Menu
2020-09-23T16:41:01-03:00
Ricardo Gozzi
mercado agora

Ausência de estímulos pesa sobre a bolsa; dólar sobe pelo 4º dia seguido

Ibovespa também acompanha o sinal negativo emitido por Wall Street em dia de cautela nos EUA; dólar firma-se acima de R$ 5,50

23 de setembro de 2020
10:47 - atualizado às 16:41
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A ausência de sinalização sobre novos estímulos monetários prevalece sobre o Ibovespa nesta quarta-feira, mantendo o principal índice de ações da B3 sem forças para reagir, enquanto o dólar sobe pela quarta sessão seguida, agora rompendo a marca dos R$ 5,50.

A bolsa brasileira até ensaiou uma reação no início da tarde, mas a ausência de sinalizações sobre a ampliação das atuais medidas de estímulo e a queda das ações em Wall Street em meio a uma bateria de testemunhos do presidente do Federal Reserve Bank (Fed, o banco central norte-americano), Jerome Powell, perante o Congresso dos Estados Unidos mantiveram o Ibovespa sob pressão.

Também pesam sobre os ativos financeiros brasileiros os persistentes ruídos políticos procedentes de Brasília e os temores com o avanço de uma nova onda de covid-19 pela Europa, realimentando o debate sobre a imposição de novas medidas restritivas.

Mais perto do fim do pregão, um recuo mais acentuado das ações de tecnologia negociadas em Nova York aprofundou a queda do Ibovespa, que chegou a perder brevemente o piso de 96 mil pontos.

Por volta das 16h40, o principal índice de ações da bolsa caía 1,26%, aos 96.065 pontos, em meio à ausência de drivers capazes de sustentar uma virada.

O fato é que o Ibovespa dá sinais de que o fôlego para a recuperação observada nos últimos meses está próximo do fim depois de os bancos centrais terem sinalizado recentemente que a contribuição da política monetária para fazer frente à crise provocada pela pandemia estaria perto de seu limite.

Pela manhã, os investidores mostraram-se incomodados diante da perspectiva de apresentação, por líderes do governo no Congresso, de uma proposta para a criação de um tributo sobre transações digitais nos moldes da extinta CPMF.

Novo testemunho de Powell mantém tensão no ar

Os investidores seguiam atentos hoje à bateria de testemunhos do presidente do Fed perante o Congresso dos Estados Unidos em meio a reiteradas advertências de que a política monetária teria encontrado seu limite no combate à crise.

Hoje, Powell testemunhou perante a subcomissão da Câmara dos Representantes para o combate à pandemia sem sinalizar nenhuma espécie de mudança de rumo.

Assim como fez ontem em depoimento à Comissão de Assuntos Financeiros da Câmara, Powell enfatizou hoje que o Fed segue empenhado em recorrer às ferramentas de política monetária disponíveis "pelo tempo que for necessário para assegurar que a recuperação será tão forte quanto possível".

Powell também repetiu que considera provável que estímulos fiscais adicionais por parte do governo norte-americano devem a ser necessários, uma vez que, na visão dele, a recuperação econômica norte-americana deve demorar mais tempo que o esperado.

Entretanto, prosseguiu ele, tudo o que a política monetária poderia fazer pela recuperação já foi tentado pelo Fed. "Fizemos praticamente todas as coisas que conseguimos pensar", afirmou ele aos deputados.

Além dos depoimentos de ontem e hoje, Powell será questionado amanhã pelos membros da Comissão de Assuntos Bancários, Habitacionais e Urbanos do Senado.

Os testemunhos regulares do dirigente máximo do Fed ao Congresso dos EUA costumam ser demorados e tensos - até por transcorrerem com os mercados abertos em Wall Street.

É improvável que Powell vire o disco amanhã, mas o simples fato de ele depor deve manter os investidores com um pé atrás por mais um dia pelo menos.

IRB e Localiza destacam-se com altas expressivas

Apesar do clima generalizado de cautela, os papéis da IRB e da Localiza destacam-se com altas consideráveis no Ibovespa.

As ações ON da IRB Brasil figuram entre as altas mais expressivas do índice pelo segundo dia seguido depois de a resseguradora ter reportado prejuízo líquido de R$ 62,4 milhões no mês de julho, de acordo com dados prévios e não auditados.

Mais uma vez, o resultado foi afetado pela revisão do portfólio de contratos da empresa. Sem este impacto, porém, a IRB teria apresentado lucro líquido de R$ 36 milhões.

Os papéis ON da Localiza e da Unidas também apresentam ganhos robustos hoje depois de a proposta de união entre as duas empresas ter sido bem recebida pelo mercado. Um eventual acordo poderá resultar no formação de um dos maiores players globais do segmento.

Dólar e juro

O dólar volta a operar em alta nesta quarta-feira, dando sequência ao forte avanço da moeda norte-americana sobre outras divisas observado na véspera.

Os investidores voltaram a recorrer ao dólar em busca de proteção diante dos sinais ambivalentes sobre a recuperação econômica e o avanço da pandemia pelo mundo.

Por volta das 16h40, o dólar subia 1,96%, cotado a R$ 5,5764.

Já os contratos de juros futuros fecharam em alta, próximos das máximas da sessão.

As taxas de DI acompanharam o movimento do mercado de câmbio. Ao mesmo tempo, os investidores buscaram antecipar-se ao leilão de título prefixados previsto para amanhã.

Confira as taxas negociadas de alguns dos principais contratos negociados na B3:

  • Janeiro/2022: de 2,920% para 2,970%;
  • Janeiro/2023: de 4,350% para 4,450%;
  • Janeiro/2025: de 6,300% para 6,430%;
  • Janeiro/2027: de 7,260% para 7,400%.
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

EM SITUAÇÃO DELICADA

FMI vê País com a pior dívida entre emergentes

Situação fiscal ruim do Brasil só é superada por países menores, como Angola, Líbia e Omã

ESQUENTA DOS MERCADOS

Coronavírus assusta, mas balanços corporativos tentam injetar otimismo nos mercados

O aumento do número de casos do coronavírus e a novela do pacote de estímulos fiscais americanos continuam como os principais fatores de cautela no radar dos investidores

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Lá e de volta outra vez: o maior IPO da história e a pandemia em semana de decisão monetária

Hegel costumava afirmar que a história sempre se repete (como disse, se reordena e retrocede sobre si). Ora, não é que nos deparamos com essas duas ideias nessa última semana de outubro?

Balanços

Santander tem recuperação em “V” e lucro sobe para R$ 3,9 bilhões no trimestre

A unidade local do banco espanhol supera expectativas de longe com lucro líquido de R$ 3,902 bilhões, alta de 5,3% em relação ao terceiro trimestre de 2019

REPARAÇÃO

Eletrobras adere a acordo de leniência da Camargo Corrêa e receberá R$ 117 milhões

Empreiteira assinou acordo de leniência em 2019, confessando ilícitos praticados contra diversas estatais e o governo federal

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies