Menu
2020-05-19T16:43:06-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Pesquisa

Mais de 300 mil pessoas físicas entraram na bolsa desde o início da pandemia; B3 agora tem 2 milhões de CPFs

Desde o fim de 2018, número de CPFs cadastrados na B3 saltou de 700 mil para 2 milhões; somente no primeiro trimestre de 2020, 400 mil pessoas físicas entraram na bolsa, mais da metade de todo o ano passado.

19 de maio de 2020
15:54 - atualizado às 16:43
ações bolsa
Imagem: Shutterstock

O investidor pessoa física brasileiro não se deixou abater pela pandemia de coronavírus que derrubou os mercados no início deste ano. Segundo a B3, desde o início da pandemia, em março, mais de 300 mil pessoas físicas começaram a investir na bolsa, seja em ações, ETFs (fundos de índice), fundos imobiliários ou BDRs (recibos de ações).

Apenas no mês de março - quando o Ibovespa despencou quase 30% e tivemos as negociações de ações paralisadas seis vezes pelo acionamento do circuit breaker - foram 223 mil novos CPFs na B3, aos quais se soma uma estimativa entre 80 mil e 100 mil CPFs ingressantes em abril (os dados do mês ainda não estão fechados).

Com isso, a B3 atingiu a histórica marca de 2 milhões de CPFs no mês passado. Os números fazem parte de um levantamento divulgado nesta terça (19) pela B3, em teleconferência com jornalistas e analistas. Os dados levam em consideração apenas ativos negociados no mercado à vista, não incluindo derivativos, futuros ou termo.

Disparada no último ano

Desde o início de 2019, o número de investidores na B3 subiu como nunca antes na história. Até então, a quantidade de CPFs permanecia mais ou menos estável em 500 mil, com um leve aumento para 700 mil em 2018.

Mas em 2019, o número de pessoas físicas dobrou para 1,4 milhão. E apenas nos três primeiros meses deste ano, a bolsa ganhou 400 mil novos CPFs, mais da metade do que em todo o ano passado.

Até o fim de março, a bolsa tinha 1,9 milhão de CPFs, dos quais 1,7 milhão investia em ações e 790 mil, em fundos imobiliários. Neste último mercado, por sinal, o número de investidores pessoas físicas cresceu 283% desde o fim de 2018.

Fonte: B3

A bolsa atribui essa maior participação das pessoas físicas, mesmo em tempos de crise, à queda na Selic vista nos últimos anos - que empurrou os brasileiros para investimentos mais arriscados e capazes de gerar maiores retornos -, mas também à proliferação de conteúdo on-line sobre educação financeira e investimentos, tanto na imprensa tradicional quanto nas redes sociais (por meio de influenciadores) e nas próprias corretoras.

Nem os momentos de mais forte volatilidade intimidaram as pessoas físicas. Segundo Tarcísio Morelli, diretor de Inteligência de Mercado da B3, nos dias de circuit breaker em março foi possível ver forte movimento comprador de ações por parte das pessoas físicas.

“Essa atração de novos investidores é importante, porque as pessoas físicas trazem resiliência para o mercado financeiro, pois elas ficam com as ações por um tempo considerável”, diz Morelli.

Ele explica que há uma ideia de que as pessoas físicas fazem muitas operações de curto prazo, como day-trade (compra e venda de um ativo no mesmo dia), mas que na verdade os dados mostram que os investidores fazem coisa de uma operação por mês. “Os movimentos são pouco recorrentes”, diz.

Embora não opere toda hora, porém, o investidor pessoa física também não é “paradão”. Em 2018, em média 200 mil pessoas físicas faziam ao menos uma operação por mês, cerca de 30% dos 700 mil cadastrados; em março de 2019, a média de pessoas físicas que negociavam mensalmente chegou a 1,3 milhão, 70% de 1,9 milhão de cadastrados.

Investidor está bem mais jovem, mas ainda é predominantemente masculino

Em termos de faixa etária, o perfil das pessoas físicas na bolsa mudou completamente e ficou muito mais jovem. Segundo os dados divulgados pela B3, em 2013, 56% dos investidores pessoas físicas tinham mais de 60 anos, 24% tinham entre 40 e 59 anos e apenas 19% tinham entre 25 e 39 anos.

A participação dos mais jovens foi aumentando paulatinamente ao longo do tempo até que a faixa etária entre 25 e 39 anos se tornasse a maior, com 49% dos CPFs em março de 2020.

Os maiores de 60 anos hoje são apenas 23%, e aqueles com idades entre 40 e 59 anos caíram levemente para 18%. A faixa etária mais jovem, entre 19 e 24 anos, tornou-se relevante o suficiente para aparecer nas estatísticas, compondo 10% do total de CPFs.

Fonte: B3

Já a proporção entre os gêneros praticamente não mudou com o passar dos anos, mesmo com toda essa movimentação de pessoas físicas na bolsa. Desde 2013, data do dado mais antigo da pesquisa, as mulheres são apenas cerca de um quarto dos investidores.

Pequeno, mas diversificado

Os investidores pessoas físicas também vêm mostrando que esse negócio de investir na bolsa não é “coisa de rico”. O saldo investido mediano da pessoa física na bolsa vem caindo com os anos: de R$ 20 mil por pessoa em 2017, caiu a R$ 14 mil em 2019 e R$ 8 mil em março de 2020.

O valor mediano do primeiro aporte também vem caindo. Até o final de 2018, ficava acima de R$ 3 mil; a partir de 2019, começou a ficar abaixo de R$ 2 mil. Em março, a mediana do primeiro investimento ficou em R$ 1.622. E dos 223 mil investidores que ingressaram na B3 naquele mês, 30% tiveram um primeiro aporte de valor inferior a R$ 500.

Fonte: B3

A pessoa física também está diversificando mais. Em 2016, por exemplo, 78% dos investidores tinham apenas ações na carteira. Hoje, esse percentual caiu para 54%.

Fonte: B3

O percentual de pessoas com apenas um ativo na carteira caiu, no mesmo período, de 39% para 22%. Já o percentual de pessoas com mais de cinco ativos subiu de 21% para 42%.

A B3 considera que cada ticker (código) é um ativo. Por exemplo, a ação ordinária da Petrobras (PETR3) é um ativo, e a preferencial (PETR4) é outro. Assim, cada código de ação, ETF, BDR ou FII no mercado à vista é considerado.

Fonte: B3

A diversificação não se limita a quem tem maior saldo investido. Quase 70% dos investidores com saldo de até R$ 10 mil reais na bolsa detêm mais de um ativo, sendo que 26% chegam a ter mais de cinco ativos.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Recuperação na bolsa

Até onde vai o Ibovespa? Para a XP, o índice voltará aos 112 mil pontos ao fim de 2020

A XP Investimentos revisou para cima sua projeção para o Ibovespa ao fim de 2020, passando de 94 mil pontos para 112 mil pontos — um patamar que implica num potencial de alta de mais de 18% em relação aos níveis atuais da bolsa

COLUNA DO PAI RICO PAI POBRE

Como se preparar para a nova Era do Empreendedorismo

Quando as coisas mudam tão drasticamente quanto nos últimos meses, pode ser difícil perceber, mas esses momentos criam as maiores oportunidades.

Dados atualizados

Mortes por coronavírus no Brasil vão a 34.973; infectados são 643.766

Na quinta-feira, havia 34.021 mortes registradas, segundo o Ministério da Saúde. O balanço diário totalizava 614.941 infectados

Números da pandemia

‘Acabou matéria no Jornal Nacional’, diz Bolsonaro sobre atraso em dados do coronavírus

Questionado sobre o terceiro dia com atraso seguido na divulgação de mortos e infectados pela covid-19 pelo Ministério da Saúde, o presidente Jair Bolsonaro afirmou, nesta sexta-feira, 5, que “acabou matéria no Jornal Nacional”, telejornal da TV Globo

seu dinheiro na sua noite

A crise do coronavírus vai ser uma marolinha?

Em 2008, ao ser questionado sobre a crise financeira, o ex-presidente Lula disse que o tsunami sobre a economia global chegaria ao Brasil como uma “marolinha”. O resultado você e eu conhecemos. Pois bem, com a rápida recuperação dos mercados nas últimas semanas já vejo muita gente resgatar a tese da marolinha. Na nova versão, […]

Marcelo Guaranys

Ninguém voltará para fila do Bolsa Família após fim do auxílio emergencial, diz secretário

Depois de o governo transferir quase R$ 84 milhões do Bolsa Família para publicidade institucional, secretários do Ministério da Economia disseram que o programa está com a fila zerada

Isso é que é alívio

Dólar despenca 6,52% na semana e fica abaixo de R$ 5,00; Ibovespa dispara mais de 8%

O dólar à vista terminou a semana a R$ 4,99, indo ao menor nível desde 26 de março, enquanto o Ibovespa cravou a sexta alta seguida e voltou ao patamar de 94 mil pontos. Entenda o que motivou toda essa onda de otimismo nos mercados

Secretário especial da fazenda

Bolsa Família não foi prejudicado com transferência de recurso à Secom, diz Waldery

Ele lembrou que o governo decidiu prorrogar o auxílio emergencial por duas parcelas “em princípio” e que, depois da medida provisória que previa o pagamento permanente do 13º para o Bolsa Família caducar, o governo analisará o espaço orçamentário para esse medida neste ano

Efeito coronavírus

Varejo de SP tem perdas de R$ 16 bilhões durante quarentena, diz Fecomercio

O cálculo é da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), levando em consideração 72 dias de quarentena até ontem

Menos frequência, mais gasto

Redes de supermercados e atacarejos faturam 12,5% a mais em maio

Os dados são de um levantamento da GS Ciência do Consumo, empresa de inteligência analítica e soluções de tecnologia para indústria e varejo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements