Menu
2020-04-20T19:02:34-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Vai um petróleo aí?

Petróleo para maio cai 300% e fica com preço negativo pela primeira vez na história

Com queda brutal na demanda por conta do coronavírus e estoques cheios, preço do contrato futuro do WTI que vence amanhã chegou a US$ -37

20 de abril de 2020
15:35 - atualizado às 19:02
petróleo e dólares
Imagem: Shutterstock

O preço do petróleo futuro caiu abaixo de zero pela primeira vez na história nesta segunda-feira, 20 de abril de 2020. O contrato do petróleo tipo WTI para entrega em maio, negociado nos Estados Unidos, caiu mais de 100% pouco depois das 15h, horário de Brasília, passando a ser negociado a preços negativos. O preço de fechamento foi de US$ -37,63 o barril (isso mesmo, MENOS 37 dólares e 63 cents), representando uma queda de mais de 300%.

Esses contratos vencem amanhã e têm entrega física, mas os compradores que estariam interessados em receber a commodity estão com os estoques cheios.

A capacidade de armazenagem de petróleo nos Estados Unidos está praticamente no limite, devido à paralisação das atividades no país para combate à pandemia de coronavírus.

Assim, preço negativo significa que a oferta está muito superior à demanda e já começa a superar a capacidade de armazenamento. Com isso, os produtores poderiam, em tese, pagar para quem quisesse comprar petróleo, dado que os custos de estocagem superam os preços de mercado.

Outro fator que pesa sobre o preço do petróleo nesta segunda é que os traders que rolariam as suas posições para junho optaram por encerrá-las. A forte queda do WTI no fim de semana fez com que a diferença entre os preços dos contratos com entrega para maio e junho ficasse muito grande, tornando a rolagem financeiramente desvantajosa.

O WTI para junho, o contrato mais líquido atualmente, fechou em queda de 18,38%, a US$ 20,43 o barril.

A forte queda do petróleo nos EUA contaminou também o preço do petróleo tipo Brent, negociado em Londres, que, no entanto, caiu bem menos. O contrato do Brent para junho recuou 8,94%, a US$ 25,57 o barril.

As ações da Petrobras não são muito afetadas por essa dinâmica nos preços do petróleo nesta segunda-feira, uma vez que a estatal usa como referência para seus preços o barril do tipo Brent. As ações preferenciais (PETR4) fecharam em queda de 1,12%, e as ordinárias (PETR3) caíram 1,02%. Acompanhe a nossa cobertura completa de mercados.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

reta final de negociações

Senado americano aprova “pacote Biden” de US$ 1,9 trilhão

Agora, o pacote voltará para a Câmara dos Representantes, que analisará as alterações feitas no texto pelos senadores. Se for aprovado, o projeto será enviado à Casa Branca para a sanção do presidente

entrevista

‘Episódio Petrobras deu um susto grande nos investidores’, diz economista do Itaú

O economista-chefe do Itaú Unibanco, Mario Mesquita, diz também estar preocupado com as incertezas políticas, que ameaçam o crescimento do PIB

Dificuldades À vista?

Deputados falam em reduzir medidas de ajuste fiscal do texto da PEC do auxílio

Embora defenda celeridade na análise da proposta, Albuquerque admite que o texto pode ser enxugado

escolha da CEO

Investir no Brasil: se correr o bicho pega, se ficar o bicho come

Confira uma seleção de matérias feita pela CEO do Seu Dinheiro, Marina Gazzoni

Efeitos da pandemia

PEC do auxílio aprovada no Senado prevê abater R$ 100 bi da dívida pública

Pelos cálculos do governo, a necessidade de financiamento da dívida pública federal (DPF) neste ano é de R$ 1,469 trilhão, valor que aumentou por causa do maior volume de títulos de curto prazo que o governo precisou emitir para conseguir captar recursos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies