2020-03-23T15:10:42-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Pessimismo

Ibovespa ignora medidas do BC e do Fed e opera em queda firme; dólar sobe a R$ 5,12

Em meio ao avanço do coronavírus pelo Brasil e pelo mundo, o Ibovespa opera novamente em queda, sem se animar com as medidas do BC e do Fed

23 de março de 2020
10:38 - atualizado às 15:10
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O estresse com o coronavírus continua mexendo com o Ibovespa. O índice brasileiro até tentou ficar no zero a zero logo depois da abertura, ainda analisando as iniciativas recém anunciadas pelo Banco Central e pelo Federal Reserve (Fed), mas, em pouco tempo, cedeu à aversão ao risco e se firmou no campo negativo.

Por volta de 15h05, o Ibovespa operava em queda de 5,02%, aos 63.678,99 pontos. Lá fora, tanto as bolsas da Europa quanto os mercados acionários dos Estados Unidos aparecem no vermelho — o Dow Jones (-3,33%), o S&P 500 (-3,13%) e o Nasdaq (-1,03%) caem em bloco.

No câmbio, o dólar à vista até chegou a recuar 0,42% mais cedo, encostando na marca dos R$ 5,00. Mas, em pouco tempo, a moeda americana voltou a ganhar força e, no momento, já sobe 2,01%, a R$ 5,1279.

  • Eu gravei um vídeo para comentar a nova onda de pessimismo que atinge o Ibovespa e as bolsas globais. Veja abaixo:

O surto global de coronavírus continua trazendo enorme pessimismo aos investidores. A doença segue avançando em ritmo preocupante pelo mundo, colocando diversos países em quarentena e forçando as pessoas a ficarem em casa — um cenário que, obviamente, afeta fortemente a economia global.

No mundo todo, já são mais de 15 mil mortes e 350 mil ocorrências confirmadas, de acordo com levantamento feito pela universidade John Hopkins, nos EUA — no Brasil, eram 25 óbitos e 1.546 casos até domingo. A situação é particularmente preocupante na Itália, que já tem mais de 5 mil casos fatais associados ao coronavírus.

Por aqui, medidas mais drásticas começaram a ser tomadas por parte de diversos governos estaduais. Em São Paulo, foi decretada quarentena por 15 dias, o que obriga todos os comércios não-essenciais a fecharem as portas durante esse período — uma medida que foi replicada por muitos Estados, em maior ou menor escala.

E a postura displicente do governo federal em meio à crise do coronavírus também é motivo de estresse para os investidores domésticos. O presidente Jair Bolsonaro tem batido de frente com os governadores e assumido um discurso de que o surto de coronavírus não é grave, o que deteriora ainda mais o cenário político do país.

Nesta manhã, o governo publicou uma MP que permite a suspensão do contrato de trabalho por quatro meses, uma medida que foi criticada pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia. E, nesse ambiente político belicoso, cresce o temor de que os efeitos negativos do surto de coronavírus para a sociedade e a economia serão ainda maiores.

BCs agem, mas...

Pacotes anunciados mais cedo pelos bancos centrais do Brasil e dos Estados Unidos até afastaram parcialmente o sentimento negativo do mercado, mas sem forças para sustentar uma recuperação das bolsas.

Por aqui, o BC anunciou a redução temporária da alíquota do compulsório sobre recursos a prazo, de 25% para 17% — segundo a autoridade monetária, a mudança deve liberar R$ 68 bilhões ao sistema financeiro a partir da semana que vem.

Nos Estados Unidos, o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) ira expandir os programas de empréstimos, de modo a dar maior sustentação à economia. A instituição vai comprar US$ 375 bilhões em Treausires e mais US$ 250 bilhões em outros títulos, somente nesta semana.

Tais medidas vão na mesma direção, tentando contornar a queda na atividade e a redução na liquidez — a ideia é tentar amenizar ao máximo os impactos negativos da crise do coronavírus. Mas, em meio ao avanço do coronavírus pelo mundo e a falta de perspectiva em relação à retomada da vida normal, a leitura é a de que a economia global será severamente impactada.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

Juros curtos em queda

Em meio ao pessimismo e às projeções de desaceleração abrupta na economia, os investidores voltam a apostar num novo corte da Selic como ferramenta para estimular a atividade doméstica.

Assim, as curvas de juros de curto prazo operam em baixa nesta segunda-feira, enquanto os DIs mais longos avançam, prevendo uma elevação na Selic após o choque inicial do coronavírus:

  • Janeiro/2021: de 3,96% para 3,75%;
  • Janeiro/2022: de 5,61% para 5,57%;
  • Janeiro/2023: de 6,92% para 7,15%;
  • Janeiro/2025: de 8,25% para 8,60%.

Altas e baixas

Veja abaixo as maiores altas do Ibovespa às 13h00:

CÓDIGONOME PREÇO (R$)VARIAÇÃO
WEGE3Weg ON35,70 +10,37%
MRFG3Marfrig ON7,61 +7,03%
SUZB3Suzano ON28,27 +3,21%
YDUQ3Yduqs ON23,11 +3,17%
RADL3Raia Drogasil ON115,87 +3,12%

Confira também as maiores baixas do índice:

CÓDIGONOME PREÇO (R$)VARIAÇÃO
HGTX3Cia Hering ON11,33 -16,07%
LREN3Lojas Renner ON29,71 -13,66%
NTCO3Natura ON21,84 -13,23%
UGPA3Ultrapar ON10,73 -12,98%
RENT3Localiza ON24,01 -12,85%
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas tentam se recuperar da queda após decisão do Fed e Ibovespa busca manter ritmo de alta mesmo com risco fiscal no radar

Depois de tocar os 112 mil pontos ontem (26), a bolsa brasileira precisa enfrentar o ajuste de carteiras ao novo cenário de juros altos

Exclusivo

Na “caça aos unicórnios”, Itaú lança fundo para aplicar em gestores de investimentos alternativos

O banco acaba de abrir para captação o Polaris, fundo com objetivo de retorno de até 25% ao ano e foco em investimentos que vão bem além do “combo” tradicional de bolsa, dólar e juros

CONSTRUTORAS COM DESCONTO

Vendas de imóveis em alta, ações em baixa. A queda das incorporadoras abriu uma oportunidade de compra na bolsa?

Os resultados do quarto trimestre mostram que as empresas do setor entregaram desempenhos sólidos, mas as ações caminham na direção contrária

COMPRA PROGRAMADA

‘Vale Gás’: Ultragaz cria cartão que permite ‘congelar’ o preço e parcelar a compra do gás de cozinha

O GLP é um dos derivados de petróleo afetado pela alta do dólar frente ao real e pela valorização da commodity no mercado internacional

SALTO COM FINANÇAS

Itaú (ITUB4) escala 53 posições em ranking e se torna único brasileiro entre 500 marcas globais mais valiosas; veja lista completa

Além de figurar entre as marcas mais valiosas, o Itaú conquistou uma posição na lista dos 250 principais CEOs ou “guardiões de marca”