Menu
2020-09-09T09:33:30-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
ponto de tensão do governo

Inflação sobe 0,24% em agosto, em linha com o esperado pelo mercado

Pesaram mais no bolso do consumidor a gasolina, que subiu pelo terceiro mês seguido, e os alimentos

9 de setembro de 2020
9:05 - atualizado às 9:33
inflação IPCA
Imagem: Shutterstock

A inflação avançou 0,24% em agosto, segundo dados que compõem o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística nesta quarta-feira (9). No ano, o indicador acumula alta de 0,70% e, em 12 meses, de 2,44%.

O mercado esperava a inflação a 0,25% em agosto, segundo a mediana das estimativas do Projeções Broadcast, do Grupo Estado. O intervalo das projeções era de 0,16% a 0,33%. De acordo com o Focus, do BC, o IPCA deve fechar o ano a 1,78%.

O IPCA de agosto foi o mais alto para o mês desde 2016, embora o índice tenha desacelerado em relação a julho (0,36%). Pesaram mais no bolso do consumidor a gasolina, que subiu pelo terceiro mês seguido, e os alimentos. Para as famílias de menor renda, o impacto é maior.

Os alimentos para consumo no domicílio tiveram alta de 1,15% em agosto no IPCA. Os principais itens que influenciaram essa elevação entre os alimentos foram os seguintes:

  • Tomate (12,98%);
  • Óleo de soja (9,48%);
  • Leite longa vida (4,84%);
  • Frutas (3,37%);
  • Carnes (3,33%).

Segundo o IBGE, o arroz (3,08% em agosto) acumula alta de 19,25% no ano e o feijão, dependendo do tipo e da região, tem inflação acima dos 30%. O feijão preto, muito consumido no Rio de Janeiro, acumula alta de 28,92% no ano e o feijão carioca, de 12,12%, diz o instituto.

Embora comportada, a inflação voltou a preocupar o governo - que diz que não fará intervenção, mas monitoramento. Representantes da Abras, entidade que reúne os supermercados, devem apresentar nesta quarta ao Executivo um panorama dos preços dos alimentos.

A alta estaria acontecendo em resposta ao represamento de produtos pelos agricultores, segundo o governo, queda das importações e desvalorização do real. Na semana passada, a Abras disse que vê a conjuntura com "muita preocupação, por se tratar de produtos da cesta básica da população brasileira".

O que segurou a inflação

Entre as áreas que tiveram deflação e ajudaram a segurar o índice, o IBGE destaca a alimentação fora do domicílio (-0,11%), embora tenha registrado queda menos intensa que a do mês anterior (-0,29%).

Outros destaques foram as Peças de Vestuário (-0,78%) e Educação (-3,47%). Segundo instituto, cinco das 16 regiões pesquisadas apresentaram deflação em agosto.

O menor índice ficou com o município de Aracaju (-0,30%), especialmente por conta da queda no custo dos cursos regulares (-7,27%). Os demais locais com IPCA no campo negativo foram Fortaleza (-0,23%), Rio de Janeiro (-0,13%), Belém (0,04%) e Vitória (0,03%).

*Conteúdo em atualização. Mais informações em instantes

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

relações com os eua

Não acho que sucessão nos EUA mude disputa com China por 5G, diz Mourão

Mais uma vez questionado sobre a possibilidade de o governo brasileiro reconhecer a vitória do democrata Joe Biden na eleição americana, Mourão repetiu o discurso de que, “no momento certo, será feito o que tiver de ser feito”

em expansão

Notre Dame Intermédica compra Grupo Hospitalar de Londrina por R$ 170 milhões

Plano de integração com a empresa comprada prevê sinergias operacionais e administrativas com as operações da Clinipam no Estado do Paraná

seu dinheiro na sua noite

ESG no Brasil é conversa pra boi dormir?

Na última quinta-feira, véspera do Dia da Consciência Negra, o País ficou horrorizado com a morte de João Alberto de Freitas, homem negro que foi espancado por seguranças de uma loja da rede Carrefour em Porto Alegre. Não foi o primeiro incidente em uma loja da companhia a ganhar o noticiário policial. Desta vez, o […]

diante da crise

Anac aprova reequilíbrio de R$ 1,27 bilhão para quatro aeroportos

Terminais que foram beneficiados foram os aeroportos internacionais de Guarulhos (R$ 854,9 milhões), Brasília (R$ 184,8 milhões), Salvador (R$ 114,9 milhões) e Confins (R$ 111,1 milhões)

últimos capítulos

Centro de treinamento de pilotos da Varig vai a leilão

Funcionários, que esperam há 14 anos por uma solução para o pagamento de indenizações, querem que 80% do valor arrecadado seja rateado entre os 13 mil ex-empregados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies