Menu
2020-04-02T18:20:05-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Um respiro para a estatal

Ações da Petrobras disparam mais de 8% após Trump sinalizar uma trégua na guerra de preços do petróleo

As ações da Petrobras subiram mais de 8%, na esteira da valorização do petróleo — lá fora, cresce a expectativa quanto a um acordo entre russos e sauditas

2 de abril de 2020
12:28 - atualizado às 18:20
Petrobras
Imagem: Shutterstock

As ações da Petrobras fecharam em forte alta nesta quinta-feira (2), pegando carona na disparada dos preços do petróleo. Tudo isso por causa da percepção de que a Arábia Saudita e a Rússia estão perto de um acordo para esfriar a guerra de preços da commodity.

Os papéis ON da Petrobras (PETR3) subiram 8,59% hoje, a R$ 15,43, enquanto as ações PN da estatal (PETR4) avançaram 8,46%, a R$ 15,51. São as maiores cotações em mais de duas semanas — os ativos despencaram ao longo de março, em meio à crise do coronavírus.

O fortalecimento dos ativos da Petrobras ocorreu em paralelo à disparada do petróleo: o Brent com vencimento em junho subiu 21,02%, a US$ 29,94 o barril, enquanto o WTI para maio teve alta de 24,67%, a US$ 25,32.

A commodity já vinha tendo uma sessão positiva — no início da sessão, ambos os contratos operavam em alta de cerca de 7%, na esteira de comentários feitos pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Em pronunciamento na Casa Branca, ele disse acreditar que sauditas e russos chegarão a um acordo em breve.

E, por volta das 11h30, Trump voltou a tocar no assunto, desta vez via Twitter. E, desta vez, foi ainda mais incisivo em suas declarações:

"Acabei de falar com o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, que conversou com o presidente Putin, da Rússia, e eu espero e acredito que eles vão cortar [a produção de petróleo] em cerca de 10 milhões de barris, talvez muito mais", escreveu Trump, há pouco. "Se isso acontecer, será ótimo para a indústria de petróleo e gás".

A informação passada pelo presidente americano, com um número concreto para o corte de produção, fez a cotação do petróleo disparar e animou as bolsas globais, que se firmaram no campo positivo. Por aqui, o Ibovespa ganhou força e, agora, já sobe mais de 3% — veja aqui a cobertura completa dos mercados nesta quinta-feira.

Apesar de o salto de 20% nas cotações da commodity ser expressivo, vale ressaltar que os níveis de preço ainda estão relativamente baixos, na faixa entre US$ 25 e US$ 30 o barril — em abril do ano passado, o petróleo era negociado na faixa entre US$ 60 e US$ 70 o barril.

De qualquer maneira, trata-se de um estímulo importante e um alívio bem vindo num dos focos de tensão dos investidores nos últimos dias.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Entrevista

‘Desemprego alto e déficit público nos deixam cautelosos’, diz presidente da Whirlpool

CEO da fabricante das marcas Consul e Brastemp diz estar cauteloso para investir em produção e em relação à sustentabilidade da demanda, por conta de desemprego e da situação fiscal

Mercadores da noite

Bolsa, dólar e juros subindo: qual dos três está mentindo?

Quando a Bolsa, o dólar e as taxas de juros estão subindo ao mesmo tempo, um dos três está mentindo – qual deles será e o que fazer?

Infraestrutura

Novo marco legal para ferrovias vai a votação no Senado na próxima semana

Legislação promete organizar regras do setor e permitir novos formatos para a atração de investimentos privados

Telecomunicações

Operadoras cobram transparência do governo na definição da tecnologia 5G

Teles se dizem preocupadas com as “incertezas” relativas ao processo, depois de governo sinalizar banimento da chinesa Huawei

Recorde

Estrangeiros põem R$ 30 bilhões na bolsa brasileira em novembro

Trata-se de recorde de entrada de recursos estrangeiros em um mês, impulsionado pela migração de recursos para bolsas emergentes; movimento por aqui, porém, pode ser passageiro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies