Menu
2020-04-20T19:02:34-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Vai um petróleo aí?

Petróleo para maio cai 300% e fica com preço negativo pela primeira vez na história

Com queda brutal na demanda por conta do coronavírus e estoques cheios, preço do contrato futuro do WTI que vence amanhã chegou a US$ -37

20 de abril de 2020
15:35 - atualizado às 19:02
petróleo e dólares
Imagem: Shutterstock

O preço do petróleo futuro caiu abaixo de zero pela primeira vez na história nesta segunda-feira, 20 de abril de 2020. O contrato do petróleo tipo WTI para entrega em maio, negociado nos Estados Unidos, caiu mais de 100% pouco depois das 15h, horário de Brasília, passando a ser negociado a preços negativos. O preço de fechamento foi de US$ -37,63 o barril (isso mesmo, MENOS 37 dólares e 63 cents), representando uma queda de mais de 300%.

Esses contratos vencem amanhã e têm entrega física, mas os compradores que estariam interessados em receber a commodity estão com os estoques cheios.

A capacidade de armazenagem de petróleo nos Estados Unidos está praticamente no limite, devido à paralisação das atividades no país para combate à pandemia de coronavírus.

Assim, preço negativo significa que a oferta está muito superior à demanda e já começa a superar a capacidade de armazenamento. Com isso, os produtores poderiam, em tese, pagar para quem quisesse comprar petróleo, dado que os custos de estocagem superam os preços de mercado.

Outro fator que pesa sobre o preço do petróleo nesta segunda é que os traders que rolariam as suas posições para junho optaram por encerrá-las. A forte queda do WTI no fim de semana fez com que a diferença entre os preços dos contratos com entrega para maio e junho ficasse muito grande, tornando a rolagem financeiramente desvantajosa.

O WTI para junho, o contrato mais líquido atualmente, fechou em queda de 18,38%, a US$ 20,43 o barril.

A forte queda do petróleo nos EUA contaminou também o preço do petróleo tipo Brent, negociado em Londres, que, no entanto, caiu bem menos. O contrato do Brent para junho recuou 8,94%, a US$ 25,57 o barril.

As ações da Petrobras não são muito afetadas por essa dinâmica nos preços do petróleo nesta segunda-feira, uma vez que a estatal usa como referência para seus preços o barril do tipo Brent. As ações preferenciais (PETR4) fecharam em queda de 1,12%, e as ordinárias (PETR3) caíram 1,02%. Acompanhe a nossa cobertura completa de mercados.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

uma bolada

Bradesco paga R$ 5 bilhões em juros sobre capital próprio

Valor representa R$ 0,416 por ação ordinária e R$ 0,458 por ação preferencial, após o desconto do Imposto de Renda

seu dinheiro na sua noite

Dólar abaixo de R$ 5, Selic de volta aos 7% e o investimento da Petz em página de gatinhos

Apesar dos avanços na vacinação e do relaxamento nas medidas de distanciamento social, o fato de ainda estarmos convivendo com o coronavírus e uma elevada mortalidade pela covid-19 faz com que 2021 tenha um sabor de 2020 – parte 2. Assim tem sido, pelo menos para mim. Imagino que também seja assim para todas as […]

atenção, acionista

Weg e Lojas Renner anunciam juros sobre capital próprio; confira valores

Empresa de fabricação e comercialização de motores elétricos paga R$ 86,1 milhões; provento da varejista chega a R$ 88 milhões

Alívio no câmbio

Dólar fica abaixo dos R$ 5,00 pela primeira vez em mais de um ano — e o empurrão veio dos BCs

O dólar à vista terminou o dia em R$ 4,96, ficando abaixo dos R$ 5,00 pela primeira vez desde 10 de junho de 2020. O Ibovespa caiu

Constitucionalidade em xeque

Autonomia do Banco Central: STF retoma julgamento no dia 25, mas recesso pode estender votação até agosto

A lei em análise restringe os poderes do governo federal sobre a autoridade máxima da política monetária do País

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies