor, a R$ 21, contra um piso de R$ 24,50.
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

VAREJO DECEPCIONADO?

Black Friday supera prévias, mas vendas do fim de semana ainda ainda perdem para os números registrados em 2019

Segundo índice calculado pela Cielo, as vendas cresceram 6,9% em relação ao ano passado, mas foram 3,8% inferiores ao período pré-pandemia

Adeus ano velho

Ano novo, impostos novos! Reforma do IR fica para 2022, confirma presidente do Senado

O governo Bolsonaro pressionava pela aprovação da proposta para financiar o Auxílio Brasil, mas não conseguiu apoio na Casa

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Bitcoin e bolsa se recuperam após susto com nova variante, Azul e Latam sobem o tom e outros destaques do dia

Pouco se sabe ainda sobre a nova variante do coronavírus detectada na África do Sul, mas o que veio à público até agora é muito melhor do que o mercado financeiro precificou na última sexta-feira (26). Sem o pânico visto na semana passada, o Ibovespa encontrou forças para abrir a semana em alta.  Um estudo […]

Fechamento do dia

Mercado supera susto com ômicron, e bolsas globais engatam recuperação; Ibovespa sobe com menos força, de olho na PEC dos precatórios

Pesando os desafios fiscais brasileiros, o Ibovespa fechou longe das máximas, mas se recuperou parcialmente do tombo de sexta-feira

UM ÚLTIMO TUÍTE

Do Twitter para o bitcoin? Jack Dorsey deixa comando da rede social e reacende rumores sobre projeto em criptomoedas

O fundador da rede social passará o cargo para Parag Agrawal, um veterano da empresa, depois de comandá-la de 2006 a 2008 e de 2015 até hoje

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies