Menu
2020-07-23T18:21:46-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Sem força para subir

Em dia de dados negativos nos EUA, Ibovespa tem realização de lucros e volta ao patamar de 102 mil pontos

Índice passou a cair mais forte na parte da tarde, com desempenho mais fraco das bolsas americanas, puxadas pelas ações de tecnologia; dados de emprego nos EUA azedaram os mercados

23 de julho de 2020
18:03 - atualizado às 18:21
Selo Mercados FECHAMENTO Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Até a última segunda-feira (20), o Ibovespa acumulava uma valorização de quase 10% no mês, fechando acima dos 104 mil pontos. Mas nos dias subsequentes, a falta de novidades que pudessem impulsionar ainda mais os preços das ações impediu o principal índice da bolsa brasileira de continuar avançando.

Tivemos dois dias de um índice andando um pouco de lado, até que hoje ele tomou um tombo e fechou em queda de 1,91%, aos 102.293,31 pontos. Não apenas não tivemos notícias boas o suficiente, como dados negativos de emprego nos Estados Unidos deixaram os mercados americanos cautelosos, puxando a bolsa brasileira também para baixo.

Na manhã desta quinta (23), o Departamento de Comércio americano divulgou os dados de pedido de auxílio-desemprego dos EUA, que subiram pela primeira vez em quase quatro meses e atingiram 1,416 milhão, ante uma expectativa de 1,3 milhão, segundo analistas consultados pelo "The Wall Street Journal". Os números desanimaram os investidores quanto ao ritmo de recuperação da economia americana.

O Ibovespa até começou o dia em alta, enquanto as bolsas americanas apresentavam uma queda modesta. No meio da manhã, porém, o índice brasileiro virou para queda, que se aprofundou no meio da tarde, junto com a aceleração das perdas em Nova York.

Em Wall Street, as quedas eram puxadas pelas ações das empresas de tecnologia. No fim do pregão, o Dow Jones fechou em queda de 1,31%, aos 26.652,33 pontos; o S&P 500 recuou 1,23%, aos 3.235,66 pontos; e o Nasdaq fechou em baixa de 2,29%, aos 10.461,42 pontos.

"Um ajuste teria que vir", diz Pedro Galdi, analista da Mirae Asset. Ele lembra que ainda há a questão do risco geopolítico, com as novas tensões entre Estados Unidos e China, depois que o governo americano ordenou o fechamento do consulado chinês em Houston, acusando o gigante asiático de espionagem comercial e militar. "A China deve fechar algum consulado dos EUA no país para retaliar Trump", observa.

Na Europa, apesar das altas percebidas nos índices acionários mais cedo, a maioria das praças fechou em queda. Apesar disso, o índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em leve alta de 0,06%.

Já os juros futuros operavam em alta ou estáveis pela manhã, pressionados pelo leilão de títulos prefixados realizado pelo Tesouro Nacional, mas acabaram fechando em queda na maior parte dos principais vencimentos:

  • Janeiro/2021: de 2,04% para 2,03% (-0,49%);
  • Janeiro/2022: de 2,99% para 2,97% (-0,67%);
  • Janeiro/2023: de 4,08% para 4,07% (-0,25%);
  • Janeiro/2025: de 5,57% para 5,58% (+0,18%).

Dólar recupera parte das perdas recentes

O ambiente de maior aversão a risco também levou o dólar a subir, depois de dois dias de fortes perdas. O dólar à vista fechou em alta de 1,92%, cotado a R$ 5,2138.

Segundo Flávio Serrano, economista do Banco Haitong, trata-se de uma correção após a perdas recentes, diante dos dados negativos de emprego nos EUA divulgados hoje.

"Ainda deve haver muita volatilidade da moeda, mas achamos que no médio prazo o real ainda vai se valorizar um pouco mais", diz.

"Quanto mais consistentes forem os dados econômicos e quanto mais os resultados das empresas surpreenderem positivamente, mais as ações vão se fortalecer", diz Serrano, que acrescenta que o indicador divulgado hoje causa "um pouco de dúvida", nos investidores.

Oi dispara, mas as demais teles sofrem

Fora do Ibovespa, as ações da Oi (OIBR3) disparam 19,40% nesta quinta-feira, depois que a empresa, em recuperação judicial, fechou um acordo de exclusividade com a Highline do Brasil para a venda da sua rede móvel. A empresa, controlada da americana Digital Colony, fez uma proposta acima do mínimo de R$ 15 bilhões.

Os papéis da Tim (TIMP3) e da Vivo (VIVT4), por outro lado, amargaram perdas. As duas companhias haviam feito, com a Claro, uma proposta conjunta pela rede móvel da Oi, mas agora ficaram para trás. As ações da Tim recuaram 8,43%, a maior queda do dia, e as da Vivo caíram 3,73%.

Top 5

Veja a seguir as maiores altas do Ibovespa nesta quinta:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
SUZB3Suzano ON40,74 3,14%
QUAL3Qualicorp ON28,52 1,49%
JBSS3JBS ON22,36 1,36%
KLBN11Klabin units21,36 0,99%
HYPE3Hypera ON33,74 0,45%

Confira também as maiores quedas do índice:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
TIMP3Tim ON14,77 -8,43%
VVAR3Via Varejo ON19,80 -7,00%
COGN3Cogna ON8,75 -6,82%
CIEL3Cielo ON5,22 -5,43%
MGLU3Magazine Luiza ON80,40 -5,02%
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

FALTA DE PATRIOTISMO?

O Brasil é mesmo o pior país emergente para se investir?

A Bolsa russa cai 15% no ano, a mexicana 29% e a brasileira cai impressionantes 39%, todos em dólares.

Em 2009

Carlos Bolsonaro comprou imóvel por preço 70% abaixo do fixado pela prefeitura

A prática não é ilegal, mas costuma despertar suspeitas – por possibilitar, em tese, pagamentos “por fora”, sem registros oficiais.

Em expansão

E-commerce, mercado financeiro e delivery puxam contratações de executivos

Segundo dados do LinkedIn, houve 1.269 movimentações para cargos executivos entre março e agosto, 80% delas foram para esses setores.

Judiciário

Celso de Mello antecipa saída e acelera sucessão no STF

Com saída, abre-se a primeira vaga para indicação do presidente Jair Bolsonaro.

Mais lidas

MAIS LIDAS: De bolso cheio para brigar contra todos

Na semana em que o Seu Dinheiro completou dois anos no ar, refleti sobre quanta água rolou em tão pouco tempo. Foram muitos acontecimentos relevantes para os mercados, como eleição presidencial, guerra comercial de China e Estados Unidos, aprovação da Reforma da Previdência e a chegada do coronavírus. A Julia Wiltgen levantou o ranking de […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements