Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-04-02T18:20:05-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Um respiro para a estatal

Ações da Petrobras disparam mais de 8% após Trump sinalizar uma trégua na guerra de preços do petróleo

As ações da Petrobras subiram mais de 8%, na esteira da valorização do petróleo — lá fora, cresce a expectativa quanto a um acordo entre russos e sauditas

2 de abril de 2020
12:28 - atualizado às 18:20
Petrobras
Imagem: Shutterstock

As ações da Petrobras fecharam em forte alta nesta quinta-feira (2), pegando carona na disparada dos preços do petróleo. Tudo isso por causa da percepção de que a Arábia Saudita e a Rússia estão perto de um acordo para esfriar a guerra de preços da commodity.

Os papéis ON da Petrobras (PETR3) subiram 8,59% hoje, a R$ 15,43, enquanto as ações PN da estatal (PETR4) avançaram 8,46%, a R$ 15,51. São as maiores cotações em mais de duas semanas — os ativos despencaram ao longo de março, em meio à crise do coronavírus.

O fortalecimento dos ativos da Petrobras ocorreu em paralelo à disparada do petróleo: o Brent com vencimento em junho subiu 21,02%, a US$ 29,94 o barril, enquanto o WTI para maio teve alta de 24,67%, a US$ 25,32.

A commodity já vinha tendo uma sessão positiva — no início da sessão, ambos os contratos operavam em alta de cerca de 7%, na esteira de comentários feitos pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Em pronunciamento na Casa Branca, ele disse acreditar que sauditas e russos chegarão a um acordo em breve.

E, por volta das 11h30, Trump voltou a tocar no assunto, desta vez via Twitter. E, desta vez, foi ainda mais incisivo em suas declarações:

"Acabei de falar com o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, que conversou com o presidente Putin, da Rússia, e eu espero e acredito que eles vão cortar [a produção de petróleo] em cerca de 10 milhões de barris, talvez muito mais", escreveu Trump, há pouco. "Se isso acontecer, será ótimo para a indústria de petróleo e gás".

A informação passada pelo presidente americano, com um número concreto para o corte de produção, fez a cotação do petróleo disparar e animou as bolsas globais, que se firmaram no campo positivo. Por aqui, o Ibovespa ganhou força e, agora, já sobe mais de 3% — veja aqui a cobertura completa dos mercados nesta quinta-feira.

Apesar de o salto de 20% nas cotações da commodity ser expressivo, vale ressaltar que os níveis de preço ainda estão relativamente baixos, na faixa entre US$ 25 e US$ 30 o barril — em abril do ano passado, o petróleo era negociado na faixa entre US$ 60 e US$ 70 o barril.

De qualquer maneira, trata-se de um estímulo importante e um alívio bem vindo num dos focos de tensão dos investidores nos últimos dias.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

em família

Sobrinho-neto do bilionário Warren Buffett supera Berkshire Hathaway no ano

Ações da Boston Omaha, holding de capital aberto co-liderada pelo sobrinho-neto do bilionário, Alex Buffett Rozek, estão batendo os papéis da Berkshire Hathaway

novo serviço

Grupo pão de Açúcar vai fazer entrega para lojistas de seu marketplace

No próximo ano, a companhia passará a oferecer a possibilidade de que os lojistas virtuais armazenem produtos nos centros de distribuição do GPA

inovação

Varejo online agora quer conquistar a fronteira da venda de produto fresco

A partir do mês que vem, começa a funcionar no País uma startup mexicana de tecnologia do setor de supermercados que vai explorar exatamente esse filão

Clube do livro

Ajuste fiscal pode ser dolorido no início, mas é necessário; entenda mais no novo livro de Fabio Giambiagi, “Tudo sobre o déficit público”

Nova obra do economista do BNDES evidencia que atingir um equilíbrio orçamentário no país é essencial para o desenvolvimento em termos econômicos e sociais

em busca de recursos

AES Brasil (AESB3) aprova oferta pública e pode captar até R$ 1,8 bilhão

De acordo com a AES Brasil, o objetivo da oferta é acelerar seu plano de crescimento, com foco na diversificação do portfólio por meio de fontes complementares à hídrica, além de potencializar a criação de valor para os acionistas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies