Menu
2020-06-12T18:36:18-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
A volta da cautela

Ibovespa termina semana com queda de 1,95% após rali, e dólar retorna ao patamar de R$ 5

Ibovespa fecha em queda de 2,00% nesta sexta, em dia de ajuste após feriado, quando os mercados lá fora sofreram; temores com pandemia retornam

12 de junho de 2020
18:13 - atualizado às 18:36
Selo Mercados FECHAMENTO Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Após uma sequência de sete altas consecutivas, refletindo o otimismo dos investidores, sobretudo no exterior, com a reabertura das economias de países desenvolvidos após a pandemia, o Ibovespa finalmente virou nesta semana e terminou o período em queda de 1,95%, aos 92.795,27 pontos. Apenas nesta sexta-feira (12), o índice caiu 2,00%.

Tudo começou com uma realização dos ganhos do rali recente na terça-feira. O movimento continuou na quarta, após a reunião do Federal Reserve (Fed) que manteve inalterados os juros na faixa de zero a 0,25%.

Ao mesmo tempo em que o banco central americano afastou a possibilidade de levar os juros para o patamar negativo, a instituição se mostrou bastante pessimista com a economia, e disposta a utilizar "todas as ferramentas" para ajudar a economia.

O movimento foi interpretado pelo mercado como um pouco ambíguo: ao mesmo tempo em que demonstrou cautela em relação à economia, o Fed descartou a possibilidade de juros negativos no curto e médio prazo; e ao mesmo tempo em que se mostrou pessimista nas suas projeções econômicas, o BC americano demonstrou que os juros ainda devem permanecer zerados por um bom tempo e que fará o que for necessário para estimular a atividade.

As incertezas renovadas levaram os índices acionários a fecharem em baixa naquele dia. Ontem, feriado no Brasil, as bolsas americanas e europeias tiveram um novo baque, com a divulgação de dados negativos de casos de covid-19 nos EUA, mostrando que a situação no país ainda é grave.

Às incertezas relacionadas ao Fed se somou o temor de uma segunda onda de coronavírus no país, derrubando as bolsas no mundo. Por aqui, o ajuste aconteceu justamente nesta sexta-feira, amenizado pelo fato de que, lá fora, o mercado viu uma leve recuperação.

As bolsas europeias fecharam sem sinal único, e em Nova York os índices acionários fecharam em alta. O Dow Jones subiu 1,90%, aos 25.605,54 pontos; o S&P 500 avançou 1,31%, aos 3.041,31 pontos; e o Nasdaq teve alta de 1,01%, aos 9.588,81 pontos.

Em parte, os investidores americanos se viram animados pelo índice de confiança do consumidor divulgado pela Universidade de Michigan, que subiu de 72,3 em maio para 78,9 em junho, acima das expectativas dos analistas consultados pelo The Wall Street Journal, de 75.

Por outro lado, uma fala do presidente do Fed de Richmond, Thomas Barkin, manteve uma certa cautela e segurou uma alta mais forte das bolsas lá fora. A autoridade manifestou temor de que alguns empregos perdidos em razão da pandemia poderiam não voltar após a crise.

Dólar e juros

O dólar à vista retomou o patamar dos R$ 5, tendo fechado hoje em alta de 2,17%, a R$ 5,0426. Foi a maior alta diária desde 7 de maio. Na semana, a moeda americana acumula ganho de 1,04%, após três semanas de baixas.

A divisa ganhou força tanto ante as moedas fortes quanto as moedas emergentes, ecoando um novo movimento de aversão a risco após o discurso de cautela do Fed e o retorno dos temores em relação à pandemia.

Os juros futuros se mexeram pouco nesta sexta-feira. Os juros curtos fecharam em queda, precificando novos cortes na Selic. O DI para janeiro de 2021 recuou 0,92%, para 2,155%, e o DI para janeiro de 2022 recuou 0,65%, para 3,07%.

Já os juros mais longos fecharam em alta ou estáveis. O DI para janeiro de 2023 subiu 0,24%, para 4,13%; o DI para janeiro de 2025 avançou 0,18%, para 5,68%; e o DI com vencimento em janeiro de 2027 ficou estável em 6,60%.

Top 5

Maiores altas

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
CarrefourCRFB318,50+2,72%
MinervaBEEF313,07+2,35%
Marfrig MRFG312,88+2,22%
Lojas AmericanasLAME431,30+2,19%
EnergisaENGI1148,77+1,12%

Maiores quedas

CÓDIGO NOME PREÇO (R$) VARIAÇÃO
IRBIRBR311,49-11,35%
CVCCVCB320,81-9,44%
GolGOLL418,54-8,41%
BraskemBRKM524,70-7,77%
CieloCIEL34,21-7,68%
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

energia renovável

Braskem fecha acordo de R$ 1 bilhão com Casa dos Ventos

É o quarto contrato de compra de energia renovável competitiva assinado pela companhia; operação deve contribuir para viabilizar a construção de um novo parque eólico

Proteção

Governo de SP coloca estado na fase vermelha da quarentena a partir do dia 25

Nos dias úteis, a fase vermelha valerá das 20h às 6h.

insatisfação

Empresários pressionam por vacinas, oferecem ajuda e criticam governo

Eles cobram do presidente Bolsonaro pressa na imunização, criticam a politização por causa das eleições de 2022, se colocam à disposição para ajudar e pedem ação do governo

esg

Ambev fecha compra de mil veículos elétricos

Produção será feita em área exclusiva na fábrica da Agrale em Caxias do Sul (RS), com quem a empresa tem contrato de cooperação técnica

Exile on Wall Street

Tempo: o investimento mais importante da sua vida

Tempo é o recurso mais valioso e escasso do mundo, cada pessoa tem uma quantidade limitada, mas indeterminada, dele. Como você tem usado o seu?

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies