Menu
2020-09-18T16:00:30-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Ricardo Gozzi
MERCADOS AGORA

Ibovespa acentua queda e dólar sobe com deterioração nos mercados financeiros internacionais

Cautela dos investidores internacionais deixa os mercados sem fôlego para sustentar uma alta expressiva. No Brasil, foco está nos ruídos políticos que chegam de Brasília

18 de setembro de 2020
10:36 - atualizado às 16:00
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O Ibovespa opera em queda desde o início da sessão e o dólar sobe forte ante o real em uma sexta-feira marcada pela forte aversão ao risco.

A queda no principal índice do mercado brasileiro de ações acentuou-se no início da tarde, acompanhando a deterioração observada nos mercados financeiros internacionais.

A situação é intensificada pelo mau desempenho dos setores financeiro e de tecnologia em Wall Street em dia de quadruple witching - vencimento simultâneo de contratos de derivativos.

Com a semana chegando ao fim sem grandes compromissos na agenda, o Ibovespa acompanha o movimento externo enquanto os investidores buscam proteção no dólar.

Enquanto as principais bolsas de valores europeias fecharam em queda, os índices de ações de Nova York registram fortes perdas. Por volta das 16h, o principal índice da B3 recuava 1,71%, aos 98.384 pontos. O dólar se mantém pressionado, com alta firme de 2,48%, a R$ 5,3612.

A preocupação principal continua girando em torno da falta de sinais de que os bancos centrais estariam dispostos a patrocinar uma nova rodada de estímulos monetários para sustentar a retomada econômica pós-pandemia.

Agenda fraca e ausência de notícias atrapalham

Antes de aprofundar a queda, o Ibovespa refletia a ausência de uma direção clara nos mercados financeiros internacionais, a agenda fraca e a escassez de notícias capazes de impulsionar o índice em um momento de incerteza, avaliou Pedro Galdi, analista da Mirae Asset.

Diante da agenda fraca, o noticiário corporativo figurou como um grande motor do mercado ao longo da sexta-feira.

As ações do Magazine Luiza destoavam da queda acentuada de outros papéis depois de a companhia ter aprovado uma nova proposta de desdobramento de ações na proporção de 1 para 4.

Um dos destaques negativos é a Cielo, cujas ações caem forte depois de o JPMorgan ter rebaixado a recomendação do papel de 'neutra' para 'venda'. Na visão do banco, a companhia deve seguir perdendo participação no mercado.

De olho em Brasília

Não bastasse a aversão ao risco no exterior, os agentes financeiros seguem de olho nas novidades da mais recente crise política em Brasília envolvendo o presidente Jair Bolsonaro e a equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes.

O clima na capital federal segue tenso desde que o presidente Jair Bolsonaro 'sepultou' o programa Renda Brasil - projetado para substituir o Bolsa Família - e deu um ultimato à equipe econômica do governo.

Desde a ameaça de 'cartão vermelho' para a proposta de congelamento de aposentadorias, que financiaria o novo programa social, os investidores analisam com lupa as situações envolvendo o ministro 'queridinho' do mercado, Paulo Guedes, e sua equipe econômica.

Após reunião com os secretários da pasta, o ministro disse que não irá segurar ninguém que vazar informações sobre os próximos passos da equipe econômica. Responsável pela divulgação dos planos para o Renda Brasil, o secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, estaria de saída do governo.

Dólar e juro

O dólar opera em forte alta em uma sexta-feira marcada por baixa liquidez e muita aversão ao risco. O real apresenta o pior desempenho ante o dólar dentre as moedas de mais liquidez nos mercados financeiros.

Ao fugirem de posições mais arriscadas, os investidores buscam hoje proteção no mercado de câmbio.

Os contratos de juros futuros também têm alta acentuada, especialmente nos vencimentos mais longos, acompanhando o movimento do dólar ante o real.

Confira as taxas negociadas de alguns dos principais contratos negociados na B3:

  • Janeiro/2022: de 2,820% para 2,970%;
  • Janeiro/2023: de 4,140% para 4,400%;
  • Janeiro/2025: de 6,020% para 6,340%;
  • Janeiro/2027: de 7,010% para 7,320%.
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Big Techs

Resultados de Facebook, Google, Amazon, Twitter e Apple mexem com o mercado; veja números

Apesar dos resultados estarem bastante acima do esperado pelos analistas, as ações de algumas das gigantes caíram no pós-mercado em NY

Rombo

Governo Central tem déficit de R$ 76,1 bilhões em setembro

O resultado, que reúne as contas do Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central, sucede o déficit de R$ 96,096 bilhões de agosto.

fechamento

Após sangria, Ibovespa acompanha Nova York e sobe 1,3%; juros recuam com Copom

Índice teve sessão de altos e baixos a princípio, mas acabou seguindo bolsas americanas e registrou maior alta em uma semana; Petrobras e Vale são destaques após balanços. Dólar marca leve ganho

plataforma de pagamentos

Em expansão, Locaweb propõe R$ 180 milhões pela empresa de tecnologia Vindi

Companhia tem até 5 de dezembro para aceitar a proposta – que, segundo a Locaweb, já foi aceita por acionistas que representam 79,33% da empresa

Para além dos shoppings

Multiplan vai retomar investimentos imobiliários em empresa separada, diz presidente da companhia

CEO José Isaac Peres disse, em teleconferência, que não pensa em abrir capital dessa eventual empresa segregada, e está otimista com o mercado imobiliário atual.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies