Menu
2020-09-09T16:41:16-03:00
Ricardo Gozzi
Mercado agora

Ibovespa sobe com alívio na cena externa e expectativa de recuperação moderada

Liquidez abundante é apontada como motivo principal para que investidores ignorem temores relacionados com paralisação dos testes com vacina da AstraZeneca

9 de setembro de 2020
10:15 - atualizado às 16:41
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O Ibovespa opera em alta nesta quarta-feira desde o início de uma sessão na qual os movimentos apontam para uma recuperação pelo menos moderada dos preços dos ativos negociados na B3.

A grande liquidez despejada pelos bancos centrais no decorrer dos últimos meses é apontada como motivo principal para que os investidores ignorem temores relacionados com a paralisação dos testes com a vacina contra o novo coronavírus produzida pela AstraZeneca e retomem o apetite por risco.

Os testes foram paralisados depois do surgimento de suspeita de efeitos colaterais em um dos participantes da pesquisa.

No exterior, enquanto as bolsas asiáticas repercutiram hoje a queda registrada ontem em Wall Street, os mercados de ações da Europa fecharam em alta consistente em meio à expectativa com a decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), amanhã, e à recuperação dos papéis do setor de tecnologia.

Em Nova York, depois de três sessões seguidas de queda, os principais índices da bolsa norte-americana recuperam terreno nesta quarta-feira. Na B3, o Ibovespa ensaiou um avanço robusto na abertura, mas passou a andar em linha com o índice Dow Jones assim que o pregão teve início em Nova York.

Posteriormente, a alta se acelerou em Wall Street, mas sem uma maior repercussão no principal índice brasileiro de ações, que hoje encontrou resistência na marca de 101 mil pontos durante a maior parte do pregão. Por volta das 16h40, o Ibovespa operava em alta de 1,30%, aos 101.352 pontos.

Entre os ativos negociados na B3, a atenção está voltada para o setor de telefonia. Na noite de ontem, os credores da Oi aprovaram em assembleia o aditamento ao plano de recuperação judicial da empresa, em um evento online que se estendeu ao longo de toda a terça-feira.

Liquidez abundante sustenta apetite por risco

“A dificuldade em se promover uma correção mais profunda dos ativos vem necessariamente da contínua e forte liquidez promovida por bancos centrais, em especial o Fed”, observa Jason Vieira, economista-chefe da Infinity Asset.

“Neste contexto, os investidores ignoram as decepcionantes notícias sobre a vacina contra a covid-19, a necessidade de correção dos valores diversas ações do mercado e se mantêm numa postura no mínimo propensa à volatilidade”, prossegue ele.

No caso brasileiro, uma atípica situação de taxa de juro real ex-post negativa reforça a percepção de que essa liquidez abundante ainda se manterá por um bom tempo, garantindo fôlego à busca por mais risco nos mercados financeiros.

Inflação avança em agosto, mas dentro do esperado

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) avançou 0,24% em agosto na comparação com julho, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Analistas esperavam um avanço de 0,25% da inflação em agosto na comparação mensal. Embora o índice tenha desacelerado em relação a julho (+0,36%), o IPCA de agosto foi o mais alto para o mês desde 2016.

Pesaram mais no bolso do consumidor a gasolina, que subiu pelo terceiro mês seguido, e os alimentos (+0,78%). Para as famílias de menor renda, o impacto é ainda maior.

A alta nos preços dos alimentos tem sido motivo de intenso debate. Enquanto o governo descarta a possibilidade de imposição de controle de preços e o risco de desabastecimento, representantes da Abras, entidade que reúne os supermercados, se reunirão hoje em Brasília com representantes da administração Jair Bolsonaro para discutir a situação.

Dólar e juro

O dólar opera em queda com o real acompanhando a recuperação dos ativos locais. A moeda norte-americana também perde terreno ante divisas de outros países emergentes e de exportadores de commodities.

Por volta das 16h40, o dólar operava em queda de 1,48%, cotado a R$ 5,2857.

Os contratos de juros futuros acompanharam a queda do dólar ao mesmo tempo em que refletiram a percepção de que os dados mais recentes de inflação apontam para o fim do ciclo de cortes na taxa Selic pelo Banco Central.

O economista-chefe da Necton Corretora, André Perfeito, aponta para a situação de juro real negativo no Brasil, calculado a partir da subtração da inflação de 2,44% no acumulado de 12 meses até agosto sobre uma taxa Selic de 2% ao ano.

"Temos desta forma uma taxa de juros real de -0,44% ex-post. Isto somado aos ruídos da agenda de reformas sugere que não teremos de fato corte da Selic na reunião que acontecerá entre os dias 15 e 16 de setembro", comenta Perfeito.

Confira as taxas negociadas de alguns dos principais contratos negociados na B3:

  • Janeiro/2022: de 2,830% para 2,790%;
  • Janeiro/2023: de 4,040% para 4,000%;
  • Janeiro/2025: de 5,840% para 5,790%;
  • Janeiro/2027: de 6,790% para 6,740%.
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

EUA X China

Trump X TikTok: empresa chinesa tenta impedir proibição de downloads

Decisão judicial pode barrar restrição, que passaria a valer a partir de meia-noite deste domingo nos Estados Unidos.

A 38 dias da eleição

Trump anuncia nomeação de Barrett para a Suprema Corte

Nomeação ainda precisa ser confirmada pelo Senado, que hoje tem maioria Republicana.

Últimos ajustes

Guedes se reúne com líder do governo na Câmara para discutir Reforma Tributária

Segundo o deputado Ricardo Barros, na segunda-feira a proposta já estará fechada para uma rodada de discussão com os líderes da base governista no Congresso.

Em 2020

Pandemia tira R$ 12 bilhões em investimentos

Investimentos públicos em infraestrutura deverão ser 10% menores em relação ao estimado antes da pandemia de covid-19.

Entrevista

“A crise econômica será severa e prolongada”, diz de Bolle

Em novo livro, economista defende que é preciso romper com padrões estabelecidos de estratégia econômica – como o teto de gastos – para responder aos desafios trazidos pelo novo coronavírus.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements