Menu
2020-09-18T19:58:54-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Ricardo Gozzi
Sinal vermelho

Bolsa fecha em queda e dólar sobe forte com deterioração nos mercados financeiros internacionais

Em sessão marcada por aversão generalizada ao risco, ‘quadruple witching’ em Wall Street aprofundou recuo do Ibovespa e impulsionou o dólar

18 de setembro de 2020
17:58 - atualizado às 19:58
Bear market: tendência de queda
Bear market: tendência de queda - Imagem: Shutterstock

Uma semana iniciada com grande expectativa em torno de importantes decisões de política monetária ao redor de todo o globo terminou com sinais inequívocos de que a fé dos investidores nos bancos centrais está abalada.

Eu inclusive conversei com o Vinícius Pinheiro sobre esse tema no vídeo que você pode conferir logo abaixo:

Depois de operar em queda desde o início da sessão, o Ibovespa fechou no vermelho e o real desvalorizou-se acentuadamente ante o dólar em uma sexta-feira marcada pela forte aversão ao risco.

A queda no principal índice do mercado brasileiro de ações acentuou-se no início da tarde, acompanhando a deterioração observada nos mercados financeiros internacionais.

A situação foi intensificada pelo mau desempenho dos setores financeiro e de tecnologia em Wall Street em dia de quadruple witching - vencimento simultâneo de contratos de derivativos.

Com a semana chegando ao fim sem grandes compromissos na agenda, o Ibovespa acompanhou o movimento externo enquanto os investidores buscaram proteção no dólar. E deu no que deu.

As principais bolsas de valores europeias fecharam em queda e os índices de ações de Nova York registram fortes perdas. O Dow Jones recuou 0,88%, o S&P-500 cedeu 1,12% e o Nasdaq encerrou em queda de 1,07%.

Por aqui, o principal índice da B3 retrocedeu 1,81%, fechando em 98.289,71 pontos. Ao término de mais uma semana de fortes emoções no mercado de ações, o Ibovespa recuou 0,07% no acumulado do período.

A preocupação principal dos investidores continua girando em torno da falta de sinais de que os bancos centrais estariam dispostos a patrocinar uma nova rodada de estímulos monetários para sustentar a retomada econômica pós-pandemia.

Agenda fraca e ausência de notícias atrapalharam

Antes de aprofundar a queda, o Ibovespa refletia a ausência de uma direção clara nos mercados financeiros internacionais, a agenda fraca e a escassez de notícias capazes de impulsionar o índice em um momento de incerteza, avaliou Pedro Galdi, analista da Mirae Asset.

Diante da agenda fraca, o noticiário corporativo figurou como um grande motor do mercado ao longo da sexta-feira, mas foi insuficiente para evitar a queda do índice..

As ações do Magazine Luiza destoaram da queda acentuada de outros papéis depois de a companhia ter aprovado uma nova proposta de desdobramento de ações na proporção de 1 para 4.

Além da Magalu, apenas duas outras empresas fecharam hoje no azul: a Raia Drogasil, que esta semana também decidiu por um desdobramento de ações, e a Suzano, beneficiada pela alta acentuada do dólar.

No campo negativo, o destaque ficou por conta da Cielo, cujas ações registraram o pior desempenho dentro todos os componentes do Ibovespa depois de o JPMorgan ter rebaixado a recomendação do papel de 'neutra' para 'venda'. Na visão do banco, a companhia deve seguir perdendo participação no mercado.

Confira a seguir as maiores altas e as maiores queda do dia entre os componentes do Ibovespa.

MAIORES ALTAS

  • Suzano ON (SUZB3) +2,10%
  • Raia Drogasil ON (RADL3) +1,29%
  • Magalu ON (MGLU3) +0,07%

MAIORES BAIXAS

  • Cielo ON (CIEL3) -6,58%
  • Lojas Renner ON (LREN3) -4,97%
  • BTG Pactual Unit (BPAC11) -4,97%
  • IRB Brasil ON (IRBR3) -4,91%
  • Gol PN (GOLL4) -4,78%

Dólar e juro

O dólar registrou forte valorização em uma sexta-feira marcada por pouca liquidez e muita aversão ao risco. O real apresentou o pior desempenho ante o dólar dentre as moedas de mais liquidez nos mercados financeiros.

Ao fugirem de posições mais arriscadas, os investidores buscaram hoje proteção no mercado de câmbio.

Com isso, a divisa norte-americana fechou em alta de 2,79%, cotada a R$ 5,3776. Esta foi a maior alta diária do dólar desde 24 de junho. Na semana, a moeda norte-americana avançou 0,83%.

Os contratos de juros futuros também fecharam em alta acentuada, especialmente nos vencimentos mais longos, acompanhando o movimento do dólar ante o real.

Confira as taxas negociadas de alguns dos principais contratos negociados na B3:

  • Janeiro/2022: de 2,820% para 2,970%;
  • Janeiro/2023: de 4,140% para 4,380%;
  • Janeiro/2025: de 6,020% para 6,310%;
  • Janeiro/2027: de 7,010% para 7,280%.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Exile On Wall Street

Procure por lucros crescendo

Procurar por lucros que crescem, na maior parte das vezes, implica bater de frente com a ideia de comprar barganhas clássicas apuradas sob os critérios de múltiplos baixos

IGP-M em alta

Inflação do aluguel sobe de 18,20% para 20,56% em um ano, aponta FGV

O Índice Nacional de Custo da Construção também cresceu de 0,98% para 1,50% em 12 meses, segundo pesquisa da Fundação Getúlio Vargas

Mercados hoje

Ibovespa rompe os 100 mil pontos, com tom positivo no Brasil e no exterior

Índice dá continuidade a movimento positivo de ontem, com menos pressão de fatores de risco locais no radar

TUDO QUE VAI MEXER COM SEU DINHEIRO HOJE

11 notícias para você começar a terça-feira bem informado

O coronavírus ofuscou o que deveria ser o evento do ano em 2020: a eleição presidencial nos Estados Unidos, o pleito que escolherá quem ocupará um dos cargos mais importantes do mundo nos próximos quatro anos. Os mercados começaram a corrida eleitoral com uma torcida maior por Donald Trump. Sua política de redução de impostos […]

DESEMPENHO AINDA BAIXO

Embraer: Entrega de aeronaves sobe entre segundo e terceiro trimestre

Resultado, porém, fica abaixo do registrado no terceiro trimestre de 2019, com empresa ainda sentindo a crise do setor aéreo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies