Menu
2020-04-22T16:41:32-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Queda livre

Petróleo fecha com fortes perdas e cai aos menores valores em cerca de 20 anos

Commodity continuou em queda nesta terça, em razão da fraca demanda; WTI caiu mais de 40% e Brent fechou abaixo dos US$ 20 pela primeira vez em 18 anos

21 de abril de 2020
16:44 - atualizado às 16:41
Bear market petróleo
Imagem: Shutterstock

O petróleo passou por mais um dia de fortes desvalorizações, com seus preços atingindo novos patamares históricos.

O contrato futuro para junho do WTI, negociado nos EUA, fechou em queda de 43,37%, a US$ 10,61, a menor cotação desde 1999 para os contratos mais líquidos.

Já o contrato para junho do Brent, negociado em Londres, caiu 24,40%, a US$ 19,33 o barril. Trata-se do menor valor para o Brent desde 2002, também considerando-se os contratos mais líquidos.

Ontem, o WTI para maio, com menos liquidez, caiu mais de 300% e encerrou o pregão com preço negativo, situação inédita no mercado futuro de petróleo. O contrato venceu hoje.

Mais cedo, os preços da commodity chegaram a ter certo alívio em meio às notícias de que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) vai fazer hoje uma teleconferência extra para debater a crise, embora sem a perspectiva de já sair alguma decisão.

Outra reunião, marcada para 10 de maio, estaria sendo articulada para debater novos cortes na produção. Mesmo assim, as perdas voltaram a se aprofundar na parte da tarde. O WTI para junho chegou a perder mais de 60%, sendo negociado a US$ 8 o barril.

A queda nos preços da commodity no mercado futuro reflete a expectativa de uma demanda muito menor que a oferta em razão das paralisações para combate à pandemia do coronavírus no mundo. Com isso, os estoques dos consumidores estão cheios, e o custo da armazenagem, que está quase no limite, está ultrapassando os preços praticados no mercado.

A forte queda nos preços dos Brent pode impactar as ações da Petrobras, uma vez que a estatal usa como referência o petróleo negociado em Londres. Nesta terça, a bolsa brasileira permanece fechada em razão do feriado de Tiradentes, mas os recibos de ações da Petrobras (ADR) negociados na bolsa de Nova York recuaram 3,51%. Já o EWZ, fundo de índice (ETF) de ações brasileiras, fechou em queda de 3,21%.

O desempenho dos preços do petróleo contribuiu para as bolsas asiáticas e europeias fecharem em queda nesta terça, e também pesa nas bolsas americanas. Acompanhe a nossa cobertura completa de mercados.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Airbus A320

Itapemirim começa a receber aeronaves para voos comerciais após Anac autorizar

A Itapemirim diz que a segunda aeronave Airbus A320 de sua frota deve chegar ao aeroporto de Confins (MG) neste domingo

Efeito reverso

Elon Musk fez piada sobre o Dogecoin na TV aberta — e as cotações desabaram

Elon Musk fez a aguardada participação no SNL no último sábado, fazendo piada sobre si mesmo e falando do Dogecoin — mas a cotação caiu forte

Pesquisa da FGV

Presente mais caro: inflação do Dia das Mães é a maior dos últimos quatro anos

Levantamento da FGV mostra que a inflação no Dia das Mães é a maior desde 2017; eletrodomésticos e passagens aéreas tiveram maiores saltos

Expansão

SPX Capital assume operações do Carlyle no país

As operações do Carlyle no Brasil serão absrovidas pela SPX Capital. Com isso, a gestora de Rogério Xavier se expande em private equity

ESTRADA DO FUTURO

Um pé no abismo e outro na casca de banana: como identificar ações de empresas decadentes

Excesso de otimismo, planos mirabolantes e desprezo pela inovação estão entre as receitas para uma empresa falhar, segundo o gestor que se dedicou a descobrir empresas terríveis

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies